20 Jan 2018


Veículos importados fecham 2017 com queda de 17%

Publicado em Autos
Avalie este item
(0 votos)

As dezessete marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, com licenciamento de 29.751 unidades, anotaram em 2017 queda de 17% ante igual período de 2016, quando foram vendidas 35.852 unidades importadas.

No comparativo mensal, dezembro de 2017 ainda registrou queda de 0,4% em relação a igual período de 2016. Foram comercializadas 3.324 unidades contra 3.336 licenciamentos em dezembro do ano anterior. O desempenho de vendas no mês de dezembro, porém, significou alta de 27,2%, comparado ao mês imediatamente anterior. Foram 3.324 unidades contra 2.614 unidades em novembro último.

“Conseguimos fechar o ano de 2017 com crescimento 10% acima da projeção inicial de 27 mil unidades. Ainda assim, mais uma vez, amargamos queda expressiva de 17% em relação ao ano de 2016. Agora, com o fim das cotas limitadoras sem os 30 pontos percentuais no IPI, esperamos recuperar nossa participação no mercado interno que foi de apenas 2,21%, somando importados ´puros´ e veículos produzidos por nossas associadas no Brasil. E também no segmento somente de importados, que foi de 12,45% em 2017”, analisa José Luiz Gandini, presidente da Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores.

De acordo com Gandini, a Abeifa estima para este ano 40 mil unidades, crescimento de 35% sobre os dados de emplacamentos de 2017. “No entanto, estamos falando de crescimento sobre uma base muito fraca. É até natural que cresçamos a taxas mais expressivas, porém, sem euforia, com muito pé no chão”, esclarece, “agora, embora tenhamos isonomia tributária e sem cotas limitadoras, aos importadores fica muito difícil trazer carros de alto volume, os chamados carros mais populares, até porque a indústria local tem ofertas muito competitivas. Com o dólar no patamar de R$ 3,30, aos importadores fica quase impossível atuar fora de nicho de mercado”.

Além disso, Gandini voltou a reafirmar que, com o fim do programa Inovar-Auto e o retorno das alíquotas de IPI de 7%, 11%, 13%, 18% e 25%, respectivamente para veículos com motorização de 1.0 litro (flex), 1.0 a 2.0 litros (flex), 1.0 a 2.0 litros (à gasolina), acima de 2.0 litros (flex) e acima de 2.0 litros (à gasolina), os preços de veículos importados não vão cair. “Porque os importadores não pagavam o super IPI com adicional de 30 pontos percentuais, que serviu apenas como limitador de volumes”, esclarece.

Participações – Em dezembro último, com 5.268 unidades licenciadas (importados + produção nacional), a participação das associadas à Abeifa foi de 2,57% do mercado total de autos e comerciais leves (204.852 unidades). No acumulado, o market share foi de 2,21% (48.123 unidades, do total de 2.172.612 unidades).

Se for considerado o total de veículos importados, ou seja aqueles trazidos também pelas montadoras, as associadas à Abeifa responderam, em dezembro, por 13,23% (3.324 unidades, do total de 25.134 unidades importadas). No acumulado, 12,45% (29.751 unidades, do total de 238.964 veículos importados).

Produção local – Entre as associadas à Abeifa, que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover, Mini e Suzuki fecharam o mês de dezembro com 1.944 unidades emplacadas, total que representou alta de 27,1% em relação ao mês anterior. Comparado a dezembro de 2016, o aumento de 32%, quando foram emplacadas 1.473 unidades nacionais. Enquanto, no acumulado, as cinco associadas à Abeifa totalizaram 18.372 unidades emplacadas, alta de 49,2% ante as 12.313 unidades.

Folha Do ABC

A FOLHA DO ABC traz o melhor conteúdo noticioso, sempre colocando o ABC em 1º lugar. É o jornal de maior credibilidade da região
Nossa publicação traz uma cobertura completa de tudo o que acontece na região do ABCDM.

Website.: www.folhadoabc.com.br/media/k2/users/anos.png

Destaques

Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu