13 Dec 2017

Publicado em Editorial
Avalie este item
(0 votos)

Estamos prestando, neste espaço destinado ao Editorial, uma homenagem ao professor Nelson Zanotti (já falecido), que durante anos escreveu artigos para este jornal na página dois. Assim, abrimos o espaço do Editorial para homenageá-lo, que, quando vivo, não teve oportunidade. Um grande abraço, professor..

Uma das minhas seduções como profissional do estudo da história das civilizações e também do meio-ambiente das populações primitivas é a arquitetura. Gosto de pensar, analisar e relacionar em todos os sentidos, todos os meandros de uma construção, no rebatimento antropológico e sociológico.

Arquitetura tem como fundamento nominal o prefixo “arqui”, de dupla significação; a primeira, no sentido de topo, elevação principal, teto, cobertura e a segunda, diz respeito a fato ou elemento antigo. Outro ângulo da classificação das construções é o seu uso e funções, muitas vezes relacionados com fatos históricos. De maneira geral e fundamental, é de uma importância para o ser humano a proteção contra as intempéries naturais, e isto é possível graças às casas, abrigos e muitas vezes até uma simples tenda, como nas populações indígenas.
Outra característica da mais alta transcendência é a revelação de inúmeros traços culturais pela arquitetura correspondente a determinado povo. Arquitetura sempre foi – hoje não mais – um símbolo da nacionalidade.
Na pré-história, talvez, a primeira construção trabalhada para ser domicílio foi a caverna, seja ela natural ou escavada artificialmente. Outro traço da arquitetura merece destaque: ela reflete, nas casas, construções e palácios, os índices e características geográficas, principalmente relativas ao clima e às estações do ano.
A história da civilização mostra períodos onde até motivações religiosas determinam uma arquitetura, como no caso de igrejas e de cidades fortificadas por muralhas defensivas. Assim, a Idade Média é uma continuação na arquitetura de fatos históricos e sociais. As lutas históricas entre povos e religiões determinam certos tipos de arquitetura, como é o caso das construções árabes, ou maometanas, na península ibérica.
O pensamento político, indiretamente, intimou o surgimento de bairros operá-rios típicos, como suas vilas proletárias. Apenas para concluir esta introdução ao assunto, digamos, que todo panorama do mundo atual tem uma marca constante, cujo símbolo é o arranha-céu. Dentro desse capítulo, surgem realidades deturpativas, como é o grave erro, em minha opinião, que é a construção de Brasília. A discussão, porém, deste fato, fica para depois. Por enquanto fiquemos tristes com os modernos edifícios de apartamentos, totalmente envidraçados, azuis, cor de rosa, amarelos, verdes – verdadeiras estufas sem janelas, mas gastando fortunas com ar condicionado que causa ou propicia resfriados e pneumonias.

Folha Do ABC

A FOLHA DO ABC traz o melhor conteúdo noticioso, sempre colocando o ABC em 1º lugar. É o jornal de maior credibilidade da região
Nossa publicação traz uma cobertura completa de tudo o que acontece na região do ABCDM.

Website.: www.folhadoabc.com.br/media/k2/users/anos.png

Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu