13 Nov 2019


Telefônica registra maior aumento de receita dos últimos três anos

Publicado em Negócios
Avalie este item
(0 votos)

A Telefônica Brasil – dona da marca Vivo no país – divulga, nesta segunda (4), o balanço financeiro e operacional do terceiro trimestre de 2019. No período, a empresa apresentou seu maior crescimento de receita líquida dos últimos três anos, com alta de 2,6%, refletindo o desempenho das receitas de serviço móvel, aparelhos e banda larga de ultravelocidade.

No acumulado do ano de 2019, a empresa registrou lucro líquido recorrente de R$3,9 bilhões, representando crescimento anual de 2,6%. Por outro lado, devido, principalmente, a ganhos não recorrentes nos primeiros noves meses de 2018, relacionados a decisões transitadas e julgadas do Superior Tribunal de Justiça (STJ) relativas ao pagamento de PIS e COFINS sobre o ICMS, o lucro líquido contábil reportado apresenta redução de 49,9% no mesmo período.

Nos nove primeiros meses do ano, o EBITDA – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – recorrente registrou R$ 11,7 bilhões, com crescimento de 2,2% na comparação com igual período anterior e margem de 35,5%.  O EBITDA recorrente no 3T19 foi de R$ 4,0 bilhões, com crescimento de 2,8% e margem EBITDA de 36,2%. Adicionalmente, o fluxo de caixa livre da atividade de negócio apresentou crescimento de 18,6% no trimestre, atingindo R$ 2,2 bilhões. No acumulado do ano, o valor chegou a R$ 5,6 bilhões, representando um crescimento de 14,9% quando comparado com o mesmo período anterior.

“Apresentamos maior crescimento de receitas, graças a nossa estratégia focada nos segmentos de fibra e pós-pago. Por outro lado, através de uma gestão financeira disciplinada e esforços contínuos de digitalização, sustentamos forte rentabilidade e geração de caixa”, explica o Chief Financial Officer da Telefônica Brasil, David Melcon.

De janeiro a setembro, o foco dos investimentos de R$ 6,5 bilhões – aumento de 6,7% quando comparado ao mesmo período do ano passado – foi dedicado à expansão da rede FTTH (fibra), que chegou a 33 novas cidades no período, e na ampliação da cobertura e capacidade da rede 4.5G, em 1.096 municípios. No trimestre, o investimento ficou em R$ 2,4 bilhões, um aumento de 1,6% em relação ao igual trimestre anterior.

“Todas as nossas iniciativas são pautadas pelo compromisso com a digitalização da sociedade, oferecendo as melhores tecnologias de conexão móvel e fixa. Já levamos o Vivo Fibra para 154 cidades, 33 somente ao longo deste ano, garantindo uma experiência única de conectividade. Na móvel, apresentamos melhora de tendência no pré-pago, seguimos na liderança no segmento pós-pago, e estamos avançamos cada vez mais com a tecnologia 4.5G por todo o Brasil”, explica o presidente-executivo da Vivo, Christian Gebara.

Liderança consolidada nos segmentos de alto valor

No serviço móvel a Vivo segue na liderança isolada, com participação de mercado de 32,3% –  registrada em agosto de 2019 – 7,5 pontos percentuais acima do segundo colocado. A base de acessos pós-pagos cresceu 7,3% no período e representa 57,3% dos acessos móveis, mantendo a liderança deste mercado com share de 39,8%, registrado em agosto de 2019. Na tecnologia 4G a Vivo também segue líder, com 31,4% de share, mantendo a qualidade da base de clientes e estratégia da empresa centrada em dados e serviços digitais.

A receita líquida móvel total registrou expressivo crescimento de 6,6% no terceiro trimestre, influenciada, principalmente, pelo crescimento de 5,5% da receita de dados e serviços digitais – que representa 80% de toda a receita líquida móvel –, pela migração de clientes para planos pós-pago com maior valor, e pela maior receita de aparelhos, que cresceu 31,5% no trimestre, alinhada à estratégia de ganhar representatividade neste mercado, com venda de aparelhos e acessórios, atraindo consumidores de alto valor às lojas físicas e virtual.

“Um elemento-chave para oferecer a melhor experiência aos nossos clientes é incrementar nossa proposta de valor. Somos parceiros de grandes marcas, como NBA, NFL, Amazon Prime Video, Tidal, Rappi, Netflix, posicionando a Vivo também como um grande hub de serviços digitais” explica Gebara. “Os consumidores querem fazer suas escolhas, e nós estamos facilitando e ampliando o acesso a milhares de conteúdos, permitindo, ainda, que eles paguem direto na conta do celular ou por meio de créditos pré-pagos”, finaliza.

No mercado de Machine-to-Machine (M2M), a base de acessos segue em forte expansão e atingiu 9,5 milhões de clientes em setembro de 2019, representando um crescimento de 24,1% quando comparado ao ano anterior. A Vivo segue como líder neste negócio, com 41,0% de market share, registrado em agosto deste ano.

Fibra eleva receita

No segmento fixo, a companhia apresentou queda de 3,9% na receita líquida no terceiro trimestre, impactada pela queda nas receitas de voz, devido à maturidade do serviço, mas parcialmente compensada pela evolução positiva da receita de banda larga, que a cada trimestre ganha maior participação sobre o total.

A receita de banda larga cresceu 7,5% no trimestre, impulsionada pela receita de FTTH, que já representa 37,1% de toda a receita do segmento e cresceu 44,5% quando comparado ao igual período do ano anterior. A evolução reflete a estratégia da companhia de aumentar a base e a migração de clientes para velocidades mais altas, expandindo os acessos em fibra, que apresentou crescimento de 34,0% no trimestre, com 2,3 milhões de acessos. Tal estratégia impacta diretamente o ARPU (receita média por cliente) de banda larga, que cresceu 11,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, além do acelerado processo de expansão do Vivo Fibra para 12 novas cidades durante o terceiro trimestre. No ano, entre janeiro e setembro, foram 33 municípios.

A receita de TV por assinatura apresentou queda de 8,0% durante o trimestre, e redução de 13,6% nos acessos - provocada pela estratégia da Companhia de cessar a comercialização de DTH. Por outro lado, no IPTV (TV por fibra), cuja receita expandiu 26,1% comparada ao mesmo período do ano anterior, a evolução de acessos foi positiva, com crescimento de 27,0% no terceiro trimestre, refletindo no ARPU de TV, com alta de 4,3%.

A Receita de Dados Corporativos e TI apresentou alta de 12,9% no período, beneficiada pelo forte desempenho das receitas de novos serviços, como dados, cloud computing, outros serviços de TI e vendas de equipamentos, impulsionando o segmento B2B como um dos principais parceiros no processo de transformação digital das empresas.

Última modificação em Segunda, 04 Novembro 2019 12:58
Folha Do ABC

A FOLHA DO ABC traz o melhor conteúdo noticioso, sempre colocando o ABC em 1º lugar. É o jornal de maior credibilidade da região
Nossa publicação traz uma cobertura completa de tudo o que acontece na região do ABCDM.

Website.: www.folhadoabc.com.br/media/k2/users/anos.png

Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu