17 Aug 2019

A Câmara de Santo André, por iniciativa do vereador Marcos Pinchiari, prestou belíssima homenagem ao Dia dos Pais. A sessão solene foi um tanto diferente das demais, com a presença do tenor Edgard Benevides, que causou frisson e lágrimas com belas canções, muita descontração, depoimentos e recordações dos pais, com fotos em um telão. Foi uma cerimônia bem calorosa. O evento também contou com a presença do prefeito Paulo Serra e dos seus pais.

Avalie este item
(0 votos)

Os italianos, descendentes e admiradores da colônia estarão reunidos para a comemoração da Festa de São Bartolomeu. Al Parco Municipale di São Bernardo. Programa: Alle ore dieci e mezza – Procissione - Benedi-zione delle urne contenenti La Terra delle Tombe dei nostri morti D’Italia e Del Brasile, Processione, Santa Messa e predica. Mezzogiorno: Pranzo e intrattenimenti vari. Alle ore quattordici: Musiche Folcloristiche Ita-liane. Reeditando o texto do cartaz da “62ª Festa Tradizionale di San Bartolomeo” que comemora no próximo dia 25 de agosto, próximo domingo, os 62 anos de fundação oficial da grandiosa festa religiosa, familiar e social, que a cada edição se supera. A festa é realizada todo mês de agosto, no Parque Natural Municipal Estoril Virgilio Simionato, no Distrito do Riacho Grande, em São Bernardo, na data próxima do “Giorno di San Bartolomeo”, que é comemorado no dia 24 do mês. O encontro festivo é patrocinado pelos sucessores dos Fundadores, iniciado em 24 de agosto de 1957, liderados pelo Padre Fiorente Elena (1911/1991), e as famílias de Séttimo Guazzelli (1901/1971), Primo Bechelli (1899/1975), Saulle Bechelli (1909/1989), Ernesto Bechelli (1915/1995) e Eduardo Santucci (1889/1964). Os seus descendentes mantém o calendário do evento com muito fervor, religiosidade, alegria e transmitindo o costume às novas gerações ítalo-brasileiras. O evento se iniciou pela tradição muita antiga, informal e familiar, que os Fundadores faziam o piquenique para festejar a data dedicada a São Bartolomeu, e remonta essa realização muitos anos antes de sua oficialização, pois os oriundi trouxeram a imagem de São Bartolomeu, de Chiozza, mantendo a devoção. A maneira simples e organizada dos participantes demonstra muito fervor e autenticidade nos festejos, com religiosidade e união dos seus componentes que são italianos, descendentes e devotos do Santo Padroeiro, e de muitos convidados. A origem remonta a vinda dos imigrantes italianos da região montanhosa de Castiglione di Garfagnana, vilarejo de Chiozza, Província de Luca, na Regione da Toscana, Itália, e com muito fervor e devoção ao Padroeiro São Bartolomeu. Em 1957, foi iniciada a construção da Capela de São Bartolomeu localizada no ponto mais elevado do Parque Estoril, e terminada em 1958. Nessa época, os italianos e suas famílias se dirigiam até o Parque Estoril aos domingos, para o trabalho de construção da Capela. Os homens subiam o morro para as obras, até o momento certo do almoço. As famílias ficavam na parte mais baixa do parque à sombra dos resquícios da Mata Atlântica, nos preparativos e arrumação para as refeições em conjunto nos grandes espaços dispostos na relva. Todos reunidos e irmanados, rezavam a Jesus Cristo e São Bartolomeu, louvando e agradecendo as graças recebidas. As famílias assim compartilhavam o pranzo, desfrutando das saborosas e tradicionais receitas italianas, pratos das imbatíveis macarronadas, polenta e outras, acompanhadas do desfrute dos insuperáveis vinhos artesanais, produzidos pelas famílias italianas. O costume então já demonstrava fraternidade, união de todos e seguindo antigo costume dos oriundi. A cantoria se iniciava e todos entoavam as mais variadas músicas do repertório italiano, antigo e mais recente, principalmente as tradicionais que jamais perecem no tempo, e todos dançavam. O costume se perpetuou e renovado a cada ano, a “Festa di San Bartolomeo” se tornou um marcante evento de grandes proporções pois projeta a cidade no calendário ítalo-brasileiro, demonstrando a indiscutível influência da imigração italiana, pois muitos dos seus componentes contribuíram para o progresso e desenvolvimento da cidade, difundindo a cultura e as  tradições da Itália adotadas pelos brasileiros. Leve o seu almoço de domingo para o pranzo com polenta regado a vinho, para o desfrute entre todos, com dança e cantoria, ainda invocando a máxima – Dio, Famiglia, Lavoro, adotada pelas famílias da imigração italiana desde meados de outubro de 1877, data da chegada das primeiras dezessete famílias na Villa de São Bernardo. No ano passado a inovação foi preparar a polenta na betoneira e, neste a novidade  será a Fontana di Vino,  que  será instalada para servir os vinhos artesanais aos devotos de São Bartolomeu, uma grande e surpreendente ideia.

A entrevista

Avalie este item
(0 votos)

Imagine que você está numa entrevista de emprego e se preparou para tanto. Perguntas acerca de sua responsabilidade na empresa anterior você vai tirar de letra, bem como dizer a respeito de seus objetivos a curto, médio e longo prazo. Pretensão salarial, então, você responderá objetivamente. Questões do tipo ‘Por que eu deveria te contratar?’,‘Por que você acha que é o mais adequado para essa vaga?’,‘O que você sabe sobre nós?’. Você vai acertar em cheio, já que tais respostas foram planejadas e estudadas de antemão.
A conversa vai ser olho-no-olho com o coordenador de RH. Na sala de espera você está todo confiante. 'Próximo', aponta a secretária.Você entra naquela sala, um homem se mantém numa poltrona reclinável a trajar camisa salmão sem gravata posicionado detrás de uma mesa de vidro com um lap-top aberto. "Sente-se. Agua ou café?", ele oferta. "Café eu não tomo, desculpe, mas eu acompanho o senhor num copo d'água". O homem fala ao interfone: "Rafaela, traz dois copos de água, por favor".
Começam as perguntas: "Se você fosse um animal, qual seria?" Por essa você não esperava, e o pior é que ele perguntou isso logo no seu primeiro gole em que você quase engasgou. Aí você responde a primeira coisa que vem à cabeça e, que aliás, você tem de estimação na sua casa. "Por que um cachorro?" retruca o entrevistador. "Sei lá, porque eu gosto e acho bonito". "E se você não pudesse ser um cachorro?". Agora complicou de vez. Ninguém mandou não ir preparado. "Um gato? Talvez?". "Um gato.... talvez...." repete o homem, ironicamente a demonstrar desdém de sua gagueira. "Por que um gato?" "Bom, porque eles são bem legais...a minha tia tem um e ele é super manso." "E se você não pudesse ser um gato, seria o que?" Aí é pedir demais... ainda bem que você controla suas necessidades fisiológicas (ou deveria). "Um pássaro!" "E por quê?" "Porque eu gosto de me sentir livre." Mentira! você sempre trabalhou atrás de um computador enclausurado numa sala de quatro metros quadrados, a tomar refrigerante de cola e devorando bolachas recheadas vitaminadas, além do quê, você nunca foi sozinho ao cinema e "livre" era a última coisa que o entrevistador queria ouvir, porque naquela empresa você ia ficar preso o dia inteiro, fazer hora extra e ganhar bem pra isso.
Porém, o rapaz à sua frente, com aquelas perguntas todas não é tão carrasco assim e resolve te dar outra chance pra ver se você se concerta. Então, ele sugere: "Se você fosse a uma ilha deserta e pudesse levar três departamentos da empresa, quais seriam?” Claro que você não sabe! Mas o entrevistador não deixa pra menos, ele percebe que você está indo mal e dá-lhe mais questões: "Se você fosse um super-herói, qual seria: homem-aranha, ou batman?" Pronto! Você estava tão tenso que nem lembrou que não gostava de quadrinhos e ainda quis dar uma de bom e respondeu 'Spider Man' com sotaque americano só porque passou no cinema mês passado. Era só falar "Não sei, não me interesso por quadrinhos, desculpe."
O entrevistador tem certeza que você está cheio de defeitos, ele imagina que a próxima você vai conseguir responder: "Cite dois defeitos seus". Nessa, você demorou mais tempo pra gaguejar do que pra responder. Sim, porque falar dos outros é fácil, quero ver falar de você... e é por isso que nem preparou as respostas. Estava tão compenetrado nas outras coisas que não teve tempo pra você mesmo.

“Vida é o acontece com você enquanto você está ocupado fazendo outros planos”. - John Lennon. (1940-1980)

Frango com polenta

Avalie este item
(0 votos)

Ano de 1982, com a eleição e posse do prefeito Lauro Gomes, São Bernardo e toda a região do ABC começavam  a viver outros tempos de progresso. As montadoras de veículos tomavam fôlego por aqui e tudo respirava a novas conquistas. Na prefeitura acanhadamente instalada num prédio da Rua Dr. Flaquer, esquina da Marechal Deodoro,  instalava-se o gabinete do prefeito numa sala mais ou menos ampla com três mesas: a dele Lauro, a da Rita Zincaglia, secretária, e a minha de procurador, então único advogado da administração municipal. Aos sábados, não havendo expediente, saiamos a rodar pela cidade, então  espremida em seus 40 mil habitantes. Eu era ainda solteiro, morava numa pensão na Rua Augusta, em São Paulo, recém formado na Faculdade de Direito da USP (Largo São Francisco) com dois colegas daqui: Otto Gustavo Bethke e Calixto Antonio. Otto e eu estamos firmes (nem tanto ...) e Calixto já se fora para a outra vida.
Agora leio no jornal O Estadão-SP deliciosa crônica de Bruna Toni sob o título “Sabores de Ontem”, na qual fala das suas gulodices,  mencionando o frango com polenta dos Demarchi.  Eu também posso falar dele, pois apreciávamos aos sábados quando eu saia com Lauro a visitar a cidade e seus bairros timidamente se desenvolvendo, para depois desembarcarmos numa casa de almoço comandada por d. Rosa Demarchi, mãe do que seria anos depois  prefeito,   o filho Walter, de quem fui vice-prefeito, lá pelas décadas de70 !
Menciono esse detalhe por causa de uma crônica que li no Estadão de 13 de agosto corrente (Caderno Viagem)de autoria de Bruna Toni, sob o titulo “Sabores de Ontem”, na qual se refere a sabores como os de então, de frango com polenta, nos restaurantes Demarchi. Um deles, de Walter e seus irmãos, infelizmente fechado como alguns outros da nossa  famosa Rota do Frango com Polenta, que marcou São Bernardo no rol de grandes (e saudosas)  casas de pasto, sua marca durante décadas. Dentre esses destacam-se os das  famílias Demarchi, mencionados  pela cronista aqui lembrada.Registra ela, com tristeza,  o fechamento de alguns deles com mais de 50 anos,  sendo “que apenas um se manterá aberto depois de 25 de agosto, o Florestal”. Eu também , como “sambernardense” adotivo, seu ex-prefeito com orgulho, participo dessa triste fase por que passam restaurantes e casas de comércio, em geral.  Sinal dos tempos.

17 de Agosto de 2019

Blindados
No portal da Transparência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), para qualquer cidadão acompanhar as remunerações e diárias pagas a membros da Magistratura, é preciso informar nome, sobrenome, CPF, assinar declaração que os dados informados são verdadeiros. Há ainda um aviso em vermelho, em letras garrafais, informando que o número do seu IP ficará registrado no sistema e ainda o artigo 6°, parágrafo 2°, da Resolução n.215-2015-CNJ, que determina “que as informações individuais e nominais de remuneração de membro ou servidor mencionadas na alínea “d” do inciso IV serão automaticamente disponibilizadas mediante prévia identificação do interessado, a fim de se garantir a segurança e a vedação ao anonimato, nos termos do art. 5°, caput e inciso IV, da Constituição Federal (...)”.

Precatórios
Os Estados e municípios, que já possuem dívida que ultrapassa os R$ 113,5 bilhões em precatórios, têm ido ao Supremo em busca de ajuda contra a emenda de 2017 que dá prazo até o fim de 2024 para que as dívidas sejam pagas e determina que a União torne disponível uma linha de crédito subsidiada pa-ra quitar o saldo remanescente. Em recente decisão do STF, a favor do governo do Maranhão, no entanto, manda o governo federal abrir imediatamente uma linha de crédito de até R$ 623, 5 milhões para que o Estado quite sua dívida de R$ 1,46 bilhão em precatórios. O temor do Governo Federal é que outros Estados consigam o mesmo benefício.

Líder
O Ministério Público de São Paulo lidera a criação de cargos nos Estados. Mais de um terço dos cargos criados nos Estados em 2019 correspondem a vagas a serem ocupadas nos Ministérios Públicos. Ao menos 1.357 funções já foram criadas, cerca de 500 delas ligadas a Promotorias, impondo novos gastos obrigatórios aos cofres públicos estaduais. A despesa com pessoal consome aproximadamente 44% do que entra nos cofres do Estado. E ainda há em São Paulo, projeto em tramitação que prevê mais 400 promotores para o Estado, com esses novos servidores, o impacto anual será de R$ 160 milhões.

Corte
Já o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), recentemente, informou que não empossará 82 servidores nomeados para os cargos de escrevente técnico judiciário e psicológico judiciário. A medida, segundo a corte, visa cumprir o disposto na Lei de Responsabilidade Fiscal, que veda o aumento de despesas com a criação ou provimento de cargos. A corte afirmou ainda ter recebido um alerta do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Nele, o TCE informou que a despesa total com pessoal do TJ-SP atingiu 5,77% da receita corrente líquida do Estado.

Mulheres
Depois da primeira-dama, Carla Morando, ter entrado de vez para a política, como deputada estadual, outras mulheres e primeiras-damas do ABC, também já simpatizam com a ideia e devem disputar cargos eletivos, nos próximos anos. Além da primeira-dama de Santo André, Ana Carolina Barreto Serra, já ser cotada, pois coordenou a campanha eleitoral de Carla e desempenha trabalho de destaque no Núcleo de Inovação Social; a primeira-dama de Ribeirão Pires, Flavia Dotto, também poderá entrar de vez para a política. Na segunda (12), foi nomeada como presidente do PSDB de Ribeirão Pires.

De volta
A vinda de Flávia para o PSDB reforça o convite para o prefeito de Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSB), retornar o partido. O governador do Estado, João Doria, já realizou o pedido publicamente, durante o mês de julho, em uma agenda oficial na cidade.

Relação
O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, em entrevista exclusiva à Folha do ABC, questionado sobre como está seu relacionamento com os demais prefeitos, colegas de partido da região, tendo em vista as eleições do próximo ano, foi enfático: “Minha relação institucional é boa com todos. Institucional”, disse. Morando ainda repetiu uma frase, de sua autoria, já dita, anteriormente: “Tem cacos que precisam ir para o entulho, ainda”. Sobre o cenário eleitoral, afirmou: “O ano que vem as eleições são individuais, é cada um na sua cidade disputando o seu espaço”.

Ritmo
Na ocasião, Morando ainda justificou sua proximidade com o governador João Doria, por levar ‘boas propostas’ ao governador. “Não vou negar que há uma reciprocidade de projetos, e o que tem ajudado muito nesta boa relação é o nosso dinamismo. Ele é muito dinâmico e eu também. Então, tem um encontro de fluidos positivos”, revelou.

Disputa
O prefeito de São Bernardo ainda nega uma possível candidatura a governador do Estado: “Sou prefeito de São Bernardo. Assunto estadual não passa pela minha cabeça”, disse. Porém, revelou que Doria já disse que não irá disputar reeleição, e que, portando, ele não tem dúvidas que Doria será candidato a presidência da República.

Encontro
O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, na quinta (15), compareceu brevemente na sessão solene de aniversário dos 466 anos da cidade e entrega dos troféus Top SBC. Morando tinha encontro marcado com Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados.

Vice    
Um dos rumores nos bastidores é que Almir Cicote, atual superintendente do Semasa, poderá ser o vice de Paulo Serra nas próximas eleições. Cicote é alvo pois, tem grande aceitação em bairros periféricos.

Conhecida como a “capital do automóvel”, São Bernardo completa 466 anos, nesta terça (20). O município possui área total de 408,55 km² e 765.463 habitantes, segundo o último censo de 2010 e estimativa, feita em 2018, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 833.240 pessoas.
A partir do fim do século XIX, chegam muitos imigrantes italianos, boa parte deles, mais tarde, destituídos de suas casas pelas águas da represa Billings. Apenas em 1944, São Bernardo passa a ser cidade.
São Bernardo nasceu na Borda do Campo, mesma região onde existiu a histórica Villa de Santo André da Borda do Campo (1550-1560). Foi a região local de passagem para aqueles que se dirigiam ao porto de Santos, em especial as tropas carregando mercadorias e que aqui faziam pouso, começa a se desenvolver na fazenda dos Monges Beneditinos, ao redor de uma capela por eles construída em 1717, um povoado, às margens dos Ribeirão dos Meninos, região do atual bairro Rudge Ramos (no local onde hoje está instalado o Carrefour Vergueiro).
Tendo-se formado e crescido em terras particulares dos Beneditinos, o povoado não pôde ser oficializado, sendo por isso transferido para outro trecho do velho Caminho do Mar, onde está hoje a Igreja Matriz (Largo da Matriz, na rua Marechal Deodoro); esta transferência do povoado ocorreu em princípios do século XIX. Em 1877 é instalado, nas terras desapropriadas da fazenda dos Beneditinos, o Núcleo Colonial de São Bernardo, que vai dar nova vida a Villa. Constituiu-se 15 linhas coloniais que posteriormente originaram os atuais bairros de São Bernardo.
A presença do imigrante, majoritariamente italiano, é predominante nesse fim de século XIX e início do século XX. O nome ‘São Bernardo’ deve-se à denominação da fazenda dos Monges Beneditinos, onde havia uma capela dedicada ao Santo, ao redor da qual surgiu o primitivo povoado de 1717. Com a exploração da madeira, as serrarias aparecem, registrando a tendência industrial da Villa. Desenvolve-se a indústria moveleira ao lado da têxtil.
No século XX, com a construção da Represa Billings, alguns núcleos coloniais de imigrantes italianos, formados no século XIX, são atingidos por suas águas.
Em 1867, com a inauguração da Estação de Ferro, Santo André começa a se destacar econômica e politicamente, tornando-se, em 1938, a sede do município; São Bernardo torna-se distrito. Após muitas movimentações, em 1944 ocorre a emancipação político-administrativa de São Bernardo.
Atualmente, São Bernardo está entre as 20 cidades com as maiores economias do Brasil. De acordo com dados recentes do IBGE, a cidade ocupa a 16ª posição no ranking, e tem PIB de R$ 42,13 bilhões. O município tem como principal atividade econômica as montadoras de carros, presentes na cidade desde os anos 1950. Atualmente, há diversificação de negócios, como fábricas de tintas, pastas de dente e móveis. São Bernardo, sozinha, responde por 38,2% do Produto Interno Bruto (PIB) e dos US$ 3 bilhões em novos investimentos que o ABC recebeu, nos últimos anos, 39% deles foram destinados à cidade. São Bernardo também apresenta a maior renda média, na comparação entre os sete municípios do ABC, com R$ 3.723, segundo dados do boletim EconomiABC, de julho de 2019.
Para celebrar o aniversário, a Prefeitura realizará 32 dias de programação com 61 atividades, entre shows, atrações culturais, musicais, etc. Também estão programadas entregas de obras, que ao todo movimentaram R$ 500 milhões em investimentos. Parabéns, São Bernardo!


Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu