11 Dec 2018

Pelo quarto  ano consecutivo, a Sabesp realiza o “Acertando suas  Contas  com  a  Sabesp”,  mutirão  para  facilitar  a negociação dos clientes  que  têm débitos com a Companhia. Entre os dias 21 de novembro e 22 de dezembro, vans ficarão estacionadas em pontos de grande movimentação da capital e Grande São Paulo, começando pelo Centro de São Paulo, Ipiranga, Mooca Jardins e São Matheus.

A ação é voltada para imóveis residenciais, comerciais e industriais que tenham contas em aberto. Também serão enviadas mensagens SMS e comunicados porta a porta para avisar os clientes sobre a ação. Para negociar, basta ter em mãos o documento de identidade (RG), o CPF e uma conta de água, onde aparece o número do Registro Geral do Imóvel (RGI).

Além da quitação de débitos, os clientes também podem aproveitar a oportunidade para atualizar o cadastro junto à Sabesp, o que permitirá acesso a informações sobre abastecimento e serviços de manutenção realizados pela Companhia.

O atendimento nas vans da Sabesp não é exclusivo para quem mora próximo aos locais onde os veículos ficarão estacionados. Qualquer pessoa pode renegociar a dívida de imóvel atendido pela Sabesp, mesmo que fique no interior ou no litoral.  Ou seja, quem mora na zona sul, por exemplo, e trabalha na zona norte de São Paulo pode aproveitar a oportunidade e fazer a renegociação perto do emprego. O mesmo ocorre no caso de atualização cadastral.

Vale lembrar que os clientes podem negociar suas dívidas com a empresa sem sair de casa  pelo  aplicativo  Sabesp  Mobile,  que  oferece a opção de parcelamento de contas. O download é gratuito para usuários de celulares e tablets com sistema operacional Android ou iOS. Como no restante do ano, ficarão à disposição também a Agência Virtual no www.sabesp.com.br, disponível  24  horas, e a Central de Atendimento (0800 011 9911 – ligação gratuita),  que  atende de segunda a sexta das 7h às 21h e aos sábados das 7h às 13h – exceto feriados.

Acertando suas Contas com a Sabesp

 Quando: de 21 a 24 de novembro, das 8h às 17h (quarta a sexta-feira), e das 8h às 13h (sábados)

Onde:  - R dos Patriotas – Pátio do Museu do Ipiranga

 - R do Carmo S/N - Poupatempo Sé

 - Av. Dr. Arnaldo, 2392 x A Bovero - Jardins

 - Rua Canuto Abreu s/n – CERET - Mooca

 - Av. Ragueb Chohfi, 58 – Assai – São Matheus

A Prefeitura de Mauá irá inaugurar posto do IML (Instituto Médico Legal), pela realização de perícias médicas na Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres, nesta quarta (21), às 14h. No local, mulheres que são vítimas de violência doméstica ou outros tipos de casos poderão realizar exames de corpo de delito.

A nova base terá como enfoque principalmente os registros de ocorrências em Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. O evento contará com as presenças do prefeito de Mauá, Atila Jacomussi, e da secretaria de Políticas Públicas para Mulheres, Andreia Rolim Rios, na sede da Pasta, situada na Rua Manoel Pedro Júnior, 334, Vila Bocaina.

O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) encerrou no último final de semana mais uma etapa do projeto Cidadania Ambiental e Consumo Responsável. Após uma série de oficinas, alunos, pais, professores e funcionários da Escola Estadual Prefeito Engenheiro Celso Augusto Daniel, no Jardim Santo André, se reuniram para fazer o plantio de centenas de mudas para a formação de uma horta comunitária dentro da escola.

O objetivo do Semasa é levar às comunidades a prática de ações saudáveis para o meio ambiente e ainda reduzir o descarte irregular de resíduos. No Jardim Santo André, o programa começou em agosto, com uma parceria com a CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo). Na sede da CDHU no bairro, o Semasa fez a formação de lideranças comunitárias, que puderam aprender mais sobre o descarte de resíduos em Santo André, reaproveitamento de recicláveis e de restos de alimentos.

Já na escola estadual, a formação ambiental começou em setembro e ainda contou com oficinas para o reaproveitamento de pneus descartados e de compostagem, com a montagem de uma composteira. Os participantes tiveram oficinas de coleta seletiva e de uso de restos de alimentos não processados para a produção de adubo.

De acordo com o diretor da EE Celso Daniel, José Mauro Capp, os estudantes se envolveram muito com o projeto e se transformaram em multiplicadores das ideias transmitidas. “Eles gostaram tanto que até traziam uma troca de roupa, porque iam mexer com a terra e se sujar para a aula”, contou.

Angela Estevan, coordenadora técnica do trabalho de urbanização da CDHU, destacou a importância da parceria com o Semasa. “Este projeto integrou de fato o trabalho da CDHU com os agentes comunitários e a escola, que representa o entorno. Os alunos também são moradores do bairro e vão replicar o que aprenderam aqui”, disse, lembrando que a próxima etapa é continuar o trabalho ambiental conjunto também fora da escola.

A encarregada de extensão ambiental do Semasa, Cleonice de Almeida Pinto, disse que a ideia é em 2019 estender o projeto para outras escolas do Jardim Santo André. "O objetivoé promover a cidadania ambiental e o consumo sustentável em todo bairro", afirmou.  

Em mais uma obra retomada pela gestão do prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, a segunda etapa da Linha Camargo segue em ritmo acelerado. Na manhã de segunda (19), o chefe do Executivo realizou vistoria no local e conferiu o andamento das intervenções acompanhado do secretário de Transportes e Vias Públicas, Delson José Amador.

 “Viemos fazer essa vistoria de uma obra que não tinha sequer programação, mas retomamos e vamos entregar até o final de janeiro. A entrega do trecho vai transformar essa região, que tem muitos moradores e indústrias. É mais uma intervenção que pegamos parada e vamos terminá-la, melhorando a mobilidade na cidade de São Bernardo”, comentou Morando.

O novo viário tem extensão de 700 metros, com 1,5 km de guias e sarjetas e ainda 150 metros de drenagem.  O custo total da segunda etapa é de R$ 750 mil.

PRIMEIRA PARTE- Em agosto deste ano, a Prefeitura entregou a primeira parte viária da Linha Camargo, que passou a interligar as Avenidas Osvaldo Fregonezi, José Odorizzi e dos Flamingos, no bairro Alves Dias. O trecho faz conexão com o pacote de obras de Mobilidade Urbana na região, como o futuro corredor Leste-Oeste e o Viaduto Castelo Branco.

A primeira parte compreende uma extensão de 1,3 mil metros e custou aproximadamente R$ 1,1 milhão. A intervenção foi concluída em 90 dias. O pacote de serviços viários foi acompanhado de nova iluminação por todo o trecho, novas guias e sarjetas e malha asfáltica.

As novas vias servem como alternativa tanto para os veículos leves como os pesados, que se locomovem atualmente, apenas pelas ruas do bairro, com economia de tempo e combustível. A região do bairro Alves Dias possui muitas transportadoras, indústrias e fábricas, que passam a aliviar o tráfego na Castelo Branco e nas transversais no acesso às Rodovias Anchieta e Imigrantes.

Com a crise econômica que ainda afeta o bolso dos consumidores e o aumento do desemprego entre a população jovem, em muitos lares os idosos acabam sendo a principal fonte de renda. Um levantamento realizado em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que 43% dos brasileiros acima de 60 anos são os principais responsáveis pelo pagamento de contas e despesas da casa - o percentual é ainda maior (53%) entre os homens. De modo geral, 91% dos idosos no Brasil contribuem com o orçamento da residência, sendo que em 25% dos casos colaboram com a mesma quantia que os demais membros da família. Somente 9% não ajudam com as despesas.

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, não é só a crise econômica que explica esses números, mas também uma mudança demográfica e comportamental dessa população. “Há muitos casos em que a renda do aposentado é a única maneira para sustentar o lar de uma família que perdeu emprego, mas o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e suas atitudes nesta fase da vida também são fatores importantes. Hoje, os idosos são mais ativos, têm mais autonomia financeira e trabalham por mais tempo, seja por necessidade ou porque se sentem dispostos”, explica a economista.

Outro dado que reforça a independência financeira de boa parte dos idosos é que 66% não recebem ajuda financeira de parentes, amigos, pensão ou programa social. Há 34% de idosos que contam com algum tipo de ajuda.

Com a importância dos idosos para o orçamento da casa, muitos acabam emprestando seu nome para outros realizarem compras. De acordo com o levantamento, pouco mais de um quarto (26%) dos idosos brasileiros já fez empréstimo pessoal consignado em seu nome para emprestar o dinheiro a terceiros. Na maior parte dos casos (17%), o empréstimo foi um pedido de filhos, conjugues ou outros parentes, enquanto em 9% dos casos o idoso se ofereceu para ajudar a pessoa.

 37% dos idosos acreditam que padrão de vida piorou na terceira idade; 51% precisam recorrer a crédito para pagar contas

Se por um lado o estudo mostra que os idosos são de grande importância para o sustento de seus lares, por outro, se observa também que muitos deles apenas conseguem pagar suas contas, sem que haja sobras de dinheiro para realizar um sonho de consumo ou investir. De modo geral, 39% dos idosos brasileiros até conseguem pagar suas contas sem atrasos, mas fecham o mês sem recursos excedentes. Outros 14% nem sempre conseguem pagar as contas e algumas vezes precisam fazer esforço para administrar o dinheiro que recebem e 4% nunca ou quase nunca conseguem honrar os compromissos financeiros. Os idosos em situação financeira confortável, ou seja, pagam as contas e ainda sobra dinheiro, são 42% da amostra.

Para manobrar o orçamento, recorrer ao crédito acaba sendo uma saída prática, apesar de arriscada. Mais da metade (51%) dos idosos costuma fazer empréstimos, utilizar cartão de crédito ou cheque especial para pagar as contas e conseguir cumprir compromissos mensais. Recorrer a uma reserva financeira seria a solução mais indicada, mas apenas 39% dos idosos possuem dinheiro guardado.

“A reserva financeira é a garantia de que a pessoa terá independência para se reinventar na terceira idade, ampliar suas oportunidades de ser feliz, cuidar da saúde e viver bem. Além disso, se houver imprevisto, será muito menos penoso arcar com o aspecto financeiro se a pessoa tiver um montante guardado. Deve-se tomar cuidado com o crédito fácil oferecido, muitas vezes, acompanhado de altas taxas, que favorecem uma compra além da capacidade de pagamento ao longo do tempo”, afirma o educador financeiro do portal ‘Meu Bolso Feliz’, José Vignoli.

Ao refletirem sobre o padrão de vida que possuem hoje, comparado ao que tinham aos 40 anos de idade, a maior parte (37%) dos idosos considera que piorou, ao passo que 33% avaliam levar uma vida melhor hoje do que no passado. Para 28% a situação permanece a mesma. Em uma escala de um a dez, a nota média que os idosos atribuem para a satisfação com a vida financeira atual é de 6,7 pontos.

 Apenas 48% dos idosos fazem controle sistemático das finanças. Nos últimos seis meses, 37% deixaram de pagar alguma conta

A situação de aperto financeiro, em diversas ocasiões, acaba levando a inadimplência. Nos últimos seis meses, em cada dez pessoas acima de 60 anos, quatro (37%) deixaram de pagar ou atrasaram o pagamento de alguma conta e 21% ficaram com o CPF negativado no último ano. Os atrasos foram, principalmente, com as contas de luz (15%), água (11%) e telefonia (9%). Os que garantem ter pagado todas as contas em dia no último semestre somam 57% da amostra. Para quem deixou de pagar alguma conta, os motivos mais alegados foram a diminuição da renda (18%), esquecimento (16%), falta de planejamento dos gastos (15%) e problemas de saúde (9%).

O planejamento do orçamento é algo que ainda precisa melhorar entre a população idosa, demonstra a pesquisa. Pouco menos da metade (48%) dos idosos brasileiros realiza controle das finanças, seja por meio de anotações ou qualquer outra forma sistemática. Por outro lado, 52% não fazem o controle do orçamento. Nesse caso, 29% confiam apenas na memória e 12% contam com a ajuda de alguém da família para essa tarefa.

As justificativas para não realizar o controle das despesas envolvem o fato de não achar a atividade importante ou necessária (27%), falta de conhecimento (21%) e indisciplina (19%).

Após um mês de reformas, o novo Ragazzo Giovanni Pirelli reabre suas portas levando o prazer de comer bem ao alcance de todos. Com capacidade para 146 lugares no salão e 18 vagas no estacionamento, a unidade, que funciona diariamente, 24 horas, conta com os serviços de viagem, delivery, salão, drive-thru e Espaço Kids para garantir a diversão da garotada. garantindo produtos sempre fresquinhos e irresistíveis a qualquer hora.

O restaurante tem 600 m² de área construída e traz, em seu design, o reposicionamento da marca e a assinatura do renomado arquiteto Carlos Rossi, que inseriu em seu layout traços mais modernos, identidade visual vibrante e diversidade na ambientação e mobiliário, além de elementos visuais muito mais sofisticados.

A arquitetura traz uma variedade de elementos rústicos e descontraídos, com ganho de luz natural e conceito de pátio interno. O cardápio conta com mais de 100 opções, incluindo saladas, massas, risotos, paninos, grelhados, pizzas, salgados, doces, sorvetes e bebidas diversas, além das coxinhas e massas que são carros-chefes da marca.

Todos os alimentos são produzidos em linhas próprias. As centrais industriais garantem controle de qualidade, padronização e fornecimento dos produtos para os restaurantes em todo País.

Para garantir o atendimento diferenciado e padronizado, a loja Ragazzo Giovanni Pirelli conta com mais de 55 colaboradores nos cargos de chefe de cozinha, gerente, cumim, secretária financeira, supervisor e garçom, todos treinados pela Universidade Corporativa.

Nova Marca

Com o objetivo de preparar a marca para uma expansão mais consistente, a Rede Ragazzo vem, há mais de um ano, trabalhando em parceria com a agência de branding FutureBrand São Paulo no seu reposicionamento.

O projeto engloba um novo modelo de negócio, estratégia de marca e redesign das identidades visual e verbal, além da criação e direcionamento do conceito para a arquitetura dos restaurantes, feito em parceria com o renomado arquiteto Carlos Rossi, dos restaurantes às unidades com formatos ‘on the go’.

De forma democrática, com comida gostosa, conveniência e prazer, a nova marca ganhou um posicionamento mais claro e relevante para um conceito mais coerente de experiência: irresistível a qualquer hora.

O reposicionamento partiu de um importante insight estratégico: tendo a coxinha e as massas como carros-chefes de vendas e um cardápio que vai muito além da culinária italiana, o Ragazzo precisava repensar sua proposta de marca. Com o novo posicionamento, a Rede se torna uma especialista em ‘tudo o que é gostoso’, como afirma seu tagline.  Além dos pratos tradicionais, dá protagonismo a todos os outros snacks.


Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu