07 Jul 2022

Publicado em DOM PEDRO
Lido 277 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Caro leitor, leitora, início contando uma história ilustrativa da mensagem que desejo transmitir hoje. É uma história tirada da tradição judai-ca como tantas outras muito ilustrativas.
Quando Baal Chem Tov, o Mestre do Bom Nome, o rabino místico que fundou o hassidismo, tinha uma tarefa muito difícil diante de si, ou quando via uma desgraça prestes a abater-se sobre seu povo, ele ia se recolher solitário num certo local, no meio da floresta. Ali, ele acendia um fogo, meditava em oração e as orientações e inspirações de Deus chegavam. As desgraças se afastavam. O milagre acontecia.
Uma geração mais tarde, quando seu discípulo, o Maguid de Mezeritch, devia intervir junto aos céus pelas mesmas razões e problemas, ele ia no local, no meio da floresta, e dizia: “Senhor do universo, escuta-me. Eu não sei mais como acender o fogo, mas ainda sou capaz de dizer a oração.” E as orientações e inspirações de Deus chegavam e as desgraças eram afastadas. O milagre acontecia.
Na geração seguinte, o rabi Moisés Lev de Sassov, para salvar o povo das mesmas desgraças e ameaças, também solitário na floresta dizia: Eu não sei como acender o fogo; eu não sei mais rezar, mas eu ainda me lembro do lugar e isso deve bastar. As orientações e inspirações de Deus chegavam, as desgraças eram afastadas e o milagre acontecia.
E depois chegou a vez do rabi Israel de Rijine de afastar as ameaças e desgraças. Sentado em sua poltrona, no coração de sua sinagoga, ele punha a cabeça entre as mãos e dirigia-se a Deus: “Senhor do universo, eu sou incapaz de acender o fogo; eu não conheço mais a oração; eu não sou capaz de achar o lugar na floresta. Tudo o que eu sei fazer é contar esta história, e isto deve bastar”. Mas não sabemos o que aconteceu...
Ao longo do tempo foram se perdendo os ritos e valores que acompanhavam a piedade das várias gerações. Perdeu-se o rumo, as lembranças ficaram distantes, a incerteza tomou conta.
Assim acontece hoje. Na floresta em que vivemos, não se acende mais o fogo da paz que ilumina, não se faz a oração da fé e do amor que trazem alegria, não se lembra mais do lugar de Deus em nossa sociedade. Será que o crescimento do ódio e do preconceito está fazendo o homem tornar-se lobo para o homem?
Aos poucos a convivência pacífica em sociedade foi se perdendo. Estamos mergulhados numa realidade pautada pela perda dos “ritos da boa educação”. A agressividade campeia por toda parte. A violência é o fruto amargo que colhemos.
O assassinato do pai de família Marcelo Larenz Gonzales, imigrante venezuelano, morador de Mauá, mostra a banalização do mal. Foi assassinado com tiro no peito frente aos quatro filhos por uma dívida de aluguel de R$ 100,00, restante de um total de quinhentos já pago. A viúva alega que moravam ali a oito meses e nunca deixaram de pagar o aluguel. Um assassinato que tem semelhança com outro, de Moise Kabagambe no Rio de Janeiro, espancado até a morte.
Não podemos deixar o ódio dominar nossa sociedade, o ódio é a cólera dos fracos. Ele inferioriza o que odeia. Nossa sociedade precisa se desarmar, aspirar a paz e não o conflito. Dizia Santo Agostinho: “A ira gera o ódio, e do ódio nascem a dor e o medo”.
Se não vencermos o ódio, viveremos cada vez mais dominados pelo medo que nos torna todos escravos.

Folha Do ABC

A FOLHA DO ABC traz o melhor conteúdo noticioso, sempre colocando o ABC em 1º lugar. É o jornal de maior credibilidade da região
Nossa publicação traz uma cobertura completa de tudo o que acontece na região do ABCDM.

Mais nesta categoria: Educar para a Fraternidade »

3 comentários

Deixe um comentário

Make sure you enter the (*) required information where indicated.Basic HTML code is allowed.

Main Menu

Main Menu