23 May 2024

Fundado em 1999, em Ribeirão Pires, o Instituto Acqua surgiu como uma ONG de Meio Ambiente. Na ocasião, o Instituto criou o Centro de Referência Ambiental, firmando-se no Terceiro Setor com programas socioambientais e de qualidade urbana. Em 2003, o Instituto foi reconhecido como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público e, em 2013, foi qualificado como Organização Social de Saúde (OSS). Em 2014, instalou sua sede em Santo André.

 Hoje, a instituição possui 12 mil colaboradores diretos, administra 40 unidades de saúde espalhadas pelo Brasil e é uma das principais organizações sociais de saúde do país.  “O Instituto surgiu da Sociedade Civil se unir para um objetivo comum. Com o tempo, foi se abrindo a possibilidade de participar de gestão na saúde, inicialmente com o controle de zoonoses, depois com o Programa Saúde da Família e assim fomos galgando espaço até chegar onde estamos hoje”, revela o diretor-presidente do Instituto Acqua, Samir Siviero.

Samir comenta que no começo o Acqua tinha muita participação nos conselhos locais, principalmente no Grande ABC. “Conselho de Saúde, de Meio Ambiente, de Cultura, de Educação. Sempre participamos como representantes da sociedade civil. Com isso, surgiram oportunidades como mapeamento da represa Billings em parceria com o Instituto Socioambiental (ISA), que teve uma vertente muito importante para o Acqua. Na questão da zoonose, foi onde começamos uma participação mais massiva na área da saúde. Tivemos atuação em cinco municípios do ABC, onde fazíamos o controle da zoonose. Então, começamos a atuar no Programa da Saúde da Família e passamos a atuar em outras cidades”.

Em 2013, surgiu a oportunidade de o Instituto fazer 100% da gestão de um hospital, em Santa Catarina. “Quase no mesmo período, começamos a atuar no Maranhão. Esse mês, completamos nove anos de atuação no Maranhão. Hoje, temos contrato com quatro governos de Estados, 40 unidades de saúde sob gestão, cuidamos de hospitais de alta complexidade, centros odontológicos, policlínicas e centro de hemodiálise. Nos últimos dez anos, nossa principal vertente foi a Saúde, mas não viramos as costas para a representação que temos na sociedade civil”, revela.

Além da área da saúde, o Instituto Acqua atua em projetos ações em Educação, Meio Ambiente, Desenvolvimento Social, Mobilidade Urbana, Cidadania, Cultura e Esportes.

Samir comenta, entre outros projetos, sobre a tradicional Feira Vegana, que acontece uma vez por mês na sede do instituto em Santo André e que já teve edições em São Caetano, São Bernardo e Ribeirão Pires.

“Nossa feira é uma das maiores feiras veganas do Estado. “Isso vem da característica da criação do Acqua, de se preocupar com quem está no seu entorno. Selecionamos não só quem vai comercializar os produtos, mas também na capacitação deles por meio de parcerias com o Sebrae e o Senac. Apesar do perfil atual de gestão das unidades de saúde, continuamos trazendo a sociedade para dentro do Acqua”, ressalta. A próxima acontece no mês de junho em São Bernardo.

Além da feira, que acontece mensalmente, o Acqua oferece, por meio da vertente Acqua Cultura, cursos de Jardinagem, Canto coral, Yoga, Musicalização em flauta doce, Culinária saudável e Workshops para empreendedores.

“Essas experiências além da saúde, agregam, trocamos informações. Como é o caso da Feira Vegana, voltada a uma alimentação saudável, na qual podemos mudar algo e colocar em prática em uma unidade de saúde, por exemplo. Somos muito plurais, atuamos em diferentes locais, com diferentes pessoas e temos um leque importante de atividades, tratando de saúde, meio ambiente, querendo somente proporcionar uma vida melhor para cada um. Isso é uma característica que vem da fundação do Acqua e se mantém até hoje. O pensamento de preocupação com as pessoas e o meio ambiente”, revela o presidente. 

Samir comenta que a expansão do Acqua no Estado do Maranhão representa o que o instituto se tornou nos últimos anos. “Os principais hospitais da grande rede materna infantil estão sob nossa gestão e isso nos deu oportunidade de iniciar a gestão de unidades de saúde menores, como centros de hemodiálise, policlínicas e centros odontológicos, justamente por estar perto de unidades maiores”, afirma Samir.

No Maranhão, o instituto é responsável pela gestão do Hospital Dr.Carlos Macieira, referência estadual em atendimentos de alta complexidade, além dos principais hospitais de alta complexidade infantil e materno do Estado, centros de hemodiálise e policlínicas da criança e do idoso. O instituto oferece também serviços odontológicos. “Temos o Centro Odontológico em São Luiz e também temos o serviço móvel, com micro-ônibus, que leva o projeto Sorrir para as comunidades mais distantes, de difícil acesso”. Desde 2018, o projeto já realizou 1,6 milhão de atendimentos.

No Espirito Santo, o Acqua atua há três anos e atende o principal hospital do Estado, o Hospital Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (HIMABA). No Mato Grosso, o Instituto é responsável pela gestão de duas unidades, há cinco anos. No Pará, atua em Altamira, em um hospital de média-alta complexidade e inicia, nos próximos dias, atuação em Belém, em um hospital referência em pediatria.

“A maioria dos nossos hospitais possuem a Certificação ONA, que é uma certificação internacional de reconhecimento da qualidade do atendimento no hospital. Isso demonstra a seriedade que temos ao fazer a gestão do recurso público”, afirma Samir.

25 ANOS –Este ano, o Instituto Acqua celebra 25 anos. Para celebrar, Samir comenta sobre a reforma na sede do instituto na Avenida Lino Jardim, em Santo André. “Para reabrir nosso espaço para a sociedade”, revela. Também foi promovido jantar dançante para os colaboradores.

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, lançou, na sexta (10), na Pinacoteca Municipal, a nova plataforma digital chamada ‘SBC em Libras’, a primeira central de Libras (Língua Brasileira de Sinais), que oferecerá auxílio direto no atendimento da população surda aos serviços ofertados nos equipamentos de saúde, educação e segurança. São Bernardo possui 37.282 moradores com deficiência auditiva e 8.538 com deficiência auditiva severa.

A plataforma oferece tradução simultânea, em Libras. Por meio do acesso, via celular, tablets ou computador, ao QR Code (link https://icom.app/QjMRO), uma intérprete da central faz a intermediação da conversa entre o servidor e o surdo que estiver sendo atendido. O atendimento poderá ser feito 24 horas, 7 dias na semana (incluindo feriados).

“Sinto-me honrado em iniciar a operação desta ferramenta, política pública efetiva pela inclusão, em respeito à diversidade. A tecnologia tem que ser usada, de fato, para melhorar a vida das pessoas. São Bernardo tinha essa dívida com a população surda e, agora, esse programa se torna realidade. E que a nossa cidade não seja exceção, para que todos possam estar integrados”, destacou Morando.

O investimento será de R$ 284,4 mil. O contrato é válido por um ano e dispõe de 40 horas de intermediação via central de libras, com 20 horas de tradução presencial. A ação é coordenada pela Secretaria de Cidadania e da Pessoa com Deficiência de São Bernardo e ofertada por meio da AME (Associação Amigos Metroviários dos Excepcionais), organização gestora da plataforma denominada Icom, que garante o direito, aos surdos, de acesso aos serviços em São Bernardo. A plataforma já opera em São Paulo, Campinas, São José dos Campos e em estações da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

À Folha, o prefeito revelou que o Brasil vive o maior processo de ajuda humanitária da história, por conta dos desastres ocorrido no Rio Grande do Sul, e que “tem certeza” de que se um surdo chegar em uma repartição pública de São Bernardo, com algum problema em seu aparelho celular ou sem bateria, não haverá obstáculos para o atendimento. “Vão sobrar aparelhos de celular para servi-los, começando dos servidores públicos e de outros que estarão esperando. Não consigo acreditar que alguém negue um aparelho para que o surdo faça a sua comunicação”, ressaltou. 

 

 

(Foto: Gabriel Inamine/PMSBC)

O prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior, entregou, neste sábado (11), em emocionante cerimônia de inauguração, a nova EMEI (Escola Municipal de Educação Infantil) José de Pádua Reis, no bairro Olímpico.

O nome da nova unidade escolar é uma homenagem ao dentista José de Pádua Reis (in memoriam), cirurgião bucomaxilofacial que trabalhou por muitos anos no Hospital São Caetano e pai da primeira-dama Denise Auricchio.

Na ocasião, o deputado estadual Thiago Auricchio (PL), com a voz embargada, agradeceu a homenagem ao avô. “Agradeço por eternizar o nome do meu avô, que com toda a simplicidade..”,  mas foi impossibilitado de continuar seu discurso, pois acabou tomado por lágrimas de emoção ao se lembrar com carinho do avô.

Prontamente, Denise assumiu a fala e relembrou a dedicação de seu pai à São Caetano. “Meu pai se dedicou a essa cidade, foi um homem muito carinhoso com todos, sempre cordial. Então, essa homenagem vai eternizar o nome dele na nossa cidade”, disse.

A emoção também tomou conta dos familiares que, assim como Thiago, derramaram lágrimas de emoção, saudade e comoveram a todos os presentes. Oneida Martins, viúva de José de Pádua, ainda recebeu uma placa celebrativa e, Denise, um arranjo de flores.

“O meu sogro foi uma das pessoas que conheci de maior cultura geral, que pude conviver ao longo da minha vida. De fato, um apaixonado por leitura, por conhecimento. Adorava assuntos políticos. Tinha uma memória afetiva da política de Minas Gerais, muito grande. Estudou em uma escola federal, criada por Juscelino Kubitschek, e a história que ele mais gostava de contar era de que ele estava estudando sozinho na biblioteca da universidade e JK, já presidente da República, pousou em Diamantina foi ver a faculdade que ele tinha criado e ficou conversando com ele”, relembrou Auricchio.

NOVO MODELO DE GESTÃO

A nova unidade foi construída em área de 826,98 m², tem capacidade de atendimento de 200 crianças, de 0 a 5 anos, e conta com cinco salas de atividades, solários integrados, além de dois berçários, dois trocadores, sala multiuso, playground e uma mini quadra.

“Esta unidade, como todas as outras, tem um padrão de excelência, e vai junto com toda a nossa equipe de diretores e gestores fomentar e intensificar aquilo que temos como prioridade nessa gestão que é a Educação”, afirmou a secretária de Educação, Minéa Fratelli.

A escola também terá um novo modelo de gestão. Será administrada por meio de uma OSC (Organização da Sociedade Civil), denominada Pleno Viver.

A secretária Minéa destacou que será uma organização da sociedade civil que fará a gestão da unidade escolar. “É uma unidade da Prefeitura municipal, que recebe merenda, o currículo é o mesmo. A OSC traz o RH (Recursos Humanos), que é próprio, que é de fato um desafio para a municipalidade e recebe verba para materiais, equipamentos, etc. É uma escola da secretaria municipal de São Caetano. Será regida por nós e a política educacional é a mesma”, esclareceu.

O prefeito afirmou que este modelo não é novidade em São Caetano. “Estamos iniciando esse modelo que já é adotado em outras cidades. O grande exemplo deste modelo é o da Capital, que trouxe uma dinâmica diferenciada podendo zerar a fila de espera de creches na Capital”, explicou.

Auricchiou revelou que outras escolas do município também estão se adaptando ao novo modelo. “A escola de Educação Infantil Lar Samaritano já está se adaptando ao modelo de OSC e também devemos entregar a administração do Zilda Natel neste mesmo modelo de Organização da Sociedade Civil”, revelou. “O grande incentivador das OSCs na Saúde no Brasil foi o (ex-governador) Mário Covas e o grande incentivador das OSCs na Educação foi o (ex-prefeito) Bruno Covas”, completou.

A entidade ‘Pleno Viver’, segundo Auricchio, tem expertise “muito grande”, pois administra um número “razoável” de unidades na Capital e quase 3 mil alunos.  A seleção da entidade ocorreu por meio de um edital de chamamento. “Também existe uma quantidade de outras entidades que estão classificadas e vão ser utilizadas ao longo do processo”, contou.

À Folha, Auricchio enfatizou que o modelo não é novo na cidade: “Na nossa história, tivemos três equipamentos que foram concedidos a instituições do terceiro setor: a creche Oswaldo Cruz, que era concedida à Maçonaria, a creche Zilda Natel, concedida à Igreja Católica e o Lar Samaritano, concedido a uma entidade filantrópica espírita. Já a creche Oswaldo Cruz, retomamos como escola municipal e o Lar Samaritano, passou por uma transformação que é neste modelo de OSC”.

MAIS ENTREGAS

Na ocasião, Auricchio, frisou que o bairro Olímpico é um dos “que mais cresce numericamente na cidade” e que haverá novas entregas. “Temos muito a entregar. Vamos, em mais uns dias, entregar a nova Ciclovia da Av.Kennedy, a ampliação do Hospital de Emergências, mais alguns meses o Parque Linear da Av.Kennedy e estamos reformulando todo o sistema cicloviário que passa pelo bairro Olímpico”, anunciou. 

 

 

 

 

(Fotos: Eric Romero/PMSCS)

 

Última modificação em Sábado, 11 Maio 2024 18:04

A lojasmel inaugurou sua 9ª loja no ABC. A nova unidade está localizada no Grand Plaza Shopping. O gerente geral, Jean Lima, afirma que a nova loja foi uma grande conquista. “Estamos num dos melhores shoppings do ABC. Estávamos muito interessados em vir para cá. Tivemos a oportunidade e era irrecusável. O ABC é muito importante para as lojasmel”, afirma Jean.

Com 900m², a loja disponibiliza aos consumidores um portfólio com mais de 12 mil produtos, entre eles os de utilidades domésticas e brinquedos. “Aqui o cliente encontra de tudo, são 23 departamentos dentro de uma única loja. Ou seja, são praticamente 23 lojas. Temos desde Cama, Mesa e Banho, brinquedos, panelas, produtos para festa, doce, água, produtos para PET, decoração, ferramentas, aqui tem de tudo”, afirma Jean.

De acordo com o gerente, a rede deve abrir mais lojas no ABC. “Estamos sempre de olho, aparecendo as oportunidades, as lojasmel vem com certeza”, revela.

Na quarta (8), houve cerimônia de inauguração com a presença dos fundadores Manuel Cruz e Maria Elena Cruz. “Celebramos hoje 45 anos de casados. Temos cinco filhos e treze netos. Nesse dia casamos no cartório do Jabaquara. Maria Elena disse, na ocasião, que teria muitos filhos. Hoje, temos 1.500 filhos espirituais”, afirmou Manuel se referindo ao número de colaboradores da empresa.

Na unidade os clientes também podem aproveitar a comodidade e praticidade das compras por meio dos canais digitais, podendo realizar seus pedidos via WhatsApp ou pelo site da marca, e fazer a retirada de seus produtos diretamente na loja ou receber em sua casa até 2 horas.

 

 

Foto: Folha do ABC 

Moradores do bairro Nova Gerty, em São Caetano, ganharam mais uma opção de atendimento médico. O bairro passou a contar, desde sexta (10), com a nova UBS Roberto Alves Marangon - Padre Beto.

O nome do equipamento é uma homenagem ao Padre Roberto Alves Marangon, nascido em São Caetano.

A nova UBS inicia os atendimentos na segunda (13) e terá à disposição da população duas equipes ESF (Estratégia Saúde da Família), cada uma com um médico da família, um enfermeiro, um auxiliar de Enfermagem e quatro Agentes Comunitários de Saúde, além de ginecologista e pediatra, com atendimento das 7h às 17h, de segunda à sexta-feira.

“Aqui, como todas as outras unidades, a estratégia é a Saúde da Família, é um modelo adotado por São Caetano do Sul, é um modelo que o Sistema Único de Saúde preconiza, mais eficiente e verticalizado para chegar o mais próximo possível da ponta do sistema do usuário, aqueles que mais precisam da atenção médica, dentro das suas casas e também aqui num centro desse como estamos entregando hoje”, afirmou o prefeito José Auricchio.

De acordo com a secretária de Saúde, Regina Maura, a unidade terá capacidade para realizar 6 mil atendimentos por mês, entre vacinas, papanicolau, curativos, acolhimentos e exames. “Do total, dois mil serão de consultas. As equipes ESF vão oferecer a possibilidade de atender mais duas mil famílias da região. Vamos conseguir dobrar a quantidade de atendimentos das pessoas dessa região”, explicou a secretária.

O bispo da Diocese de Santo André, Dom Pedro Carlos Cipollini, esteve presente na inauguração. “Expresso a gratidão por terem se lembrado de colocar o nome do padre Beto nesta unidade de saúde. Sabemos como a saúde é uma prioridade constante para nós no Brasil e, por coincidência, o padre Beto, antes de ser padre, se formou em biologia. É muito significativo para a nossa igreja ter um padre homenageado”, afirmou Dom Pedro.

“Quem conheceu padre Beto, sabe da importância que ele teve, era um evangelizador de verdade, um padre acolhedor, que atendia aqueles que mais precisavam, tinha um grande trabalho dentro da Paróquia São Bento”, completo Auricchio.

A obra teve investimento de R$ 685 mil, incluindo a instalação de um elevador com alimentação de energia fotovoltaica, uma fonte de energia renovável e limpa que utiliza a radiação solar para gerar eletricidade. O espaço tem três consultórios multiuso, um consultório de ginecologia, sala de atendimento da ESF (Estratégia Saúde da Família), farmácia, copa, sala de coleta e medicações, sala de enfermagem, sala de procedimentos, sala de vacinas, banheiro adaptado, sala de coordenação e almoxarifado.

Padre Beto - Foi ordenado diácono em 1992, na Paróquia Nossa Senhora da Candelária e esteve à frente da Paróquia São Bento, no bairro Olímpico. Padre Beto, faleceu em 2023.

“Nossa família está tomada de emoção. Meu irmão sempre se sensibilizou diante dos doentes e ter seu nome em uma unidade de saúde faz, para nós, todo o sentido”, afirmou a irmã do Padre beto, Cibele Alves Marangon.

 

Foto: Folha do ABC

A Nestlé lançou, nesta sexta (10), a iniciativa que visa dar oportunidades aos jovens em vulnerabilidade social que tenham o sonho de empreender na área da gastronomia.

Por meio de parceria com a co.liga, escola digital de cursos gratuitos, a Nestlé lança o edital a.colher e irá capacitar 500 jovens em todo o país, com idades de 18 a 29 anos. Os participantes terão ciclos de aprendizado com aulas online e a oportunidade de inscrever um projeto no ciclo de Aceleração de Negócios Gastronômicos. Serão selecionados 30 projetos, que receberão uma bolsa de R$300 cada para participar da fase seguinte.

Ao final do programa, que acontece em abril de 2025, terá uma nova rodada de avaliação e serão selecionados três projetos vencedores, os quais receberão um aporte de R$5 mil cada e uma viagem para conhecer a cozinha da Nestlé em São Paulo.

A Head de Diversidade e Inclusão da Nestlé Brasil, Helen Andrade, revela que a Nestlé desenvolve uma série de programas que englobam diversidade, inclusão e também gerações. “Na frente de diversidade e inclusão, trabalhamos mulheres, pessoas negras, pessoas com deficiência, comunidade LGBTQIA+ e gerações. Esse é um dos pilares. E, dentro de gerações, temos o programa ‘Experiência que faz bem’, que é a contratação e desenvolvimento de pessoas com mais de 50 anos, e também temos o público ‘29 menos’, que é de 18 a 29 anos. Para esse público, temos uma infinidade de programas”.

Helen comenta que somente ano passado, 143 mil jovens participaram dos programas da Nestlé. “Temos aliança de 100 empresas que trabalham divulgando as vagas para os nossos programas. Temos, hoje, 6 mil vagas disponíveis para os jovens”, completa.

Entre os programas oferecidos aos jovens, a Nestlé oferece o ‘Jovens Veterinários’, que em 2023 contou com a participação de mais de 2 mil inscritos. Há também o curso de baristas, que ano passado formou uma turma de 40 jovens moradores da favela de Paraisópolis, em São Paulo.

“Temos as máquinas de café sendo vendidas em 19 mil pontos de vendas. Temos a máquina, o produto, que é o café e, então, decidimos, também, formar a mão de obra. Além da formação, disponibilizamos uma plataforma para os jovens cadastrarem o currículo e os nossos parceiros, como bares e restaurantes, podem entrar e contratar esses jovens para trabalhar. Então fechamos um ciclo, com nossa parceria, as máquinas de café, os produtos e pessoas qualificadas para usar as máquinas”, comenta Helen.

Felipe Cunha, que hoje é Chef Pâtissier do Fasano Itaim, participou do programa da Nestlé chamado ‘Yocuta – Young Culinary Talents (Jovens Talentos Culinários)’ em 2016. “Comecei vendendo trufas no ônibus e depois fiz formação no Senac. E foi lá, onde apareceu esse anjo chamado ‘Nestlé’, quando conheci o projeto ‘Yocuta’. Fiz a seleção para participar, tive aulas com o chef Laurent Suaudeau por seis meses e depois só vieram bênçãos. Entrei para trabalhar no Palácio Tangará em 2017 e a Nestlé fez essa ponte. Hoje, tenho 29 anos e comando a rede de Hotel Fasano e tenho meu negócio. O que posso fazer para agradecer o que a Nestlé fez por mim é ter o meu negócio e acolher jovens como a Nestlé fez comigo”, afirma Felipe que além de Chef, comanda uma confeitaria própria.

João Alegria, Secretário Geral da Fundação Roberto Marinho, destaca que criar oportunidades  de formação profissional e empreendedora voltadas para a gastronomia é um acerto e pode transformar a vida de muitas pessoas e comunidades no país.

“A gastronomia é um campo de atuação profissional do universo criativo, da vivência cultural, que é um mercado enorme de tendência contemporânea, onde muitos jovens já estão inseridos de maneira intuitiva, informal, sem uma pegada profissional, sem uma formação básica. Essa parceria com a Nestlé oferece aprendizado, com os aspectos fundamentais como básico da cozinha, o cuidado com o tratamento dos alimentos, conservação dos alimentos, tendências e competências mais empreendedoras no campo da gastronomia”, revela.

Os jovens interessados em participar do programa podem se inscrever no site da co.liga até o dia 2 de junho. O resultado da seleção sai em 30 de junho. A iniciativa é voltada para jovens em vulnerabilidade social e destina 5% das vagas às pessoas com deficiência.

Mesmo quem não participar do edital, pode realizar quatro cursos gratuitos 100% online, na plataforma da co.liga. As aulas se dividem em quatro temas: “Panorama e tendências na gastronomia: identificação de oportunidades de atuação”; “Segurança dos Alimentos e boas práticas na Gastronomia”; “Técnicas de preparação e montagem de refeições”; e “Mercado de trabalho e áreas de atuação na gastronomia”. Ao término dos ciclos, os participantes recebem um certificado que atesta a qualificação profissional.   

 

Foto: Divulgação

 

Por Nicole Floret - 10/05/2024

Última modificação em Sexta, 10 Maio 2024 20:21

Destaques

"Temos que nos preparar"…

22 Mai 2024 Política

Main Menu

Main Menu