23 Feb 2018

Pesquisadores da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista (FMB-Unesp) encontraram uma forte associação entre deficiência de vitamina D e síndrome metabólica – conjunto de condições que aumentam o risco de doença cardíaca, de acidente vascular cerebral e de diabetes – em mulheres no período de pós-menopausa.

De acordo com a pesquisa, publicada na revista Maturitas, a síndrome metabólica foi detectada em 57,8% das mulheres analisadas com insuficiência (níveis entre 20 e 29 nanogramas por mililitro de sangue) ou deficiência de vitamina D (menor que 20 ng/ml). Para as que tinham vitamina D suficiente (30 ng/ml ou mais), apenas 39,8% apresentavam síndrome metabólica. Estima-se que a síndrome metabólica afete 50% da população na faixa etária de 50 anos.

No período de dois anos, 463 mulheres entre 45 e 75 anos foram acompanhadas no Ambulatório de Climatério e Menopausa da FMB. Todas as participantes da análise estavam há pelo menos 12 meses na pós-menopausa e sem nenhum problema cardíaco aparente. O estudo foi apoiado pela FAPESP por meio de um Auxílio à Pesquisa.

“Paralelamente à dosagem da vitamina D no sangue, avaliamos se aquelas mulheres apresentavam parâmetros indicativos de síndrome metabólica. Notamos que quanto menor o valor sérico [no sangue] da vitamina D, maior foi a ocorrência de síndrome metabólica. Os resultados sugerem que a suplementação e a consequente manutenção de níveis adequados de vitamina D em mulheres na pós-menopausa podem reduzir o risco de doenças”, disse Eliana Aguiar Petri Nahas, professora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMB e uma das autoras do estudo.

Entre os parâmetros para avaliar se a paciente apresenta síndrome metabólica estão: circunferência da cintura acima de 88 centímetros, hipertensão arterial (acima de 130 por 85 mmHg), nível elevado de açúcar no sangue (glicemia de jejum maior que 100 mg/dL) e níveis anormais de triglicerídeos (acima de 150 mg/dL) e HDL-colesterol (abaixo de 50 mg/dL). Mulheres que apresentam pelo menos três desses cinco parâmetros são diagnosticadas com síndrome metabólica.

Os pesquisadores ressaltam, no entanto, que ainda são necessários mais estudos para confirmar a relação. “O objetivo do estudo foi avaliar a associação entre a deficiência de vitamina D e os fatores de risco da síndrome metabólica em mulheres na pós-menopausa”, escreveram os autores no artigo.

Estudos anteriores haviam descrito a existência de diversos mecanismos que explicariam o efeito da vitamina D nos componentes de síndrome metabólica. Segundo o artigo, a explicação mais plausível para essa relação seria a influência da vitamina D na secreção e sensibilidade da insulina, hormônio secretado no pâncreas que tem importante papel na síndrome metabólica.

“O receptor de vitamina D é expresso em células pancreáticas secretoras de insulina e em tecidos-alvo periféricos, como músculo esquelético e tecido adiposo. A deficiência de vitamina D pode comprometer a capacidade das células de converter a pró-insulina em insulina”, escreveram os autores.

Efeitos extraósseos

Os mesmos pesquisadores da Unesp também analisaram a relação entre a deficiência de vitamina D e o câncer de mama em mulheres na pós-menopausa. O estudo, com resultados publicados em The Journal of Steroid Biochemistry and Molecular Biology, foi conduzido com 192 mulheres entre 45 e 75 anos, que receberam diagnóstico recente de câncer de mama e estavam na pós-menopausa há mais de 12 meses.

No estudo, 33,8% das pacientes tinham níveis suficientes de vitamina D, enquanto 66,2% dos casos apresentavam deficiência. Mulheres com insuficiência ou deficiência de vitamina D tiveram uma maior proporção de tumores com grau avançado ou metastático.

A equipe avança no entendimento dos efeitos da vitamina D em diferentes doenças crônicas, como obesidade, hipertensão, diabetes e consequentemente síndrome metabólica, e também em relação ao câncer de mama.

“Reconhecidamente, a vitamina D é importante para a massa óssea, principalmente para ajudar a absorver o cálcio para o osso. Agora, estamos estudando os efeitos extraósseos da vitamina D no sistema cardiovascular e na mama, que são os dois focos do nosso estudo atual. Nos últimos anos, a associação entre a deficiência da vitamina D com inflamação e doenças cardiometabólicas foi proposta. No entanto, ainda faltam informações sobre a associação entre vitamina D e marcadores cardioinflamatórios na população em geral”, disse Nahas.

Ela explica que o envelhecimento é um fator importante para a baixa de vitamina D. “Quando nos expomos ao sol, existe uma pré-vitamina D no tecido adiposo, embaixo da pele. Porém, quando envelhecemos perdemos não apenas massa muscular, mas ocorrem alterações na composição corporal e perdemos também essa pré-vitamina. Por isso, normalmente, mesmo que o idoso se exponha ao sol, produz menos vitamina D”, disse.

O grupo de pesquisadores espera agora avançar com estudos sobre suplementação isolada de vitamina D e indicadores de doença cardiovascular em mulheres na pós-menopausa.

“São precisos mais estudos para poder fazer essas associações importantes sobre os efeitos da suplementação no perfil cardiometabólico e imune-inflamatório da doença cardiovascular e na qualidade de vida das mulheres na pós-menopausa”, disse Nahas.

A pesquisadora alerta que é preciso uma maior atenção com o grupo de mulheres na pós-menopausa. É indicado procurar um médico para verificar a necessidade de suplementação da vitamina D. “A hipovitaminose pode promover repercussões, seja no câncer de mama, doenças vasculares, seja na síndrome metabólica”, disse.

Uma viagem pela costa da Nova Zelândia é uma excelente maneira de aproveitar as paisagens cinematográficas do país, com lagos, rios, praias banhadas pelo Oceano Pacífico e fontes termais.

Para quem gosta de curtir o verão perto da água, as opções na Nova Zelândia são praticamente ilimitadas. O país, formado por duas ilhas, tem mais de 15 mil quilômetros de costa, muitas opções de praias, rios e lagos espalhados pelo território, que não deixa nada a desejar em termos de beleza natural e paisagens deslumbrantes.

A Baía das Ilhas (foto)

Paihia está no coração da região que é apropriadamente chamada de Bay of Islands, ou baía das ilhas, localizada no norte do país. Lá é possível nadar com golfinhos, aprender sobre a história da Nova Zelândia na região de Waitangi ou visitar a cachoeira de Haruru e tentar encontrar o Taniwha, monstro marinho que dizem viver por ali. Em todas as direções a cidade convida a belas caminhadas, inclusive por praias reservadas e de areia dourada. Os locais gostam de nadar na praia de Sullivan, que fica a uma pequena caminhada da ponta sul da praia de Paihia.

Dicas de viagem: Paihia está a cerca de três horas de carro ao norte de Auckland. Em Kerikeri, a cerca de 30 minutos dali, está o Aeroporto de Bay of Islands. O inverno em Paihia é moderado e a temperatura da água permite mergulhos até no outono.

Entre as montanhas e o mar

Há muito tempo a pequena cidade de Mount Maunganui tem sido um destino popular para quem gosta de acampar no verão. É o lugar certo para dias ensolarados e preguiçosos em que você apenas descansa na areia e se delicia com sorvete. Mas essa comunidade da região de Bay of Plenty abriga um estilo de vida tranquilo e ligado ao surfe durante todo o ano. Depois de subir até o topo do Mauao, ou The Mount, tome um banho rejuvenescedor nas piscinas quentes de água salgada que ficam ao pé da montanha. Para finalizar, experimente os dumplings e a cerveja artesanal do restaurante The Rising Tide.

Dicas de viagem: Mount Maunganui está a 15 minutos de carro de Tauranga e a três horas de Auckland. A uma hora dali está Hobbiton, locação da trilogia O Senhor dos Anéis, e também Rotorua, famosa pela atividade geotermal. A região de Bay of Plenty está entre as campeãs do país no que diz respeito a quantidade de horas de sol.

Lagos e piscinas geotermais

Nem todas as cidades neozelandesas próximas da água ficam no litoral. É o caso de Lake Taupo, uma enorme cratera cheia d’água que foi formada por erupções vulcânicas. As piscinas termais são umas das principais atrações da região. A trilha de Otumuheke, por exemplo, leva a fontes termais naturais. Já no jardim botânico de Waipahihi é possível caminhar pela flora nativa (com vibrantes rododendros e azaleias, na primavera) e observar o lago. Se estes novos ares abrirem seu apetite, aproveite o churrasco do restaurante Southern Meat Kitchen.

Dicas de viagem: Taupo fica no centro da Ilha Norte, e de carro está a três horas e meia ao sul de Auckland e a quatro horas e meia ao norte de Wellington. Para visitar fontes naturais que estão em toda parte e têm entrada gratuita, fique de olho para avistar vapor ou peça dicas aos moradores. No inverno, uma viagem de carro de 80 minutos leva à estação de esqui de Whakapapa, no Monte Ruapehu.

Praia, arte e cerveja artesanal

Nelson oferece uma linda vista da praia de Tahunanui, apenas uma das muitas faixas de areia localizadas na Baía de Tasman, na ponta norte da Ilha Sul. Há muito a se visitar ali, incluindo excelentes galerias de artes e parque nacionais. Mas a trilha da cerveja artesanal, ou Nelson Craft Beer Trail, é imperdível. A boa cerveja é abundante nesta ensolarada parte do país e você pode experimentar ótimas marcas locais no Free House, um pub de ambiente informal em um local onde costumava ser uma Igreja Reformada Holandesa. A primavera é uma boa época para visitar o jardim japonês de Miyazu, já que as cerejeiras florescem. Falando em cerejas e outras frutas, fique de olho nas chamadas honesty boxes, pequenas bancas à beira da estrada no qual ficam à venda produtos cultivados pelos moradores.

Dicas de viagem: Há voos para Nelson saindo de Auckland, Wellington e Christchurch. A região abriga os espetaculares parques de Abel Tasman e Nelson Lake.

Descobrindo Wanaka

Quem gosta de caminhar ou de pedalar vai adorar a Outlet Track, trilha que segue o rio Clutha, próximo à cidade de Wanaka, e que é especialmente bela com as cores do outono. Entre em contato com a empresa Classic Flights para agendar um tour aéreo e apreciar a paisagem, a bordo de um Tiger Moth dos anos 1940. Já no lago Wanaka está a famosa árvore solitária que nasceu há quase 80 anos a partir de uma cerca e hoje é um grande sucesso do Instagram com a hashtag #thatwanakatree.

Dicas de viagem: Wanaka está a menos de uma hora de carro de Queenstown. Na Páscoa de 2018 o local vai abrigar o famoso show aéreo Warbird over Wanaka. As estações de esqui mais próximas são Treble Cone e Cardona, e há cross-country na Snow Farm, a cerca de 40 minutos de carro.

Na costa de Kaikoura

Localizada em uma península banhada pelo Oceano Pacífico, onde montanhas cobertas de neve chegam até o mar, Kaikoura é merecidamente conhecida como um excelente local para observação de baleias e para degustar frutos do mar. A Kaikoura Llama Trekking oferece tours guiados que duram metade do dia e permitem que você veja baleias e colônias de focas. E como nenhuma passagem pela praia está completa sem sorvete, aproveite para conhecer o do Poppy’s, que é caseiro e tem porções generosas.

Dicas de viagem: De carro, Kaikoura está duas horas e meia ao norte de Christchurch. O melhor período para avistar baleias é entre novembro e março. Fique de olho nas caravanas à beira da estrada, que vendem frutos do mar frescos.

Curiosidades:

  • A costa da Nova Zelândia tem 15.134 quilômetros de extensão
  • A Ilha Norte é a 14ª maior ilha do mundo
  • A Ilha Sul é a 12ª maior ilha do mundo
  • As ilhas mais habitadas incluem: Norte, Sul, Great Barrier, Waiheke, d’Urville, Stewart e Chatham
  • Juntas, as ilhas Norte e Sul se estendem por 1,6 mil quilômetros, norte a sul
  • A Nova Zelândia é cercada pelo Oceano Pacífico e o Mar de Tasman
  • Tem 3.820 lagos que cobrem mais de 1 hectare

O concerto de encerramento da 4ª Oficina Internacional de Regência Orquestral, com a Orquestra Sinfônica da cidade, e o espetáculo ‘Laços Eternos’ são as atrações do Teatro Municipal Antônio Houaiss respectivamente neste sábado (24), às 20h, e domingo, às 18h (ingressos esgotados) e 20h. Encontro de literatura e exposições também são opções culturais para o fim de semana.

Na apresentação do sábado, às 20h, os participantes da oficina terão a oportunidade de reger uma orquestra sinfônica profissional, com a supervisão do maestro Abel Rocha, responsável pela OSSA e pela oficina. O programa contará com Don Juan (poema sinfônico, Op. 20, de Richard Strauss), o concerto para contrabaixo em fá menor, n. 3, de Serge Koussevitzky (tendo como solista o húngaro Balázs Orbán) e também a obra Quadros de uma Exposição, de Modest Mussorgsky. Os pares de ingressos gratuitos numerados para o concerto serão distribuídos na bilheteria do teatro a partir das 18h.

Atração de domingo no Municipal, ‘Laços Eternos’ é uma adaptação para o teatro do livro de Zíbia Gasparetto/Lúcios. O espetáculo mostra uma história comovente, onde o amor é apresentado com toda a sua força e contundência através das diversas vidas de personagens que alternam cenas de vividas na atualidade e no passado. A sessão das 18h está com ingressos esgotados. Uma sessão extra será apresentada às 20h. Indicação: livre. Ingressos, até sábado, R$ 40 (inteira) e R$ 30 (meia), à venda na bilheteria do teatro (Praça IV Centenário, s/n, Centro). No dia 25, R$ 60 e R$ 30.

 

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Prefeitura de São Caetano realiza, neste sábado (24), das 9h às 13h, uma nova edição da Adocão, feira de adoção de cães e gatos. Os interessados podem ir diretamente à sede do CCZ (Rua Justino Paixão, 141, Bairro Mauá). São 30 gatos e 12 cães, entre filhotes e adultos, aptos à adoção. Todos são castrados e vermifugados.

Coordenador do CCZ, Fábio Bertola Agostini destaca que a adoção de um animal deve ser uma decisão consciente, tomada de forma conjunta e planejada por toda a família. “Todos os moradores da casa devem estar de acordo para que a adoção seja bem-sucedida,” diz.

Agostini lembra que é importante, para quem pretende levar um gato, ter a casa ou o apartamento com as janelas protegidas por telas, além de portar uma caixa para o transporte do animal. Para quem tem a intenção de adotar um cão, é aconselhável ir ao local de posse de coleira e guia.

Interessados devem ter mais de 18 anos, portar RG, CPF e comprovante de residência. Não é preciso ser morador de São Caetano. Informações podem ser obtidas pelo telefone 4231-3938

A destinação de 6% do Imposto de Renda (IR) devido, pago ao Governo Federal, pode ser escolhida pelo contribuinte. Com o objetivo de divulgar esta informação para a população é que a Prefeitura de São Bernardo, por meio do Fundo Social de Solidariedade, lançou, na quinta (22), a campanha Declaração Solidária.

Durante a cerimônia de lançamento, no Teatro Cacilda Becker, no Paço Municipal, com a presença do prefeito Orlando Morando, do vice-prefeito e secretário de Serviços Urbanos, Marcelo Lima, do Dr. Mario Benjamin Bartos, Delegado da Receita Federal do Brasil em São Bernardo, dos promotores de Juventude e Cidade de São Bernardo, Dra. Vera Lucia de Toledo e Dr. Alexandre Petri, entre outras autoridades, a presidente do Fundo Social de Solidariedade, Carla Morando, destacou que seu trabalho não está apenas voltados aos projetos próprios da Pasta.

“Por desconhecimento da legislação, que garante ao cidadão o direito de escolher quem deve ficar com 6% de seu imposto devido, ao Governo Federal, muitos remetem lá para Brasília um dinheiro que poderia ficar em nossa cidade e ajudar diretamente no fomento e na potencialização das instituicões que assistem crianças e adolecentes e que tanto necessitam de doações”, esclareceu Carla.

Segundo o presidente da Receita Federal do Brasil, Dr. Mario Benjamin Bartos, em São Bernardo esta iniciativa foi criada em 1990, mas muitas pessoas desconhecem. “A cidade tem um grande potencial de arrecadação. Em 2016, se todos os contribuintes tivessem escolhido a opção de doar 6% de seu imposto devido, o valor que poderia ter sido destinado para o Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD), por meio deste programa, seria de aproximadamente R$ 33 milhões. Este valor seria aplicados, exclusivamente, em ações de proteção e atendimento a crianças e adolescentes”, informou.

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, admitiu em sua fala que sempre fez suas declarações de Imposto de Renda sem destinação específica, por falta de conhecimento. “As pessoas precisam saber que podem ajudar instituições da propria cidade, com esta simples ação. Por isso, parabenizo mais uma vez minha esposa e presidente do Fundo, Carla Morando, pela iniciativa, pela mobilização e pela dedicação à causa. Fiquei surpreso com o valor que poderia ter sido destinado as entidades de São Bernardo. Acredito que se, no ano que vem, conseguirmos arrecadar 10% deste valor, já teremos feito a diferença na vida de muitas crianças e adolecentes em situação de vulnerabilidade social”, enfatizou o chefe do Executivo, que destacou ainda o bom trabalho desenvolvido pelas instituições do município, a seriedade e o comprometimento que têm com as causas sociais.

Todo cidadão pode doar parte de seu imposto devido, basta optar pela Declaração de Ajuste Anual de Imposto de Renda Completa. O valor pode, inclusive, ser destinado a mais de uma instituição, desde que não ultrapasse os 6%. Empresas também podem doar durante todo o ano, 1% de seus impostos devidos.

Ao final, a primeira-dama, Carla Morando, fez um apelo para que todos os presentes levassem a informação a diante. “Vale a pena investir nesta causa, mais do que valores, estaremos destinando amor e esperança a nossas crianças”, concluiu a presidente do Fundo.

O Ginásio Poliesportivo de São Bernardo Adib Moyses Dib, localizado no bairro Parque Anchieta, recebe nesta sexta (23), a partir das 18h, a 44ª edição do maior desafio de Kickboxing da América Latina, o WGP. O evento conta com apoio da Prefeitura de São Bernardo e terá transmissão ao vivo no Canal Combate, Bandsports e Fox Sports. Os ingressos variam de R$ 45 a R$ 260 e estão disponíveis no site do Ingresso Rápido.

As meias-entradas também podem ser adquiridas por meio da doação de 1 kg de alimentos não perecíveis (com exceção de açúcar e sal), que serão revertidos para entidades assistidas pelo Fundo Social de Solidariedade (FSS), presidido pela primeira-dama, Carla Morando.

Entre os destaques do evento está a estreia do ex-atleta do UFC, Viscardi Andrade, além da disputa do cinturão da divisão meio-médio entre o lutador da casa Bruno Gazani (União ABC), contra Marcelo Dionísio (San Martino Fight Team). Os dois atletas possuem vasta experiência e figuram atualmente como número 1 e 2 do ranking da categoria, respectivamente.

“Serão dois caras que ‘caem para dentro’ o tempo todo. Estar em casa sempre motiva mais. Tenho boas memórias de atuar aqui (em São Bernardo). Mas não posso me apegar apenas a isso. Fiz um camp de treinamentos duríssimo. Tomara que o adversário também esteja bem preparado”, disse Gazani. Outra atleta que estará “em casa” é a lutadora Aline Pereira, da equipe Peso Pesado Team. Nascida em São Bernardo, Aline entrará no ringue contra a recifense Mayza Borges (Chacal Fight).

Paralelamente às disputas, Viscardi Andrade trocará os octógonos de MMA pelos ringues de kickboxing pela primeira vez na carreira. Ele encara o chileno Victor Valenzuela na categoria super-médio (até 78.1kg). Já o Challenger GP desta edição terá o brasileiro Mateus Gatti contra o paraguaio Fabrizio Flamig na primeira semifinal. Do outro lado, o duelo será entre brasileiros: Antonio Luciano contra Robson ‘Minotinho’. O WGP terá ao todo dez edições em 2018, sendo três delas fora do Brasil, em países como Argentina e México.

 


Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu