18 Jun 2021

O Guarda Golf Hotel & Residences, localizado em Crans-Montana, na Suíça, nesta sexta (18), reabre suas portas para mais uma animada temporada de verão europeu – entre junho e setembro. Eleito o segundo melhor hotel do país pela premiação Travellers’ Choice Awards 2021, organizada pelo site TripAdvisor, o complexo preparou uma série de atividades especiais para celebrar a estação mais quente do ano.

Quem gosta de contemplar a natureza, por exemplo, pode aproveitar a visita para realizar rotas de ciclismo ou caminhadas pelas belas montanhas e florestas da região. Dentro do hotel, as atrações variam desde cinema, sala de bilhar e cigar lounge até o relaxante Guarda Golf Spa, que agora trabalha com produtos da conceituada marca suíça La Colline.

Para os esportistas, o Guarda Golf oferece um excelente campo de golfe, que pode entreter tanto quem já pratica o esporte como quem pretende dar suas primeiras tacadas com a ajuda de instrutores. Vale a pena destacar que o local é palco da competição Omega European Masters e já recebeu jogadores como Lee Westwood, Rory McIlroy, Sergio Garcia e Severiano Ballesteros.

A gastronomia também é uma atração à parte durante a viagem. O menu do novo restaurante do hotel, chamado FIVE, é especializado em receitas do Mediterrâneo oriental. Já o Les Alpes Bar oferece os melhores drinques do pedaço. Além disso, quem passa por Crans-Montana não pode deixar de degustar o famoso raclette, uma das iguarias mais famosas da região.

Promoções para a temporada de verão

O hotel preparou promoções exclusivas para a temporada de verão deste ano. As diárias até 19 de setembro, por exemplo, são oferecidas com 20% de desconto.

Além disso, os hóspedes que reservarem três noites no Guarda Golf Hotel & Residences pagarão somente duas. Esse tipo de benefício também é válido para quem optar por passar quatro noites (pelo preço de três) ou sete noites (pelo preço de cinco) no complexo.

O Guarda Golf Hotel é representado no Brasil pela Key Partners (www.keypartners.com.br), de Sylvia Leimann. Para mais informações e reservas, acesse o site www.guardagolf.com ou os perfis @guardagolf nas redes sociais.

O Ministério da Saúde conseguiu antecipar 7 milhões de doses da vacina covid-19 da Pfizer/BioNTech para julho. Com isso, o Brasil receberá 15 milhões de doses no próximo mês - a previsão inicial era de 8 milhões de doses.

Em junho, o laboratório deve entregar 12 milhões de doses ao Ministério da Saúde. Os envios estão ocorrendo em três remessas semanais, com desembarque pelo Aeroporto de Viracopos (SP).

Desde o fim de abril, o ministério recebeu mais de 8,3 milhões de doses da farmacêutica – dessas, 5,9 milhões já foram distribuídas para todos os estados e Distrito Federal. Um novo lote de vacinas da Pfizer será enviado ainda nesta semana para as Unidades Federativas.

O contrato junto à farmacêutica prevê um total de 100 milhões de doses até setembro. Outras 100 milhões de doses, fruto de uma segunda negociação, estão previstas para serem entregues entre setembro e dezembro, totalizando 200 milhões de doses da Pfizer apenas em 2021. O Ministério da Saúde já distribuiu mais de 110 milhões de doses de vacinas covid-19 para todo o Brasil. Mais de 80 milhões já foram aplicadas.

O desabastecimento e os aumentos dos preços dos insumos continuam sendo o principal desafio da indústria da construção. Para demonstrar o impacto da alta no setor, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) realizou reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na quinta (17). Apesar de o governo trabalhar com a possibilidade de promover uma redução global das alíquotas de importação, a CBIC solicitou um tratamento específico para o aço.

De acordo com o presidente da CBIC, José Carlos Martins, a entidade busca melhores condições de importação de diversos materiais. Além disso, pediu união do setor para gerar volume e garantir maior peso nas negociações. “Peço que vocês se reúnam com os sindicatos e entidades para agregar e juntar grupos para fazer importações com um volume de compra razoável de vários tipos de materiais. Vamos começar pelo aço que é emblemático, volumoso, caro e muito impactante no nosso produto final”, reiterou.

A alta no preço dos materiais de construção reflete na diminuição de lançamentos no setor imobiliário, resultando em queda na geração de emprego e renda no país. No mês de janeiro de 2021, a construção gerou mais de 44 mil empregos formais. Já no mês de abril, esse número caiu pela metade: foram abertos cerca de 22 mil postos de trabalho. Além disso, o aumento também prejudica o andamento das obras do programa federal Casa Verde e Amarela.

“A nossa força vai mostrar o que é mais importante para o Brasil: se são alguns aproveitarem disso [do aumento] ou se é a população poder ter mais casa. Quando eu subo os insumos da forma que estão subindo, eu estou dizendo que as pessoas terão menos casa, menos saneamento, menos infraestrutura, que nós combateríamos menos o Custo Brasil – porque infraestrutura é item básico. Ou seja, com o mesmo dinheiro farei menos fisicamente e isso é muito ruim para o Brasil inteiro”, disse o presidente da CBIC durante a live ‘Quintas da CBIC’ sobre ações conjuntas a respeito do aumento de materiais, que aconteceu nesta quinta-feira (17).

Martins ainda fez um apelo para que o setor trabalhe o assunto e mostre às comunidades locais o quanto o aumento é nocivo à vida dos brasileiros. “As pessoas ficarão sem casa, sem viaduto, sem creche, sem escola. Nós não devemos nos omitir em falar para todo mundo. Enquanto estivermos mobilizados, eu tenho certeza que a nossa chance de sucesso em nossas demandas é muito maior”, enfatizou.

O tema tratado tem interface com o projeto “Inovação e Tecnologia na Indústria da Construção“, da Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade (Comat) da CBIC, com correalização do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Nacional).

O Fundo Social de Solidariedade de São Caetano recebeu, na quinta (17), a doação de 430 cobertores e 432 pares de meias do Instituto GM. As doações foram recebidas pela secretária de Governo, Silvia de Campos; pela diretora do Fundo Social, Cida Rós, e pela assessora de Desenvolvimento Institucional, Lilian Cristina Fernandes.

As doações foram entregues por Soraya Morim, Fernanda Galucci e Sueli Carvalho, do Instituto GM, representando Sérgio Copetti, Gerente de Produção da GM. As meias serão encaminhadas às Instituições de Longa Permanência de Idosos da cidade e os cobertores doados às famílias cadastradas no Fundo Social, que serão atendidas com as doações da Campanha Inverno Solidário.

A Campanha Inverno Solidário 2021 iniciou, na segunda (14) e, assim, como foi feito no ano passado, por conta da pandemia serão recolhidos cobertores, mantas, edredons e roupas novas. Em 2020, a Campanha do Agasalho atendeu 7 mil famílias com a doação de cobertores, mantas e edredons. A expectativa para este ano é atender 9 mil famílias. As doações poderão ser feitas até o dia 13 de agosto, de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h, em seis locais:

 Fundo Social de Solidariedade - Rua Antônio Bento, 140, no Bairro Santa Paula (4228-8930);

Cras Gerty – Rua Nelly Pelegrino, 930, Bairro Nova Gerty;

Cras Fundação - Rua Heloísa Pamplona, 316, Bairro Fundação;

 Fundarte – Rua Visconde de Inhaúma, 730, Bairro Oswaldo Cruz;

 Prefeitura - Rua Eduardo Prado, 201, no Bairro Cerâmica;

 Câmara Municipal -Avenida Goiás, 600, no Bairro Santo Antônio.

A deputada estadual Carla Morando (PSDB) garantiu, na quinta (17), junto ao Governo do Estado de São Paulo, a construção de uma nova estação de trem em Rio Grande da Serra. A conquista é o maior investimento da história da cidade e a população sonha com o projeto há 57 anos.

A nova plataforma de transporte vai interligar os ônibus municipais à Estação Rio Grande da Serra (Linha 10 -Turquesa) da Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos – CPTM. Além de melhorar o transporte, o terminal de ônibus irá ligar os dois pontos da cidade, beneficiando 50 mil moradores. Um investimento de R$ 47 milhões.

“Mais de 80% dos moradores utilizam transporte público. Infelizmente, não temos uma estrutura apropriada para acolher os passageiros. Em dias de chuva, eles chegam a ficar na chuva aguardando pelo transporte. Não consigo mensurar o quanto eu estou feliz”, destacou o prefeito Claudinho da Geladeira.

“Estou feliz em saber que em breve a cidade não será mais dividida por uma cancela e que os motoristas não terão que ficar mais de uma hora estacionados, esperando o trem passar e a cancela abrir. Uma grande conquista ao povo de Rio Grande”, comemorou Carla Morando.

O anúncio foi oficializado em uma reunião no Palácio dos Bandeirantes, com a presença do vice-governador, Rodrigo Garcia, o secretário de Transportes Metropolitanos do Estado, Alexandre Baldy, o secretário executivo de governo, Edvaldo Guerra, secretário adjunto de gabinete, Ronaldo Venâncio, e o presidente do PSDB da cidade, Carlos José Duarte. A obra terá duração de até 90 dias.

A Prefeitura de Santo André, por meio do Banco de Alimentos do Fundo Social de Solidariedade, e o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) iniciaram, na quinta (17), as trocas do programa Moeda Verde junto ao núcleo Lamartine, no Jardim Santo André. A ação é parte da programação especial do Junho Verde e contou com a presença do prefeito Paulo Serra, da primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Ana Carolina Barreto Serra, do vice-prefeito, Luiz Zacarias, e do superintendente do Semasa, Gilvan Junior.

"Estamos hoje atendendo uma reivindicação antiga do Jardim Santo André. Iniciativas como o Moeda Verde permitem não só trazer dignidade, mas também trocar o lixo reciclável. O programa permite dar destinação correta aos resíduos e ainda levar alimento de qualidade para as pessoas", afirmou a primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Ana Carolina Barreto Serra.

Na estreia na nova comunidade, que é a décima sexta a integrar o programa, a população entregou 287,7 quilos de resíduos recicláveis e, em troca, foram distribuídos 57,5 quilos de tomate, batata-doce, melão e limão, além de alface e catalônia. No local, a expectativa do Semasa é impactar aproximadamente quatro mil pessoas.

A dona de casa Maria Aparecida Lopes, de 53 anos, e que há 19 reside na comunidade do Jardim Santo André, conta que incentivou os vizinhos e amigos para participarem desta primeira troca. “É uma iniciativa muito importante, porque deixa a cidade limpa e ajuda as pessoas aqui da comunidade. É uma coisa que a gente joga fora (o lixo) e se podemos trocar por comida, isso é muito bom porque não está fácil pra ninguém”, comenta.

A iniciativa andreense, lançada em 2017, tem a perspectiva de chegar a outros cinco núcleos da cidade, como Maurício de Medeiros e Haras (Chácara Baronesa). Além disso, o formato do programa e seus objetivos estão integrados às premissas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas e que faz parte do compromisso municipal pelas Cidades Sustentáveis. “O Moeda Verde em novas comunidades é parte importante do Plano de Metas municipal e queremos chegar a 30 comunidades até o fim de 2024”, explica o superintendente do Semasa, Gilvan Junior.

O Moeda Verde também já ajudou a transformar a paisagem urbana de alguns núcleos. Locais que antes eram pontos de descarte irregular de lixo foram revitalizados e ganharam novos usos, como pequenas praças e áreas de estacionamento. Foram cinco pontos de descarte eliminados, o que garantiu uma economia de aproximadamente R$ 2 milhões aos cofres públicos. Além disso, foi viabilizada a construção de três novas Estações de Coleta: Utinga, Jardim Irene e Tamarutaca.


Pagina 1 de 1215

Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu