21 Sep 2018

A Prefeitura de Ribeirão Pires, por meio da Secretaria de Saúde e Higiene, promoveu, entre 4 e 27 de agosto, a Campanha de Vacinação Antirrábica. No período, foram imunizados 7.476 animais, sendo 6.089 cães (41,53% da meta) e 1.387 gatos (86,9%). Mais de 60 pontos da cidade receberam equipes do Centro de Controle de Zoonoses para a aplicação de doses na campanha desse ano.

“Os profissionais do Centro de Controle de Zoonoses programaram a vacinação em diferentes regiões da cidade para garantir a adesão dos moradores à Campanha, que gratuitamente garante a imunização de cães e gatos contra a raiva. É fundamental que os proprietários dos animais busquem informações e levem os bichinhos para vacinar. Essa é uma questão de saúde pública, além de um gesto de responsabilidade”, explicou a secretária de Saúde e Higiene de Ribeirão Pires, Patrícia Freitas.

Após o período da campanha, os moradores podem levar seus cães e gatos para receber a vacina no Centro de Controle de Zoonoses, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h (Rua Catharia Rios Giachelo, 185 – Centro).

As dezesseis marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, com licenciamento de 3.801 unidades, anotaram em agosto alta de 22,6% em relação a julho último, quando foram vendidas 3.101 unidades importadas. Ante igual período de 2017, o resultado de agosto é 34,7% maior. Foram 3.801 unidades contra 2.821 veículos emplacados em agosto do ano passado.

No acumulado, as associadas à Abeifa anotaram 24.850 unidades importadas licenciadas, alta de 32% em relação às 18.822 unidades emplacadas de janeiro a agosto de 2017.

“Foi o melhor desde dezembro de 2015, mas com muito sacrifício para todos os importadores. Todos tiveram de segurar preços promocionais mesmo com o dólar no patamar de R$ 4,10. No último quadrimestre do ano, vamos tentar manter vendas mensais de 3,8 mil unidades mas, a permanecer com o dólar acima dos R$ 4,00, dificilmente conseguiremos alcançar sequer a nossa meta do ano de 40 mil unidades”, explica José Luiz Gandini, presidente da Abeifa.

Para Gandini, “depois da greve dos caminhoneiros e da Copa do Mundo que, de alguma forma, influenciaram o comportamento de vendas em maio e junho, a falta de confiança do consumidor ainda persiste. E agora com um componente a mais: a eleição presidencial. De qualquer maneira, já houve uma pequena reação em julho e em agosto, o que sinaliza um segundo semestre melhor. Torcemos por um cenário eleitoral mais consistente e, com isso, que melhore o comportamento da moeda norte-americana em relação ao real”.

As cinco marcas que mais venderam, de janeiro a agosto de 2018, foram a Kia Motors (7.963 unidades / +43,2%), Volvo (4.051 / +85,2%), Jac Motors (2.865 / +29,1%), BMW (1.842 / +34,2%) e Suzuki (1.725 / +1,5%). No mês de agosto, Kia Motors (1.064 / +32,3%), Volvo (777 / +28,1%), Jac (363 / +21%), BMW (291 / +40,6) e Suzuki (264 / -1,5%) formam o quadro das cinco marcas que mais licenciaram.

Participações – Em agosto último, o total de 3.801 unidades importadas da Abeifa significou 1,59% do mercado interno, que emplacou 239.245 automóveis e comerciais leves. Se considerado somente a importação total, as associadas à Abeifa responderam por 12,7% (do total de 29.874 unidades importadas).

Em outro cenário, de produtos nacionais fabricados por afiliadas à entidade mais o volume importado, as 16 empresas licenciaram 6.180 unidades licenciadas em agosto. Com esse total, a participação das associadas à Abeifa subiu para 2,58% do mercado interno de autos e comerciais leves (239.245 unidades).

Produção local – Entre as associadas à Abeifa, que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover e Suzuki fecharam o mês de agosto com 2.379 unidades emplacadas, total que representou alta de 28,5% em relação a julho de 2018. Comparado a agosto do ano passado, a alta é de 21,8%, quando foram emplacadas 1.953 unidades nacionais.

No acumulado do ano, a BMW cresceu 10,8% ( 5.510 unidades em 2018 ante 4.971 unidades em 2017), a CAOA Chery aumentou sua produção em 85,2% (4.041 unidades em 2018 ante 2.182), a Land Rover obteve alta de 8,2% ( 3.286 x 3.037 unidades) e a Suzuki, 22,7%, com. 1.471 unidades este contra 1.199 unidades no ano passado.

No mês de agosto, as marcas que mais venderam, de produção nacional, foram a CAOA Chery (1.050 / +44,4%), BMW (836 / +23,5%), Land Rover (283 / +5,2%) e Suzuki (210 / + 18%).

A Prefeitura de Mauá tem realizado limpeza e manutenção do piscinão para combater as enchentes nos períodos mais chuvosos. Iniciado na semana passada, o trabalho é uma parceria entre a Prefeitura e o DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), autarquia da Secretaria de Recursos Hídricos, Saneamento e Obras do Estado de São Paulo, sob a supervisão da SSU (Secretaria de Serviços Urbanos) de Mauá. A previsão é de que o serviço seja concluído em um prazo de 40 dias.

Aproximadamente 2.500 toneladas de resíduos devem ser retiradas do local, o equivalente a 100 caminhões. O reservatório tem capacidade para armazenar 136 mil m³ de água.

Santo André bateu a meta do Ideb (Índice de Educação Básica) estabelecida pelo Ministério da Educação (MEC) para o ano de 2017 e ficou acima da média nacional. A cidade ficou com índice de 6,4 no ano passado, sendo que a meta estabelecida para a cidade é de 6,3. A média nacional do Ideb foi de 5,8. Em 2015, data do último levantamento, Santo André havia ficado com 6,2.

O índice, calculado a cada dois anos e divulgado no início desta semana, é muito aguardado não só pelos profissionais da Educação, mas por toda a sociedade, por indicar como anda a qualidade do ensino nas escolas do País, seja nas salas de Ensino Fundamental ou Médio.

"Uma das principais metas que estabelecemos desde o início da gestão é a de melhorar a Educação da cidade, desde a estrutura, até o ensino final. Este resultado mostra que estamos atingindo os objetivos, mesmo com todas as dificuldades. Vamos continuar buscando melhorias para crescer ainda mais", disse o prefeito Paulo Serra.

Já a secretária de Educação, Dinah Zekcer, crê que o bom momento se deve muito aos programas implementados na gestão. “Esse resultado mostra que estamos no caminho certo, já que aponta o reflexo positivo de diversas ações que desde 2017, quando assumimos esta gestão, estão sendo implementadas nas escolas municipais. Um destes programas é o Mais Saber, que possibilita a 1,7 mil crianças permanecerem duas horas diárias a mais na escola, além programa de Ações Complementares, que oferece atividades de esportes e de artes no contraturno escolar nos 12 Cesas (Centros Educacionais de Santo André) em mais de 20 modalidades", comentou.

Parcerias com universidades, como a realizada com a UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e a UFABC (Universidade Federal do ABC), para aplicação do projeto Alfatec, que utiliza a tecnologia, por meio de um software para auxiliar a alfabetização dos alunos com ritmo diferenciado de aprendizado. Outro programa é o MindLAb (mente inovadora) que ajuda os estudantes, por meio de jogos de raciocínio, a desenvolverem o controle das emoções. Outras ações importantes passam pela distribuição de uniforme e merenda de qualidade, que atuam sobre a auto-estima e estimulam a vontade de ir à escola. “Não podemos deixar de falar sobre o trabalho realizado pelos professores e pelas equipes gestoras das escolas. Temos muito orgulho dos educadores pelo empenho e dedicação aos alunos, já que sem o esforço desses profissionais esse resultado não seria atingido“, completou a secretária.

A rede municipal de ensino de Santo André atende atualmente 17.150 alunos no Ensino Fundamental I – referente ao período entre o 1º e o 5º -, matriculados em 51 Emeiefs (Escolas Municipais de Educação Infantil e Ensino Fundamental). Para a definição do índice, o MEC analisou as médias de desempenho de 3,6 mil alunos das escolas municipais.

Maior evolução – A Emeief Ayrton Senna da Sílva, no Jardim Cecília Maria, está entre as três escolas que apresentaram maior avanço no índice em um período de dez anos. A unidade passou de 1,5 em 2007, para 6,1 em 2017. A escola atende cerca de 140 alunos no Ensino Fundamental, além de 80 na Educação Infantil. Segundo a diretora, Ana Luiza Lorenzine, o resultado apontado no Ideb é fruto de muito trabalho de toda a equipe. “Além disso, a escola tem um cronograma que possibilita a realização de atividades fora da sala de aula, como aulas de matemática no pátio e horta educativa, sem contar a participação da comunidade na rotina da escola, o que é fundamental”, definiu.

Ao contrário de algumas democracias mais desenvolvidas, como Estados Unidos e França, o Brasil não consolidou uma cultura de realização de eventos com os seus candidatos ao Senado. Procurando preencher essa lacuna, mais uma vez a Seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil abre as portas para os candidatos pelo Estado ao Senado Federal apresentarem suas ideias. Eles serão recebidos, pelo presidente Marcos da Costa (foto), na segunda (10) e terça (11), entre às 9h e 18h, na sede institucional da entidade no centro da capital paulistana.

Os 18 candidatos terão 20 minutos para apresentar suas plataformas políticas. Na ocasião serão convidados a assinar o Termo de Compromisso de Candidato – Eleições Limpas 2018, contribuição da instituição em forma de manifesto, que lista dez princípios éticos. “A iniciativa está em linha com uma bandeira histórica da Ordem, que é o fortalecimento da cidadania. Assumimos o papel de cobrar dos candidatos que as eleições transcorram da forma mais transparente possível”, pontua Marcos da Costa, presidente da Secional paulista da Ordem.

O documento foi elaborado após troca de ideias entre Comissões da instituição voltadas para a ética e a área eleitoral, posteriormente consolidados pela presidência da Ordem em São Paulo, com a intenção de colaborar para que a escolha dos representantes transcorra num ambiente movido por campanha transparente, obedecendo os princípios da Lei Eleitoral, da Constituição e do Estado Democrático de Direito.

Haverá transmissão on-line nas plataformas de comunicação da Secional da Ordem para quem quiser acompanhar as apresentações e se inteirar das propostas dos candidatos:  https://www.youtu be.com/watch?v=TMfjEOhl_ek

 

 

Candidato

Partido

Antônio Neto

PDT

Daniel Tojeira Cara

PSOL

Diogo da Luz

NOVO          

Eduardo Suplicy

PT

Eliana Lucia Ferreira

PSTU

Jilmar Tatto

PT

José Ricardo Alvarenga Tripoli

PSDB

Luiz Carlos Prates (Mancha)

PSTU 

Mara Gabrilli

PSDB

Marcelo Barbieri

MDB

Maria Aparecida Pinto (Cidinha)

MDB

Mário Covas Neto

PODEMOS

Major Olímpio

PSL

Maurren Maggi     

PSB

Moira Lazaro da Silva

REDE

Nivaldo Orlandi

PCO

Pedro Henrique de Cristo

REDE

Silvia Andrea Ferraro

PSOL

Mais de 20 milhões de adolescentes brasileiros devem buscar os postos de saúde para receber a vacina HPV. A convocação é do Ministério da Saúde, que lançou, na terça (4), uma Campanha Publicitária de Mobilização e Comunicação para a Vacinação do Adolescente contra a doença. A expectativa é de vacinar 9,7 milhões de meninas de 9 a 14 anos e 10,8 milhões de meninos de 11 a 14 anos. Para garantir a vacinação deste público, o Ministério da Saúde investiu R$ 567 milhões na aquisição de 14 milhões de vacinas. A vacina HPV é eficaz e protege contra vários tipos de cânceres em mulheres e homens.

Desde a incorporação da vacina HPV no Calendário Nacional de Vacinação, 4 milhões de meninas de 9 a 14 anos procuraram as unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) para completar o esquema com a segunda dose, totalizando 41,8% das crianças a serem vacinadas. Com a primeira dose, foram imunizadas 4 milhões de meninas nesta mesma faixa, o que corresponde a 63,4%. “É importante alertar que cobertura vacinal só está completa com as duas doses, por isso quem tomou a primeira dose deve voltar aos postos após seis meses”, explicou a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

CAMPANHA HPV

Com o slogan “Não perca a nova temporada de Vacinação contra o HPV”, a campanha publicitária envolve várias peças e será veiculada no período de 4 a 28 de setembro. O filme mistura imagens reais e animação e traz dois jovens, um menino e uma menina, fugindo de um vírus em um cenário com inspiração nos seriados famosos que são de identificação do público jovem e dos pais. A fuga termina no momento em que os jovens entram em uma unidade de saúde e se vacinam.

Trata-se de uma campanha publicitária para mobilizar a população. A vacina contra o HPV faz parte do calendário de rotina disponível nas unidades do SUS, lembra Carla Domingues. “A campanha é importante para lembrar as pessoas sobre a necessidade da vacinação, esclarecendo o que é mito e boato, e informações verdadeiras, baseadas em estudos científicos”, observou a coordenadora.

HPV NO BRASIL

Segundo estudo realizado pelo projeto POP-Brasil em 2017, a prevalência estimada do HPV no Brasil é de 54,3 %. O estudo entrevistou 7.586 pessoas nas capitais do país. Os dados da pesquisa mostram que 37,6 % dos participantes apresentaram HPV de alto risco para o desenvolvimento de câncer.

O estudo indica ainda que 16,1% dos jovens tem uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) prévia ou apresentaram resultado positivo no teste rápido para HIV ou sífilis. Os dados finais deste projeto serão disponibilizados no relatório a ser apresentado ao Ministério da Saúde até o final do ano.

O projeto POP-Brasil é uma parceria do Ministério da Saúde, o Hospital Moinhos de Vento (RS), a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Universidade de São Paulo (Faculdade de Medicina (FMUSP) – Centro de Investigação Translacional em Oncologia), Grupo Hospitalar Conceição (GHC), Secretarias Municipais de Saúde das capitais brasileiras e Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

Estudos internacionais também apontam o impacto da vacinação na redução do HPV. Nos EUA, dados mostram uma diminuição de 88% nas taxas de infeção oral por HPV. Na Austrália, redução da prevalência de HPV de 22.7% (2005) para 1.5% (2015) entre mulheres de 18–24 anos. Outro estudo internacional mostra que nos EUA, México e Brasil entre homens de 18 a 70 anos: brasileiros (72%) têm mais infecção por HPV que os mexicanos (62%) e norte-americanos (61%).

CÂNCER

A vacina HPV previne vários tipos de cânceres contribuindo com a redução da incidência de cânceres nas mulheres e homens. No mundo, dos 2,2 milhões de tumores provocados por vírus e outros agentes infecciosos, 640 mil são causados pelo HPV. A vacina utilizada no país previne 70% cânceres do colo útero, 90% câncer anal, 63% do câncer de pênis, 70% dos cânceres de vagina, 72% dos cânceres de orofaringe e 90% das verrugas genitais. Além disso, as vacinas HPV protegem contra o pré-câncer cervical em mulheres de 15 a 26 anos, associadas ao HPV16 /18.  As vacinas é segura e não aumenta o risco de eventos adversos graves, aborto ou interrupção da gravidez.

VACINAÇÃO NAS ESCOLAS

O Ministério da Saúde enviou ao Ministério da Educação material informativo sobre as doenças. A ideia é estimular os professores a conversem com os alunos e familiares sobre o tema. O Brasil é o primeiro país da América do Sul e o sétimo do mundo a oferecer a vacina HPV para meninos em programas nacionais de imunizações. “A participação das escolas é imprescindível para reforçar a adesão dos jovens à vacinação e, consequentemente atingir o objetivo de redução futura do câncer de colo de útero, terceiro tipo de câncer mais comum em mulheres e a quarta causa de óbito por câncer no país”, completou Carla Domingues.


Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu