28 Nov 2021

Publicado em Editorial
Avalie este item
(0 votos)

No final de maio último, os prefeitos do ABC, por meio do Consórcio Intermunicipal, haviam encaminhado, ao governador João Doria, um pedido de reclassificação da região, para o início da reabertura do comércio. Na ocasião, Doria não cedeu às pressões, afirmando que os prefeitos não iriam “transformar a reabertura em celebração, em uma festa da reabertura”.
O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, chegou a comentar, em uma de suas lives, sobre a decisão do governador. “O município vai seguir a ciência e que a ciência siga São Bernardo também. Se é para abrir a Capital, abra o ABC também. Não queremos pessoas de São Paulo vindo infectar o nosso ABC e, nem que os moradores do ABC vão para a Capital se infectar. Se o governador abrir a Capital, vamos abrir em São Bernardo, mesmo sem ele deixar”, disse. O prefeito de Santo André, Paulo Serra, acompanhou Morando: “pouco importa se o governador anunciar ou não a flexibilização para o ABC. Já estamos preparados para a fase laranja. Foi uma grande injustiça com a nossa região. Temos índices bem melhores que a Capital. Independente da avaliação do Governo do Estado, dos critérios científicos, temos os nosso planejamento, Santo André tem índices para reabrir e vamos reabrir em 15 de junho”, enfatizou. Apenas o prefeito José Auricchio, de São Caetano, em tom mais sereno, avaliou: “frente a indicadores de outros municípios do ABC, devemos ser prudentes. Faço coro a essa prudência de ainda não liberar a região para a fase 2 (laranja)”, disse. Pouco tempo depois, o ABC foi reclassificado e, iniciou a reabertura do comércio no dia 15 de junho último.
Porém, toda essa preocupação, esse discurso dos prefeitos, de que a reabertura na região, deveria acontecer alinhada, ou seja, ao mesmo tempo em que a Capital, por conta da proximidade e do alto risco do ABC receber pessoas infectadas, caso fosse feita a reabertura de algum setor antecipadamente nesses municípios e não em São Paulo, caiu por terra.
No último dia 3 de julho, o Estado anunciou a reclassificação do ABC, para a fase 3 (amarela). Então, foi liberada a reabertura de bares, restaurantes, salões de beleza, com restrições. E, ate academias e parques, que antes só estavam previstos para a fase 4 (verde), além de cinemas, museus, bibliotecas, teatros, salas de espetáculos, também, todos, com restrições.
Com isso, os prefeitos não mais se preocuparam com o risco de infecção de visitantes da Capital e, estenderam horários de funcionamentos de parques e bares, por exemplo, em horários maiores do que na Capital.
Enquanto que em São Paulo foi liberado o funcionamento dos parques apenas de segundas às sextas-feiras, das 10h às 16h, com exceção do Parque Ibirapuera, das 6h às 16h; em São Bernardo, Morando liberou o funcionamento dos cinco principais parques do município, das 6h às 22h. Já em Santo André, Serra liberou o funcionamento dos bares, diariamente, até às 23h30. Foi o único município do Estado de São Paulo a permitir que esses estabelecimentos tenham horário de funcionamento até tarde da noite. Na Capital, por exemplo, o limite de horário é até às 17h.
A mudança repentina de avaliações e condutas por parte dos prefeitos acabou deixando muitas pessoas sem entender. Afinal, a pandemia já estaria mesmo sob controle? Ou, seria estaria a proximidade das eleições, falando mais alto? Vale lembrar que no início da reabertura, no dia 15 de junho, os sete municípios contabilizaram, ao todo, 14.995 casos confirmados e 884 óbitos. Um mês depois, no dia 15 de julho, a região já chegou a marca dos 32.348 casos e 1.454 mortes, segundo dados do Governo do Estado.

Folha Do ABC

A FOLHA DO ABC traz o melhor conteúdo noticioso, sempre colocando o ABC em 1º lugar. É o jornal de maior credibilidade da região
Nossa publicação traz uma cobertura completa de tudo o que acontece na região do ABCDM.

Mais nesta categoria: São Caetano, 143 anos »

Main Menu

Main Menu