14 Apr 2021


Um ano de pandemia: varejo apresenta queda de 14,2%

Publicado em Negócios
Avalie este item
(0 votos)

De março de 2020 até fevereiro deste ano, o varejo paulista sofreu uma queda de 14,2% nas vendas, de acordo com a FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo). O balanço realizado pela entidade, com a participação das principais CDLs do Estado de São Paulo, aponta que a instabilidade do plano São Paulo, a falta de um planejamento seguro em apoio aos lojistas e a insegurança do consumidor contribuíram, significativamente, para o cenário.

As fases mais restritivas do plano São Paulo determinam a redução no horário de funcionamento e capacidade do local, e até o fechamento total das lojas. Para os empresários, manter o volume de vendas mesmo de portas fechadas é um dos principais desafios apresentados pela pandemia de Covid-19, segundo o balanço da FCDLESP. O reflexo deste cenário está no setor de serviços, segundo os comerciantes. Cerca de 57% dos respondentes afirmam que o setor foi o mais prejudicado com as medidas adotadas em São Paulo. “Acreditamos que o fechamento total das lojas, sem apoio financeiro, não é a melhor solução. É essencial que os estabelecimentos reforcem as medidas sanitárias para o combate da pandemia de Covid-19, mas os pequenos e médios empresários devem ter apoio por parte do governo estadual”, alerta o presidente da FCDLESP, Maurício Stainoff (foto)

Em 2020, os lojistas apontam que o Dia das Mães  foi a data sazonal que mais contribuiu para o declínio do percentual de vendas, conforme apontam as CDLs da região metropolitana da cidade, interior e litoral. Em paralelo ao cenário negativo das vendas, segundo a mesma pesquisa, o Natal foi a principal data que colaborou para o equilíbrio do setor varejista. “A flexibilização em fases foi de extrema importância para um cenário otimista. Com os estabelecimentos abertos, as datas comemorativas voltam a apresentar um bom desempenho de vendas”, explica Stainoff.

Medidas essenciais

Para 92,8% dos lojistas, o auxílio emergencial ajudou o setor varejista a se manter minimamente ativo nos últimos 12 meses. De acordo com a pesquisa da FCDLESP, os empresários acreditam que o benefício movimenta a economia e favorece o consumo.

Além do auxílio emergencial, como medida para manter estabelecimentos, o governo estadual lançou o programa pacote emergencial - liberação de crédito para bares e restaurantes. Cerca de 78,6% dos respondentes da pesquisa afirmam que o valor disponibilizado não é o suficiente para ajudar o setor e deveria ser liberado para as demais áreas do varejo.

Como forma de manter parte dos lucros, muitos estabelecimentos adotaram o modo de venda no ambiente digital. O resultado deste processo foi a alta demanda do e-commerce. Os empresários acreditam que com o comércio fechado, os consumidores optaram por realizar as compras de modo online. “Vendas em lojas físicas são de extrema importância, mas o varejo online ajuda a minimizar os impactos negativos”, aponta o presidente da FCDLESP.

Para um cenário positivo nas vendas de 2021, os comerciantes consideram que os donos dos estabelecimentos devem oferecer entrega de produtos a domicílio e mais flexibilização nas formas de pagamento. Além disso, segundo os dados da mesma pesquisa, é essencial investir na fidelização do cliente e oferecer atendimento exclusivo.

“Com a fragilidade das medidas adotadas em São Paulo, os empresários devem fortalecer o seu negócio nos canais digitais, desta forma, poderemos minimizar os impactos negativos. Esperamos que, com a vacinação, haja um avanço no volume de vendas para, então, terminarmos 2021 com boas perspectivas”, finaliza Maurício. A pesquisa foi realizada com a participação das principais CDLs do Estado de São Paulo.

Folha Do ABC

A FOLHA DO ABC traz o melhor conteúdo noticioso, sempre colocando o ABC em 1º lugar. É o jornal de maior credibilidade da região
Nossa publicação traz uma cobertura completa de tudo o que acontece na região do ABCDM.

Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu