20 Apr 2024


Central de Transplantes do Estado tem aumento de mais de 10% na doação de órgãos

Publicado em Saúde
Avalie este item
(0 votos)

Hércules Ferrari, de 60 anos, entrou na fila de espera em uma sexta-feira. Três dias depois, recebeu a ligação informando que havia um doador compatível e que a cirurgia seria possível.

Hércules foi diagnosticado com hepatite subaguda pós-medicamentosa e informado de que seria necessário o transplante de fígado.

Vidas como a de Hércules são salvas graças à boa vontade de doadores e de suas famílias. A Central de Transplantes contabilizou um crescimento de mais de 10% na taxa de doadores de órgãos nos primeiros oito meses de 2023 em relação ao ano anterior. Houve aumento também nos registros de transplantados nos últimos cinco anos.

“Tive a oportunidade de receber uma doação. Um ato de amor extremo, de uma família que resolveu doar num momento de dor. Eu acredito que não existe amor maior ao próximo”, contou.

A grandeza desse ato permitiu que Hércules realizasse seu sonho de participar do crescimento do seu neto Vicente. “Tinha alguns sonhos e algumas vontades e um deles era ver e ouvir o Vicente andar e falar”, afirmou. “Hoje, eu tenho a oportunidade de caminhar e correr com meu neto”.

Como funciona a doação?

A Central de Transplantes segue normas estabelecidas por lei para identificar os possíveis receptores para cada órgão de um doador, ou seja, tipagem sanguínea, dados antropométricos entre doador e receptor, compatibilidade genética, além da priorização para pacientes em estado grave.

Quanto aos pacientes que precisam do transplante, cabe à equipe de transplante a sua inscrição junto ao Sistema Estadual de Transplantes de São Paulo, que é responsável por realizar a gestão de todo o processo de doação e transplante em conjunto com o Sistema Nacional de Transplantes. Para se inscrever, acesse: http://saude.sp.gov.br/ses/perfil/cidadao/homepage/acesso-rapido/lista-de-espera-para-transplantes

Foram realizados mais de 5 mil procedimentos em todo o Estado de São Paulo no primeiro semestre de 2023, como transplantes de coração, fígado, pâncreas, pulmão rins e córneas. Mas a taxa de recusa familiar para a doação ainda se mantém em 38%.

A orientação do SUS para aqueles que querem ser doadores é comunicar a família- a autorização é essencial para a doação de órgãos. Por isso, os parentes devem estar previamente cientes desse desejo.

No caso da doação em vida e seguindo as diretrizes do SUS, aqueles que não possuem nenhum problema de saúde e seguem as diretrizes do SUS podem ser doadores. Nesse caso, é possível fazer a doação de rins, parte de fígado, pulmão e medula óssea.

 

Folha Do ABC

A FOLHA DO ABC traz o melhor conteúdo noticioso, sempre colocando o ABC em 1º lugar. É o jornal de maior credibilidade da região
Nossa publicação traz uma cobertura completa de tudo o que acontece na região do ABCDM.

Main Menu

Main Menu