28 Sep 2020

O pré-candidato a prefeito de Mauá, Juiz João Veríssimo recebeu o apoio do deputado federal Alex Manente (Cidadania) em evento com os pré-candidatos a vereador do partido, na quinta (3). "Só tenho a agradecer por esta noite. Aqui oficializamos um novo passo por Mauá e um passo dado coletivamente. Estamos juntos porque acreditamos que Mauá pode e precisa mudar”, afirma Juiz João.

Na última semana,o também pré-candidato Luizão da Comunidade (Cidadania) já havia realizado aliança com João.“Quando o Luizão abriu mão de sua própria pré-candidatura, ele abriu mão com muita consciência para unir forças a um projeto maior por Mauá. Mauá é uma cidade forte e estamos aqui com todas nossas forças. Sou soldado dessa candidatura porque Mauá vive os piores momentos da sua história, precisa de mudança”, destaca Manente.

Luizão reforçou seu apoio. “Eu ou o João sozinhos não somos capazes de fazer o que nossa cidade precisa, mas sei que juntos somos mais fortes e que juntos conseguimos levar a voz de vocês e da democracia para que Mauá deixe de ser tão mal retratada como tem sido nos últimos anos e nas últimas gestões. Firmamos aqui nossa aliança pelo futuro de Mauá”, declara Luizão.

O evento contou ainda com a presença do vereador Melão (Cidadania) e o presidente municipal do partido, José Soares. A sigla é a quarta a aderir o projeto de Juiz João, que já tinha somados os partidos PSD, Podemos e PSC.

Estão abertas as inscrições para o programa que seleciona profissionais para participarem de projetos de inovação do Sebrae-SP em pequenas empresas. Serão escolhidos 300 profissionais para atuação como Agentes Locais de Inovação (ALI) em todo o Estado de São Paulo. No ABC serão oferecidas 12 vagas.

O ALI é um bolsista capacitado pelo Sebrae-SP com o objetivo de ser um facilitador da gestão de inovação nos pequenos negócios, identificando necessidades e buscando soluções de acordo com as demandas de cada empresa. Os selecionados irão atuar por um período de 24 meses, a partir de novembro. O valor da remuneração é de R$ 4 mil mensais.

Para participar do processo seletivo é necessário que o candidato tenha concluído curso superior em qualquer área há, no máximo, dez anos, tenha experiência em inovação ou em pequenas empresas, além de disponibilidade em tempo integral. As inscrições devem ser feitas até 10 de setembro em http://www.bit.ly/sejaali

A rede de supermercados Nagumo inaugurou, na sexta (4), sua terceira unidade em Santo André, no bairro Camilópolis. A empresa realizou investimento de cerca de R$ 50 milhões e gerou aproximadamente 300 empregos diretos.

A nova loja foi instalada no antigo prédio da concessionária de veículos Utivesa. Ao todo, a rede Nagumo possui 51 unidades espalhadas pelo Brasil, sendo três no ABC, todas em Santo André. De acordo com o sócio-diretor da Nagumo, Thiago Nagumo, foi perceptível o avanço da cidade na facilitação para a abertura de novas empresas.

“Estamos aqui desde 2001 e posso falar que houve uma grande desburocratização na cidade. O processo está menos moroso. Estamos com expectativa muito boa nesta loja e provavelmente não vamos parar por aqui, provavelmente vamos inaugurar mais unidades na cidade e muito disso se deve pelo incentivo que a Prefeitura dá para o empresariado da região”, disse.

Segundo o secretário de Desenvolvimento e Geração de Emprego, Evandro Banzato, a inauguração durante o processo de migração do isolamento social para o distanciamento, é motivo de celebração por sinalizar a retomada da atividade econômica no município.

“É com muita alegria que comemoramos mais um investimento na cidade, mesmo durante esse período complicado que o mundo vive. Recentemente a NotreDame Intermédica foi inaugurada na cidade e a Havan anunciou sua instalação. Agora, temos orgulho do aporte de investimentos deste importante player de supermercados, trazendo aquilo que mais lutamos no nosso dia a dia, que é a atração de emprego e renda”, contou o secretário.

Com pioneirismo na digitalização integral dos serviços oferecidos pelo Departamento de Controle Urbano (DCUrb), a desburocratização tem sido um dos destaques da cidade. No último mês, a Prefeitura atingiu a marca de mil alvarás digitais aprovados, utilizando a ferramenta Acto.

Frei Betto, ainda

Avalie este item
(0 votos)

Na semana passada escrevi sobre o novo livro de Frei Betto e hoje volto a ele, pois que ali se faz uma leitura crítica da atual conjuntura brasileira, com base nas eleições de 2018. E pergunta: quais os recursos econômicos e tecnológicos monitorados por forças  tão conservadoras como as demonstradas por essa eleição. Quando Bolsonaro assumiu o governo, vindo de expressiva votação, todos achávamos que vinha para mudar pois, afinal os 54.000 votos que obteve indicavam trilhar esse caminho.Puro engano. Ele está mudando sim, para pior, na condução da política pelos estreitos caminhos de um direitismo que nos está levando a uma cada vez mais acentuada política num governo atabalhoado. Ele só não fechou as portas, ainda estreitas de uma democracia à sua moda, porque não lhe foi possível.  Mas se as forças que se lhe opõem descuidarem ele arromba as portas, mete os pés pelas mãos e chegará aonde pretende chegar: ao endurecimento do governo frente ao já cambaleante regime democrático que ele finge aceitar, mas tem agido em sentido oposto, pois os “gastos com os efeitos da destruição ambiental são muito superiores ao que se exige para preservar a biodiversidade”.  A destruição da Amazônia, que está em pleno andamento, lembra Frei Betto, que “a natureza viveu bilhões de anos sem a incômoda presença do ser humano. E pode voltar em breve”. Perdão, Frei, já voltou e com a mesma fúria de sempre dos implacáveis desmatadores, inimigos do Brasil e da Humanidade! Devastadores que estão dentro do governo, fingindo de defender essa grande riqueza da mata que a natureza colocou à nossa disposição.  Para que? Diz Frei Betto citando dados de pesquisa: “A natureza viveu bilhões de anos sem a incômoda presença do ser humano, pois ali se abrigam 2,5 milhões de espécies de insetos e mais de 2 mil aves e mamíferos, 40 mil espécies de plantas, 3 mil de peixes, 1.300 aves. 427 mamíferos, 428 anfíbios, 378 répteis. Um de quase cinco pássaros no mundo vive nas florestas tropicais da Amazônia. Os cientistas já descreveram entre 96.660 e 128.843 espécies de invertebrados, com uma diversidade de espécies de plantas como a mais rica da Terra; um quilômetro quadrado amazônico pode conter mais de mil tipos de árvores. Um estudo de 2.001 revela que um quilômetro quadrado de floresta equatoriana pode conter cerca de 90.790 toneladas métricas de plantas vivas. E, apesar disso tudo e muito mais, somos obrigados a ver na tela de nossos apare-lhos de TV e computadores centenas de árvores imensas abatidas todos os dias por moto-serras acionadas por infelizes operários de uma dezena de “proprietários “desse mundo selvagem colocado à disposição da sanha destruidora e impatriótica de ambições desmedidas. Quem poderá conter tanto desperdício a não ser nosso Governo? Parece que agora ele está sendo despertado de sua impatriótica letargia comandada por ambições que não são nossas, exatamente. São forças externas que se organizam para defender esse patrimônio da humanidade colocado em terras brasileiras.

05 de Setembro de 2020

Verde e pássaros

 Será que nenhum prefeito do ABC tem gosto pelo verdes e por pássaros? É rotineiro, ver muitos pés de arvores frondosas e sadias sendo cortadas com tanta frequência, mas a mesma rapidez não se vê no plantio de novas mudas. Árvores frutíferas estão sendo banidas. Os poucos pássaros que sobrevivem nas cidades se alimentam com algumas frutas em pés de amora, pitanga e acerola deixados de herança por outros prefeitos que passaram pela cidade.Temos algumas áreas lindas nos parques, só que, se observarmos, nenhuma têm árvores frutíferas.

 

Verde e pássaros II

Quem circular pelo Parque Ana Brandão, Santo André, irá se deparar com uma área linda de 40 mil m². O parque está abandonado, sem manutenção, brinquedos enferrujados, banheiros sem condições de uso. Árvores frutíferas, por lá, há somente alguns pés de coquinhos para festa dos pássaros, herança do ex-prefeito Newton da Costa Brandão.

 

Parque Central

 No Parque Central em Santo André, que poderia muito bem ser o Ibirapuera do ABC, tudo que há também foi deixado por outros prefeitos. A única grande conquista e investimento no parque aconteceu na administração do ex-prefeito Carlos Grana (PT), que foi a remoção da favela Gamboa, que era um anexo do Parque e causava pânico e perigo, devido a enorme quantidade de assaltos no pedaço e consumo de drogas.

 

Lançamento

Fabiano de Abreu, psicanalista e especialista em estudos da mente, lançou, mundialmente, o segundo livro de uma série que será lançado nos próximos meses na Amazon e no Google Books.O autor aborda desafios que as pessoas vêm enfrentado para se manter ativas e produtivas, neste período de confinamento e isolamento.

 

Cidade da Criança

Durante a última semana, o movimento em torno da Cidade da Criança e do Paço Municipal foi grande. Funcionários e dirigentes do complexo turístico realizaram protesto para que não fosse rescindido o contrato entre a empresa ExpoAqua, que administra o local, e a Prefeitura de São Bernardo. A Prefeitura cedeu e tudo voltou a funcionar, como nos últimos 10 anos. Com isso, todos ganham. Muita lucidez do apaziguador. O espaço, porém, permanece fechado por conta da pandemia.

 

Livro

Vale a pena ler dois livros com textos de memórias, são eles: ‘Dias Ensolarados no Paraíso’, da autora Brasília de Oliveira Lacerda Editora Chão, (R$ 41). O outro, ‘Páginas de Recordações’, autora Floriza Barbosa Ferraz, (R$ 59). Ambos são textos preciosos do Brasil, do final do século 19.

Em comemoração aos 467 anos de São Bernardo e os 112 anos da imigração japonesa, a comunidade nipo-brasileira, no sábado (29) de agosto, realizou plantio simbólico de 20 mudas, sendo 10 de cerejeiras (Japão) e 10 de pés de ipês (Brasil), o local escolhido foi próximo ao monumento em forma de navio, que foi projetado pela arquiteta Noely Satiko Yasuhara e representa o navio Kasato Maru, que desembarcou no porto de Santos com os primeiros imigrantes japoneses. O evento reuniu cerca de 50 pessoas ao ar livre seguindo o distanciamento social. Membros da colônia aproveitaram para restaurar a pintura do monumento, que estava com pichações. Também houve participação dos grupos de taikô Kiendaiko e Mizuho Wadaiko. Marcaram presença, o empresário José Uematsu, secretário de Desenvolvimento Econômico, Valter Moura e o vereador Hiroyuki Minami.


Avalie este item
(0 votos)
Avalie este item
(0 votos)
Avalie este item
(0 votos)

Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu