17 Nov 2019

Em mais uma ação de incentivo à prática de lazer na cidade, o prefeito de São Bernardo Orlando Morando inaugurou, no domingo (3), a 26ª Praça-Parque do município, na Vila Helena, na região do bairro Rudge Ramos. Batizada de Ramon Ramos, em homenagem ao vereador que durante anos viveu no bairro e teve papel fundamental no desenvolvimento da região, a Praça passou a ocupar área de 2.845 m², localizada na Rua Noel Rosa, que durante os últimos anos esteve abandonada.

Amparada na Lei Municipal 6.691/2018, criada pela atual gestão e que permite a Administração tomar posse de terrenos privados abandonados e com dívidas com o município, a Prefeitura transformou o espaço em ampla área de lazer para moradores, com infraestrutura completa, que dispõe de pista de caminhada, quadra esportiva, área de convívio, playground, espaço pet, iluminação e paisagismo. Ao todo, foram investidos R$ 425 mil na execução do projeto.

“Viemos aqui neste espaço há seis meses, época que tomamos posse do terreno, e constatamos um abandono total da área. Além de ser ponto irregular para estacionamento de caminhões, havia também caçamba de lixo neste terreno. Hoje, com a entrega desta Praça-Parque não tenho dúvida que devolvemos a tranquilidade para quem reside neste região, que passa agora a contar com um equipamento completo de lazer ”, destacou o chefe do Executivo ao lembrar ainda da vontade do vereador Ramon Ramos em dar uma utilização pública ao espaço. “Entregar esta Praça-Parque é honrar a memória Ramon e homenagear todo o seu trabalho em prol da cidade”.

LEI INOVADORA - Desde a aprovação da Lei, este é o segundo espaço recuperado pela atual gestão por meio da legislação proposta pela Poder Executivo e aprovada pela Câmara. Em julho, o prefeito Orlando Morando entregou uma nova e moderna base do Samu, entre as ruas Jurubatuba e Joaquim Nabuco. O equipamento ocupou espaço antes abandonado após o fechamento de um posto de combustível na região.

Moradora do bairro há 15 anos, Gisa Sousa de Almeida, 54, celebrou a inauguração do espaço e destacou a importância da lei para quem vive na cidade. “Além de acabar com um problema de anos, que era este terreno abandonado, a Prefeitura nos presenteou com uma Praça-Parque que será de extrema importância para todos os moradores do bairro”.

Além de vizinhos do novo equipamento, a cerimônia de entrega da Praça-Parque Ramon Ramos também contou com a participação do secretariado de São Bernardo e familiares do vereador.

RIACHO GRANDE – Ainda neste domingo, o prefeito Orlando Morando esteve presente no Riacho Grande para entregar a revitalização da praça em frente à Paróquia São João Batista.  As benfeitorias no local era uma demanda antiga da comunidade. O espaço recebeu melhorias na calcada, novo piso interno, manutenção de paisagismo e substituição de toda a iluminação. Ao todo, R$ 48 mil foram investidos no local.

Os buracos do ABC

Para dirigir pelas ruas do ABC é preciso muito mais que paciência para aguentar o trânsito, como sempre, cada vez pior, mesmo com as constantes intervenções realizadas pelas Prefeituras, é preciso muita habilidade para desviar dos incontáveis buracos espalhados, em sua maioria, por Santo André e São Bernardo.
Antigamente, quem sofria com o problema da falta de manutenção e recapeamento eram as regiões mais distantes, os bairros de periferia, afastados da grande parte da população, que muitas vezes ficavam esquecidos e só eram lembrados em período eleitoral. Atualmente, a situação está generalizada. Há buracos e verdadeiras crateras nas principais vias dos municípios. Também falta pintura para reforçar a sinalização viária, que está praticamente toda apagada. As piores vias são as  Av.Pereira Barreto, Av. Winston Churchill, Av.Wallace Simonsen, em São Bernardo; Av. Portugal, Rua Caminho do Pilar e Av. dos Estados, em Santo André.
O problema não é novidade. Há três anos, nas primeiras entrevistas realizadas por es-te jornal, com os recém empossados prefeitos do ABC, o problema foi anunciado. A resposta foi a mesma: “O ABC está sem investimento, há mais de 20 anos, na malha asfáltica, ela está praticamente inexistente. Só tapar os buracos não resolve nada. Logo mais surgem de novo e ainda maiores”, disseram Paulo Serra e Orlando Morando, em momentos distintos. Ainda alegaram que o município não possuía dinheiro suficiente para tamanho investimento.
Porém, até agora, ainda que tenham sido realizados investimentos, a sensação ao dirigir pela região central de Santo André e São Bernardo é de estar num verdadeiro rally dos sertões.
Em Santo André, a Prefeitura esclareceu que o ‘Rua Nova’ é o maior programa de recapeamento realizado em Santo André nos últimos 20 anos e já executou a recuperação de aproximadamente 40 km de asfalto em ruas do Jardim Alzira Franco, Cidade São Jorge, Bangu, Campestre, Jardim, Vila Alzira, Jardim do Estádio, Sítio dos Vianas, Centreville, Jardim Santa Cristina, Utinga, Parque Novo Oratório, Parque das Nações e região central. Até o momento foram investidos mais de R$ 35 milhões nas intervenções. Ainda no último mês, o município foi contemplado com mais recursos com a assinatura de um contrato de R$ 60 milhões com a Caixa Econômica Federal, por meio do Finisa (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento). Do total dos recursos, R$ 27 milhões serão direcionados para obras de recapeamento e o restante para outras obras de infraestrutura.
Em São Bernardo, a Prefeitura por meio da secretaria de Serviços Urbanos, informou que foram recapeados 66 km de vias na cidade desde 2017, por meio de um investimento de R$ 15 milhões. Entre os bairros contemplados estão: Jardim das Orquídeas, Terra Nova II, Jardim Marlene, Alvarenga e Jordanópolis. E ainda que “há projetos em andamento para beneficiar todos os bairros da cidade com o serviço”.
Resta saber se, com a proximidade do ano eleitoral, as intervenções irão se intensificar ou os serviços serão interrompidos. Enquanto isso, os moradores do ABC têm que se deslocar para cidades do interior paulista ou exterior, para se depararem com um asfalto normal nas ruas de uma cidade ou, aderirem de vez aos veículos modelos SUV para enfrentarem o pula-pula dos buracos.

Ressentimento
O americano Francis Fukuyama, cientista político e mentor de personalidades como a ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher e o ex-presidente americano Ronald Reagan, lançou recentemente mais uma obra, “Identidade: a Demanda por Dignidade e a Política do Ressentimento”, ainda sem previsão de lançamento no Brasil. Em entrevista à revista Veja, Fukuyama afirmou que a ascensão de líderes nacionalistas de direita como Trump está relacionada ao rancor de grupos que se consideram prejudicados pelo establishment.

Ressentimento I
O livro foi publicado em setembro do ano passado, mas, o cientista político afirmou que o presidente Jair Bolsonaro estaria na lista dos populistas que têm em comum o perigoso estilo de liderança que desmerece as instituições. “Bolsonaro é muito parecido com um europeu populista branco de direita, que se dirige a quem se sente desrespeitado. Bolsonaro também ataca as instituições para tentar deslegitimá-las, ataca a imprensa”, disse Fukuyama.

Esquerda
O presidente Jair Bolsonaro, em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, na quarta (30) de outubro, afirmou: “A esquerda está muito bem estruturada, a gente não vê a esquerda brigando entre si.” Porém o presidente não acredita, ainda, que a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sair da prisão possa fortalecer a esquerda: “A esquerda no Brasil está perante a opinião pública bastante desgastada. Afinal, a corrupção foi praticada de forma ampla, geral e irrestrita. A esquerda, no meu entendimento, não tem futuro no Brasil num curto espaço de tempo”, enfatizou.

Mobilização
Aliados do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), se mobilizaram para monitorar qualquer especulação que possa fragilizar sua candidatura à reeleição em 2020. A ideia é blindá-lo. Quando deixar o hospital, a intenção é que Bruno mantenha agendas externas, com inaugurações de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) e uma obra de asfalto por mês. Porém, ficará para o próximo ano, a grande parte das entregas.

Visita
Covas já recebeu visitas de diversos políticos. Estiveram no Sírio-Libanês, o governador João Doria, o presidente da Câmara Municipal, Eduardo Tuma e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. Do ABC, os colegas tucanos Orlando Morando e Paulo Serra ainda não confirmaram se irão visitá-lo.

Palestra
A Associação de Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil- ADVB e a Fundação Brasileira de Marketing- FBM promovem, na quarta (6), café da manhã com ciclo de palestras do Fórum de Temas Nacionais - 2019. Na ocasião, o ex-governador Geraldo Alckmin discorrerá sobre o tema: “Reforma Tributária”. O evento acontecerá das 8h30 às 10h30, no buffet Colonial, em Moema, São Paulo e é exclusivo para convidados.

Caso Celso
O empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, recentemente, em um depoimento ao Ministério Público de São Paulo, prestado no Departamento de Investigação de Homicídios de Minas Gerais, cujo conteúdo a revista Veja publicou algumas partes, declarou que Lula e outros petistas foram chantageados pelo empresário Ronan Maria Pinto, do jornal Diário do Grande ABC, de Santo André que ameaçava implicá-los na morte de Celso Daniel.

Caso Celso I
No depoimento ao MP, Valério repetiu que Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente Lula, convocou-o para uma reunião no Palácio do Planalto. No encontro, o anfitrião afirmou que o empresário Ronan Maria Pinto, que participava de um esquema de cobrança de propina na Prefeitura de Santo André, ameaçava envolver a cúpula do Planalto no caso da morte de Celso Daniel. “O Ronan está nos chantageando, a mim, ao presidente Lula e ao ministro José Dirceu, e preciso que você resolva”, teria dito Carvalho.

Caso Celso II
Valério ainda contou ao MP que Ronan Maria Pinto, quando exigiu dinheiro para ficar calado, declarou que não ia “pagar o pato sozinho” e que iria citar o presidente Lula como “mandante da morte” do prefeito de Santo André. Nas palavras de Valério, Ronan ia “apontá-lo como cabeça da morte de Celso Daniel”.

Caso Celso III
As investigações da Operação Lava-Jato já confirmaram metade da história narrada por Marcos Valério. Ronan Maria Pinto já foi condenado pelo juiz Sergio Moro por crime de corrupção e está preso. Valério revelou ainda que dos R$ 12 milhões emprestados pelo banco, R$ 6 milhões foram para Ronan e a outra parte foi entregue ao petista Jacó Bittar.

Risco
A Braskem, apesar de ter alcançado demanda de cerca de US$ 9 bilhões para emissão de US$ 2,25 bilhões em títulos de dívida externa (bonds), pagou prêmio ao investidor pelo risco Odebrecht e pela extração sal-gema. Com isso, a Braskem foi classificada pelas agências de rating com uma nota superior à do Brasil, o que poderia dar à petroquímica suporte para captar pagando menos. Vale lembrar que a Odebrecht, em recuperação judicial, é detentora da metade das ações da Braskem, ao lado da Petrobrás, e sua fatia na empresa está sendo fortemente discutida por credores.

Democrática
Enquanto a Prefeitura de São Caetano abriu consulta popular para definir as cores das Calçadas Acessíveis e Permeáveis da mais famosa avenida da cidade, a Goiás, por meio de votação na internet; em outra Prefeitura do ABC, a ordem é uma só: a cor para pintar alguns espaços públicos do município deve ser azul.

Avalie este item
(0 votos)

O Brasil é laboratório para instigantes experiências antropológicas. Num mesmo território, às vezes no mesmo espaço físico, exibe a convivência entre estágios muito diversos na escala civilizacional. É o país em que 265 milhões de mobiles – entre celulares, smartphones, tablets, notebooks e computadores pessoais – servem a 209 milhões de habitantes. A conclusão inafastável é a de que alguns indivíduos têm mais do que um aparelho de conexão permanente com o mundo.
Nesse ambiente, as redes sociais constituem o canal para receber expectativas, angústias e inseguranças da sociedade. Não há mais diferença de estamento social. Vê-se catador de resíduos sólidos – a salvação do planeta, embora originada de um estágio miserável da dignidade humana – até mendigos a manusear com desenvoltura seus celulares. Daí o sucesso daqueles munidos de talento para se comunicar.
Abel Reis, presidente do Grupo Dentsu Aegis Brasil, escreveu um livro, “Sociedade.com” (Editora Arquipélago), em que esse aspecto é desenvolvido. Para ele, “a dinâmica das plataformas sociais divide seguidores e influenciadores. As redes criaram personalidades capazes de engajar pessoas – o que mostra que a função do formador de opinião é insubstituível. Nas redes, todo mundo pode ser um Publisher, mas isso não quer dizer que todo mundo tenha alcance. Há dois grupos: alguns seguem e outros são seguidos”.
Os que são seguidos conseguem uma fidelidade cativa de adeptos. Tanto que, num país em que não se lê, em que as editoras e livrarias estão cerrando as portas, os poucos livros na relação dos mais vendidos são de youtubers. Estes são os que hoje “fazem a cabeça” da juventude.
Lastimável que os governos encarem a situação como um ônus e não como investimento. A pressa na obtenção de resultados, que constituem alavanca para eleições ou para a nefasta reeleição, impede a acolhida à criatividade, ao empreendedorismo, ao protagonismo, à autonomia do diretor e do professor vocacionado. Prossegue-se na mesma linha superada de aulas prelecionais desprovidas de sedução, incapazes de motivar o educando à curiosidade. Se o professor se convertesse num provocador, num desafiador, os resultados seriam outros. Não estaríamos na rabeira do mundo e no fracasso de nossas redes públicas e privadas.
Para Abel Reis, o nosso tempo exige “generalistas, pessoas capazes de estabelecer diálogos com diferentes áreas do conhecimento. E isso exige sensibilidade, empatia e conexão a aspectos da cultura, da psicologia e da sociologia. Pessoas com essas características tenderão a se sair melhor nos novos ambientes profissionais do que as enclausuradas no conhecimento especialista”.
Ninguém está alertando os jovens de que emprego é algo em extinção. Para sobreviver, há de se explorar aquilo que a automação não puder fazer. É cada vez menor o espaço reservado ao ser humano. O que fazer com a legião dos desempregados e desqualificados para as exigências de uma sociedade inteiramente digital?
Quem tiver juízo deve mergulhar nessa reflexão e exigir de todos – Estado, empresariado, Universidade, mídia, sociedade civil – uma atuação mais consciente, sob pena de contribuir para a aceleração do caos e de uma pavorosa imprevisibilidade.

Avalie este item
(0 votos)

A Assembleia de Radiocomunicações da UIT (RA-19) concluiu na sexta (25), as diretrizes futuras em sistemas de radiocomunicações e tecnologias de informação e comunicação. Presidida por Sergey Pastukh, da Federação Russa, a RA-19 estabeleceu os futuros programas de trabalho para o setor de radiocomunicações da UIT (UIT-R) e aprovou uma série de padrões de radiocomunicações (recomendações da UIT-R) e resoluções que terão impacto global no futuro tecnologias de radiocomunicações.
São os seguintes os destaques da discussão durante a Assembleia de Radiocomunicações (RA-19)  
• Melhorias nos sistemas de transmissão de televisão, som e multimídia, bem como traçar um roteiro para os países em desenvolvimento e promover a acessibilidade para pessoas com deficiência e necessidades específicas.  
• Tecnologias avançadas para dispositivos de curto alcance (SRD) em suporte à Internet das Coisas, com aplicativos para dispositivos de identificação por radio-frequência (RFID) e certos tipos de dispositivos médicos.  
• Sistemas de radiocomunicações ferroviárias entre o trem e a via (RSTT), que são vitais para proporcionar melhores operações de tráfego ferroviário em um ambiente de alta velocidade.  
• Aprimoramentos contínuos nas telecomunicações móveis internacionais (IMT), incluindo o IMT-2020 - também conhecido como 5G - e a convergência em evolução de vários setores e serviços.  
• Implantação de telecomunicações públicas internacionais via satélite nos países em desenvolvimento para promover o acesso acessível e universal, principalmente por meio da cobertura global e do fornecimento de tecnologias de banda larga de próxima geração, juntamente com o foco na capacitação.
"A Assembléia de Radiocomunicações é um lembrete importante do papel central das radiocomunicações no progresso tecnológico geral das telecomunicações e das TIC", disse o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Avalie este item
(0 votos)

O Estado do Ceará, e não é de agora, há alguns anos vem dando ao Brasil exemplo de alfabetização de crianças. Basta saber que num ranking nacional de leitura por crianças a cidade de Granja, naquele Estado, tem os dez primeiros lugares segundo dados divulgados pelo INEP. Na última edição da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) os alunos de oito anos da Escola Nossa Senhora Aparecida, na zona rural de Granja, tiraram a melhor nota do Brasil em leitura e escrita, sendo que essa cidade do sertão cearense  tem 9 escolas entre as dez melhores do país.  Ali ninguém se mostra preocupado com polêmicas sobre métodos de alfabetização, pois professores dedicados ensinam os sons das letras e alfabetizam por meio de jogos, reflexões e textos do cotidiano, com a intenção de não deixar nenhuma criança para trás. O método é simples: ensinar a consciência fonológica, ou seja: as letras correspondem a sons e assim, já aos 4 anos a criança aprende a decodificar letras e sons. Importante é ensinar professores a alfabetizar, esse o segredo de fazer com que a criança aprenda com mais facilidade.
Segundo uma análise da questão de alfabetizar não são os métodos que contam, mas sim alfabetizar com método, como estão fazendo as escolas em Sobral, cidade do Ceará, modelo de educação, com 65 das melhores escolas em leitura no Brasil. São Paulo não tem nenhuma (cf.   o jornal O Estado de S.Paulo, em matéria sobre o tema publicada em 27 de outubro de 2019). Uma professora da Secretaria Municipal da cidade de Granja-CE,  informa  que na escola há uma biblioteca onde cada aluno escolhe o que quer ler e a professora lembra que essa fase do  ba be bi bo bu, de decorar não existe mais.


Destaques

Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu