06 Apr 2020

A General Motors está engajada na luta contra o Covid-19. Atuando junto às autoridades, a empresa está liderando esforços conjuntos com o ministério da Economia, SENAI, Abeclin (Associação Brasileira de Engenharia Clínica) e outras montadoras para unir uma força-tarefa no conserto de todos os respiradores que não estão funcionando no Brasil, por meio da Iniciativa + Manutenção de Respiradores.

A ação tem o intuito de aumentar o número de aparelhos disponíveis para atender pacientes graves infectados pelo vírus Covid-19.

"Colocamos a nossa expertise, instalações e força de trabalho voluntário técnico à disposição das autoridades. Este é o momento de usarmos todas as armas que temos contra este vírus e a GM fará tudo o que está ao seu alcance para ajudar o Brasil e o mundo a passarem por este momento difícil", declarou Carlos Zarlenga, presidente da GM América do Sul.

O gerente de inovação da GM, Carlos Sakuramoto, foi a pessoa procurada pelo ministério da Economia para coordenar essa ação: "Neste momento, em paralelo ao levantamento que está sendo feito do número, localização e modelo dos equipamentos parados, estamos treinando virtualmente nosso corpo técnico voluntário e preparando salas nas operações da GM no Brasil para realizarmos os reparos na semana que vem", explica o engenheiro.

Até o momento, já foram mapeados mais de 3.000 respiradores que não estão em operação. Este número pode ser ainda maior.

O objetivo é consertar 100% dos aparelhos fazendo a logística de buscar nos hospitais, levar até uma fábrica mais próxima, consertar com a mão de obra técnica voluntária treinada pelo SENAI e, depois de funcionando, o equipamento retorna para o hospital de origem para ser usado no combate ao Covid-19.

Respeitando o pedido de quarentena e isolamento social, os colégios da rede Adventista já iniciaram as atividades escolares por meio de uma nova plataforma online. Porém, com o objetivo de fazer com que todo o material de apoio para o estudo EAD chegue aos alunos, a instituição criou um sistema de delivery para quem não quer ou não pode sair de casa. Funcionários voluntários entregam os materiais, com apostilas e atividades, nas casas de cada aluno sem custo nenhum.

“Em tempos de suspensão das aulas, disponibilizamos aos estudantes, além do delivery de materiais, também a plataforma E-class que possui um ambiente com 52 mil aulas cadastradas. O objetivo é manter a rotina de estudos, orientando e fornecendo aprendizado de forma virtual, sem perder a qualidade”, explica Marizane Piergentile, diretora de educação da rede adventista do ABCDM e Baixada Santista.

Uma parceria entre Sabesp e Prefeitura de São Paulo vai construir 10 lavatórios em diferentes pontos do Centro da cidade para que a população possa lavar as mãos. A ação é mais uma medida adotada no combate à COVID-19. A previsão é que todos os equipamentos já estejam em funcionamento nesta semana. O primeiro foi implantado, na quarta (25), na Praça da Sé.

A Sabesp é responsável por montar a parte hidráulica dos lavatórios e a Prefeitura constrói toda a estrutura. Lavar as mãos é uma das formas de prevenção contra vírus. A construção desses equipamentos tem o objetivo de ajudar a população a manter os hábitos de higienização, inclusive na rua.

Os lavatórios serão implantados nos seguintes endereços: Praça Ouvidor Pacheco; Largo São Bento; Largo do Paissandu; Pátio do Colégio; Praça da República; Largo do Arouche; Parque Dom Pedro II; Largo General Osório; e Praça da Liberdade.

 Ações contra o coronavírus

A Sabesp já anunciou algumas medidas para auxiliar a população nesse momento. A Companhia está isentando do pagamento das contas de água e esgoto os clientes das categorias de uso Residencial Social e Residencial Favela. A ação é válida para todas as cidades do Estado operadas pela Sabesp, aproximadamente 2 milhões de pessoas que já têm o benefício serão atendidas pela medida, que vai valer por três meses (abril, maio e junho) para contas emitidas a partir de 1º de abril de 2020.

A Companhia também vai distribuir 1.200 caixas-d’água para moradores de Paraisópolis que ainda não tenham o reservatório em seu imóvel. Isso vai prevenir que as pessoas fiquem sem água em momentos em que sejam necessários reparos emergenciais ou manutenções preventivas na rede de abastecimento.

A ação ocorre para reduzir o impacto da pandemia COVID-19 na rotina dos cidadãos e ocorrerá em Paraisópolis em razão de sua característica topográfica. Trata-se de um bairro altamente adensado com partes altas, onde a água pode demorar mais tempo a chegar até os imóveis.

A distribuição de caixas-d’água é uma medida que já foi adotada anteriormente pela Sabesp para ajudar moradores a se adaptarem à regra da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), segundo a qual os domicílios devem ter caixa-d’água que seja capaz de suprir o abastecimento dos moradores por ao menos 24h.

Outra medida implementada, também em parceria com a Prefeitura de São Paulo, é a ampliação da água de reuso. Por causa do coronavírus, a Sabesp está aplicando mais cloro para garantir mais eficiência no processo de higienização. A água de reuso é produzida nas estações de tratamento de esgoto (ETEs) – portanto, não serve para o consumo – e está sendo utilizada pela prefeitura na limpeza urbana, como ruas, trechos em frente de hospitais, pontos de ônibus e após feiras livres.

Outra medida implementada é o aumento no volume de cloro aplicado na água de reuso, usada na limpeza urbana, para garantir mais eficiência no processo de higienização. A água de reuso é produzida nas estações de tratamento de esgoto (ETEs) – portanto, não serve para o consumo – e está sendo utilizada pela Prefeitura de São Paulo na limpeza de ruas, trechos em frente de hospitais, pontos de ônibus e após feiras livres.

A primeira fase da Campanha Nacional conta a Influenza, iniciada na segunda (23), pela Prefeitura de São Bernardo, já imunizou 62,4 mil pessoas, ou seja, mais da metade do público-alvo estipulado pelo Ministério da Saúde (idosos e profissionais da Saúde). Devido à alta adesão, a Prefeitura aguardará nova reposição das vacinas para dar prosseguimento à campanha, realizada de forma inédita em 33 escolas e em quatro pontos da cidade no formato ‘Drive Thru’.

Somente no primeiro dia de campanha, a Prefeitura de São Bernardo vacinou 33 mil pessoas contra a Influenza. A aplicação precisou ser suspensa, na terça (24), e foi retomada um dia depois, após o recebimento de mais doses por parte do Ministério da Saúde. Outros 29,4 mil moradores receberam a proteção contra a gripe nesta quarta (25), sendo 22,9 mil nas unidades de ensino (das 8h às 17h) e 6,5 mil nos ‘Drive Thru’ (das 9h às 16h).

DESCENTRALIZAÇÃO - A estratégia do Prefeito Orlando Morando de descentralizar a aplicação das vacinas tem como objetivo evitar a aglomeração de pessoas nas 34 Unidades Básicas de Saúde, em especial de idosos, que se enquadram no grupo de risco para o Coronavírus (COVID-19). O município conta com 78.881 idosos e 24.710 funcionários da Saúde, o que soma 103.591 pessoas como público-alvo desta primeira etapa de vacinação.

Apesar da boa adesão dos munícipes nesta primeira fase de vacinação, estrutura especial montada pela Prefeitura evitou longas esperas e aglomeração de pessoas. Os moradores foram organizados em filas com distância mínima de dois metros entre eles. As tendas de imunização foram montadas nas quadras das escolas, ao ar livre, para evitar qualquer contaminação pelo COVID-19.

PRÓXIMAS FASES – A segunda etapa da campanha terá início no dia 16 de abril e terá como alvo professores de escolas públicas e privadas, além de profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais.

Está prevista para sábado (9) ‘Dia D de Mobilização Nacional’, data em que terá início a terceira fase de vacinação, destinada a crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas, povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, adultos de 55 a 59 anos de idade e deficientes. A campanha se estenderá até 22 de maio.

Com o objetivo de combater a propagação do novo coronavírus, a Prefeitura de Santo André começou a realizar, na quarta (25), trabalho de desinfecção em diversas ruas e avenidas da cidade. Caminhões-pipa jogaram cloro e desinfetante em corredores comerciais, no entorno de equipamentos de saúde, terminais de ônibus, entre outros locais.

A limpeza das vias está sendo realizada por meio de parceria entre o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) e a Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos. Ao todo, seis caminhões e carretas estão percorrendo a cidade, realizando lavagem em pontos estratégicos. Na sequência, é realizada aplicação de produto sanitizante em bancos, fachadas e lixeiras.

Neste primeiro dia, a ação foi realizada nas ruas General Glicério, Bernardino de Campos, Itambé e vias no entorno do Centro Hospitalar Municipal, estações Utinga e Prefeito Saladino da CPTM, UPA Bangu, Pronto Atendimento Vila Luzita, Hospital da Mulher, Praça Mario Guindani, rua Coronel Oliveira Lima e Praça do Carmo. Também foi realizada limpeza nas proximidades da Igreja Senhor do Bonfim e dos Cemitérios Camilópolis, Curuçá e Assunção.

“Estamos vivendo a maior crise sanitária da história. Há pouco dias estava tudo bem, estávamos com um calendário lindo para o aniversário da cidade e de repente tudo mudou. Estamos vivendo uma guerra em que não enxergamos o inimigo e estamos tomando todas as ações necessárias para combater a pandemia. A arma mais importante, no entanto, é o isolamento social”, alertou o prefeito Paulo Serra.

Periodicamente, além dos pontos higienizados nesta terça-feira, outros pontos também passarão pelo mesmo processo. Esta ação faz parte das diversas iniciativas adotadas pelo município para controlar a pandemia de Covid-19 que, até o momento, registrou dez casos confirmados, sendo um óbito, e outros 155 casos suspeitos aguardando análise do Instituto Adolfo Lutz.

O governador do Estado, João Doria, acaba de anunciar, durante coletiva, junto ao secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, a coordenadora do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, Helena Sato, prefeito de São Paulo, Bruno Covas, do secretário da Fazenda e Planejamento do Estado, Henrique Meirelles, entre outros, nesta quarta (24), novas medidas no combate ao coronavírus, para a região metropolitana de São Paulo.

1ª) O programa ‘Merenda Legal’, do governo do Estado, concederá R$ 55 por mês, para 700 mil alunos da rede pública, com famílias em extrema pobreza, para garantir a alimentação, enquanto as aulas estiverem suspensas. O valor corresponde ao de uma cesta básica;

2ª) Antecipação da vacinação aos policiais militares, civis, corpo de bombeiros, polícia científica e em todo o sistema prisional, para segunda (30). A expectativa é vacinar 100 mil policiais nos próximos 5 dias;

Doria revelou que, nesta tarde de quarta (25), os 27 governadores do Brasil irão se reunir, por meio de videoconferência, das 16h às 18h.

O governador ainda falou sobre a videoconferência, na qual os governadores do Sudeste tiveram com o presidente Jair Bolsonaro e alguns ministros, nesta manhã de quarta (25).  “Mencionei a importância desta integração entre governos estaduais e o federal. Não é hora de separatismo, não é hora de rivalidades, é hora de todos estarmos juntos nesta gravíssima crise e nesta guerra contra o Coronavírus. Posicionei ao presidente, que havia ficado decepcionado com sua intervenção feita ontem à noite, discordando, pois para os brasileiros de São Paulo, e represento 46 milhões de brasileiros, e a nossa proposta foi pelo entendimento e pelo diálogo, a integração de atitudes e de medidas, a não relativização desta crise, não é uma gripezinha ou resfriadinho; é um assunto sério, difícil e a maior crise da Saúde pública da história do País. Portanto, presidente não politize a questão, não transforme isso em palanque político. Os 27 governadores, assim como eu, estão preocupados em salvar vidas”, disse.

Doria ainda dedicou reflexão ao presidente, dizendo: “na minha visão, o presidente deveria liderar o país e não conflagrar o Brasil como ele tem feito, com as suas posições, com as suas manifestações, com as suas decisões e com a forma intempestiva com que se dirigiu à mim hoje, na teleconferência. Não é no repto, não é no desafio pessoal, que vamos construir soluções para esta grave crise do Brasil. É no entendimento, na reflexão, na paz de espírito, na capacidade de interpretar corretamente os fatos e emitir soluções e medidas saudáveis positivas, construtivas, equilibradas e em paz. E a reflexão que dedico ao presidente Bolsonaro é não pode haver fronteira entre a solidariedade e amor ao próximo . Irmã Dulce nos ensinou que as pessoas que espalham amor não têm tempo, nem disposição, para jogar pedras”.

BOLETIM- O secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, atualizou o número de casos no Estado:

-  810 casos confirmados no Estado

- 40 óbitos

-  59 casos de internação em UTI


Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu