25 Nov 2017

Com profundos recortes em sua costa, mar translúcido que vai do azul claro ao verde esmeralda, Crotone surpreende. Terras áridas, pedregosas, muitos figos da índia e oliveiras emolduram a paisagem que ainda oferece relíquias históricas como o castelo de Carlos V, os muros da cidade antiga ou La Castella, fortaleza edificada em uma ilhota e uma longa e rica história desde 710 AC quando foi fundada pelos gregos como Kroton. Mas Crotone é também destino favorito por suas praias de mar muito calmo, águas limpíssimas e natureza protegida.

Estar em Crotone é uma oportunidade para também provar delícias da gastronomia calabresa: seu famoso vinho Cirò, as imbatíveis e apimentadas linguiças, o queijo pecorino crotonese, feito com leite de cabra ou então “Patate pipi,” o prato típico do verão feito com pimentões, batatas sautée e azeite.

Pouco visitada por navios de cruzeiro, Crotone está nas rotas de verão do sofisticado Sirena, parte da nova coleção 2019, Europa & As Americas da Oceania Cruises, que acaba de ser lançada e já com disponibilidades para reservas.

O Sirena estará em Crotone em apenas duas viagens de dez dias quando seus privilegiados   684 hóspedes irão visitar alguns dos mais icônicos portos italianos começando por Veneza, seguindo para Ancona, depois Bari, na badalada Puglia, Crotone, Taormina, na Sicilia, Amalfi/Positano, Roma, Portoferraio, na Ilha de Elba, Portofino, na riviera italiana e terminando em Monte Carlo.

As tarifas para essas viagens começam em R$8.669,00 por pessoa com oferta especial que inclui US$ 100 de crédito a bordo, Internet ilimitada e gratuita e mais uma das seguintes escolhas: 6 Passeios em terra gratuitos;Pacote de Bebidas da casa free;U$600 de Créditos a bordo.

O governador Geraldo Alckmin assinou, na segunda (6), o contrato para a realização do Fórum Econômico Mundial para a América Latina (WEF, sigla em inglês) em São Paulo nos próximos 13, 14 e 15 de março. Marisol Argueta, chefe do fórum para a América Latina, assinou pelo WEF. Também firmaram o documento o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Marcos Pereira, e o prefeito João Doria. O evento aconteceu no Palácio dos Bandeirantes.

“Sediamos o Fórum em 2006 com grande sucesso, tanto que a partir daquela edição passou a ser um encontro anual”, lembrou o governador Geraldo Alckmin. “O mundo vive em um momento desafiador, com avanços da tecnologia que provocam mudanças nas relações de trabalho, na governança pública, no setor privado. Mas, além dos desafios, é um momento também de oportunidades, inclusive para a integração regional”, completou.

Também participou da cerimônia a chefe da Assessoria Especial para Assuntos Internacionais (AEAI), Ana Paula Fava. Durante o encontro, os presentes começaram a discutir temas de interesse para inclusão na programação do Fórum. De acordo com Ana Paula Fava, “o Governo do Estado de São Paulo quer trabalhar para que o conteúdo do WEF esteja adequado à realidade brasileira”. A 4ª Revolução Industrial, seus desafios e desdobramentos, será um dos assuntos do WEF em São Paulo, que terá como tema oficial “América Latina num ponto de inflexão: formando uma Nova Narrativa”.

O protocolo de intenções formaliza as responsabilidades de cada uma das partes envolvidas e determina a criação de um grupo de trabalho com representantes dos signatários e de outras instituições relevantes para coordenar, apoiar e implementar os preparativos para a realização do evento, que não acontece no Brasil desde 2011, quando teve a cidade do Rio de Janeiro como sede.

O encontro em São Paulo servirá como plataforma para explorar três diferentes percursos: A Promoção de uma Liderança Responsável e de uma Governabilidade Ágil; A Garantia de Progresso Econômico para Todos; e o Potencial Aproveitamento da Quarta Revolução Industrial.

 “A velocidade característica da quarta revolução industrial apresenta muitos desafios inquietantes na área de negócios, governo e da sociedade como um todo. O objetivo do encontro será aproveitar este impulso para ajudar a formar uma nova narrativa para a região que inclua a tecnologia, mas que também gere progresso econômico para todos”, explicou Marisol Argueta de Barillas, que lidera as Estratégias Regionais para América Latina e é membro do Comitê Executivo do Fórum Econômico Mundial.

O programa incluirá mais de 50 sessões pensadas para que os líderes possam tratar questões estratégicas de importância tanto a nível nacional como regional, debater possíveis soluções e como se envolver em mudanças a longo prazo.

Convite - O Estado de São Paulo foi convidado para sediar o evento em abril deste ano, quando o presidente do WEF, Klaus Schwab, esteve com Alckmin. O anúncio foi realizado pelo próprio governador no encerramento da última edição do Fórum Econômico Mundial para a América Latina em Buenos Aires, em 7 de abril. Também conhecido como “Mini Davos”, reúne a alta cúpula dos governos e principais lideranças do setor produtivo da região.

O Fórum Econômico Mundial é uma organização internacional localizada em Genebra, na Suíça, criada em 1971 por Klaus Schwab, seu atual presidente. O Fórum é responsável pela organização de encontros anuais na cidade suíça de Davos, com a participação e colaboração dos principais líderes políticos e empresariais do mundo. A próxima edição será no mês de janeiro.

O preço médio do m² para venda em São Paulo atingiu o valor de R$ 6.923, o maior de 2017. Houve valorização de 0,3% em relação a setembro de 2017. A capital paulista segue com os preços médios do m² para venda valorizando seguidamente há quatro meses. O levantamento foi realizado pelo VivaReal (www.vivareal.com.br).

O DMI-VivaReal (Dados do Mercado Imobiliário) contempla uma amostra de 30 cidades em diferentes regiões do País e considera mais de 2 milhões de imóveis usados disponíveis para compra ou aluguel. Clique aqui para acessar a íntegra da pesquisa sobre São Paulo relativa a outubro de 2017.

Em comparação a setembro de 2017, houve valorização no preço médio do m² para venda, em outubro, no Centro (0,1%), Zona Leste (0,4%) e Zona Sul (0,3%). As zonas Norte e Oeste permaneceram estáveis.

O DMI-VivaReal também listou quais das 16 principais cidades brasileiras analisadas estão com o valor do m² para venda acima da média nacional (R$ 4.857/m²). Brasília lidera a lista ao atingir R$ 7.722/m², seguida por Rio de Janeiro (R$ 7.123/m²), São Paulo (R$ 6.923/m²), Recife (R$ 6.195/m²), Vitória (R$ 5.789/m²), Florianópolis (R$ 5.389/m²), Porto Alegre (R$ 5.164/m²), Salvador (R$ 5.102/m²), Santos (R$ 5.097/m²) e Curitiba (R$ 4.878). As cidades com valores abaixo da média nacional são: Campinas (R$ 4.800/m²), Fortaleza (R$ 4.650/m²), Belo Horizonte (R$ 4.619/m²), Goiânia (R$ 4.367/m²), Ribeirão Preto (R$ 3.827/m²) e Natal (R$ 3.704/m²).

Ranking dos bairros paulistanos mais procurados para venda em outubro de 2017

1.Vila Mariana - Zona Sul

2.Tatuapé - Zona Leste

3.Ipiranga - Zona Sul

4.Pinheiros - Zona Oeste

5.Moema - Zona Sul

6.Perdizes - Zona Oeste

7.Saúde - Zona Sul

8.Móoca - Zona Leste

9.Santana - Zona Norte

10.Bela Vista - Centro

 

Ranking dos bairros paulistanos mais caros para venda em outubro de 2017

1.Vila Nova Conceição - R$ 16.518/m²

2.Jardim Europa - R$ 15.626/m²

3.Jardim Luzitânia - R$ 13.648/m²

4.Jardim Paulistano - R$ 12.903/m²

5.Itaim Bibi - R$ 12.286/m²

6.Jardim América - R$ 11.887/m²

7.Vila Olímpia - R$ 11.644/m²

8.Cidade Monções - R$ 11.231/m²

9.Vila Gertrudes - R$ 11.162/m²

10.Vila Uberabinha - R$ 11.111/m²

Na quinta (9) e sexta (10), o Senac São Bernardo sedia o 2º Congresso Brasileiro de Turismo Industrial, um dos eventos mais importantes do setor e também do município, onde estão sediadas cerca de 1.200 indústrias, responsáveis por aproximadamente 80 mil postos de trabalho. A programação é gratuita e aberta ao público, mediante inscrição antecipada, que pode ser realizada no site www.sp.senac.br/sbcampo ou presencialmente no Senac, que fica na Avenida Senador Vergueiro, 400.

A iniciativa é uma realização da Prefeitura, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, em parceria com o Senac São Bernardo. O evento também conta com o apoio do Consórcio Intermunicipal do ABC e do Conselho Municipal de Turismo.

Durante os dois dias de congresso, os participantes terão a oportunidade de acompanhar palestras e mesas-redondas que contarão com a presença de representantes dos setores público e privado da cidade e também do país. Além disso, haverá uma mostra de trabalhos acadêmicos de alunos de turismo de cursos técnicos, graduação e pós-graduação de instituições educacionais da região.

"Somos uma instituição de educação profissional e temos consciência do nosso papel no suporte ao desenvolvimento local. Por essa razão, apoiamos iniciativas como essa, que contribuem para o fortalecimento de um setor importante para a região”, declara Jurandir Santos, gerente do Senac São Bernardo.

Muitas mulheres descobrem que têm a Síndrome do Ovário Policístico (SOP) quando tentam engravidar e não conseguem. A SOP afeta de 4 a 12% das mulheres em idade reprodutiva, sendo uma das principais causas de infertilidade feminina.

 Trata-se de uma síndrome, pois é composta de um amplo grupo de sintomas, como ovários policísticos, ciclos menstruais irregulares, hirsutismo (excesso de pelos), obesidade, resistência à insulina, queda de cabelos e oleosidade excessiva. Tudo isso graças ao excesso de produção dos hormônios andrógenos.

Como a SOP afeta a fertilidade

A ovulação é a liberação do óvulo maduro para ser fertilizado pelo espermatozoide. O FSH (hormônio folículo estimulante) e o LH (hormônio luteinizante) controlam a ovulação. O FSH estimula o ovário a produzir o folículo, uma espécie de saco que contém o óvulo. O LH estimula a liberação deste óvulo quando ele está pronto para ser fecundado.

Segundo o cirurgião ginecológico, Edvaldo Cavalcante (foto), nas mulheres com SOP, os óvulos nunca amadurecem o suficiente para sair do folículo e esta característica leva à formação de diversos cistos ovarianos, daí o nome ‘ovário policístico’. “A falta da ovulação altera os níveis de estrogênio, progesterona, FSH e LH, além de aumentar a produção dos hormônios andrógenos, o que interrompe o ciclo menstrual. Com isso, os períodos menstruais se tornam irregulares e, na maior parte das vezes, não ocorre a ovulação, ao que se dá o nome de anovulação”. 

 

Recuperação da Fertilidade Natural

A mudança do estilo de vida é a primeira recomendação para mulheres com SOP. A perda de peso e os exercícios físicos são estratégias importantes para recuperar a fertilidade. Isso porque estudos mostram que a perda de peso reduz os níveis dos hormônios andrógenos, melhorando a função ovariana.

Além da mudança de hábitos e perda de peso, podem ser usados alguns medicamentos para induzir a ovulação. Porém, algumas mulheres têm contraindicações para essas terapias, que normalmente são de alto custo e podem gerar a hiperestimulação ovariana, aumentando a chance gestação múltipla.

“Para as mulheres que possuem contraindicação para a estimulação ovariana por meio de medicamentos, ou ainda para aquelas que não desejam ou não podem ter uma gestação gemelar, a indicação é o drilling ovariano. Trata-se de uma cirurgia que é feita por videolaparoscopia”, diz Dr. Edvaldo.

 O cirurgião realiza microcauterizações na superfície dos ovários e isso leva à melhora dos níveis hormonais. Como resultado, os folículos amadurecem e, consequentemente, a mulher passa a ovular. Cerca de 70% das mulheres começam a ovular após a cirurgia.

 “O drilling ovariano, portanto, pode permitir à mulher engravidar pelo método natural, sem necessitar de estimulação hormonal, assim como da fertilização in vitro, pois restaura a função ovariana e melhora os níveis dos hormônios. Há outras vantagens deste método, como menor chance de gestação gemelar, menor risco de abortamento e taxas de sucesso semelhantes ao uso das gonadotrofinas. Além disso, os custos da cirurgia, em comparação com outros métodos, como o uso de estimuladores ovarianos ou da fertilização in vitro, são menores”, conclui o médico. 

Uma das primeiras escolas criadas para a alfabetização de surdos no ABC, a EMEBE Neusa Bassetto, no bairro Rudge Ramos, é inserida no programa Educar Mais. Essa iniciativa amplia a jornada escolar de 5 para 9 horas todos os dias da semana, transformando esta unidade na primeira escola de tempo integral bilíngue para surdos no estado de São Paulo. O anúncio ocorreu, nesta terça (07), na escola, e contou com a presença do prefeito Orlando Morando, da secretária de Educação, Suzana Dechechi, Pery Cartola, presidente da Câmara Municipal, demais lideranças, autoridades, vereadores, pais, alunos e profissionais da Educação.

Trata-se de mais um presente para a instituição, que recentemente completou 60 anos de existência. Depois de viver quase dois anos de muita incerteza e de ter corrido o risco de ser fechada pela administração anterior, esta gestão havia autorizado a reabertura de matrículas para a Educação Infantil e primeiro ciclo do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano).

“É com muito orgulho que inserimos a EMEBE Neusa Bassetto no programa Educar Mais, iniciativa que é uma das prioridades deste governo. Para muitos, a educação é um gasto. Mas para essa gestão é um investimento no futuro de nossas crianças. Acredito que é fundamental promover a inclusão de diferentes tipos de deficiência na rede municipal de ensino. Mas, nem sempre, um único modelo funciona para todos. Por isso, fizemos questão de reabrir as matrículas desta escola, uma das referências para a educação para surdos”, afirmou o prefeito Orlando Morando.

O chefe do Executivo enfatizou que a decisão de reabrir as matrículas nesta escola está amparada pela lei, pois a Secretaria da Educação consultou o Ministério Público. “Agora, os pais com crianças com deficiência auditiva poderão escolher como seu filho terá o acesso ao conhecimento: tendo uma educação bilíngue por meio da Libras - Língua Brasileira de Sinais e convivendo apenas com crianças surdas; ou mantê-los nas escolas-polo, com professores e crianças ouvintes, nos quais terão o melhor atendimento com instrutores em Libras”, complementou Morando.

O Educar Mais oferece aos estudantes diversas possibilidades de aprendizagem, pois agrega as disciplinas da Base Nacional Comum Curricular como inglês, atividades complementares de grupos de estudo, jogos de tabuleiro, linguagens artísticas, educação ambiental, iniciação científica, cultura do movimento, protagonismo infantil, e educação física para todos os estudantes. As atividades da parte diversificada e da Base Comum acontecem tanto no período da manhã como no da tarde, compondo um currículo integrado. No caso da EMEBE Neusa Bassetto, os alunos terão todas as atividades por meio da Língua Brasileira de Sinais - Libras -, na qual acessa todos os conhecimentos. O português, na modalidade escrita, é o segundo idioma a ser aprendido. Além dessa unidade escolar, o Educar Mais está presente em mais 10 escolas, atendendo cerca de 2500 alunos na Educação Infantil e primeiro ciclo do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano).

A EMEBE Neusa Bassetto deixou de receber matrículas em 2014, e grande parte de seus alunos foram transferidos para as escolas-polo EMEB Padre Manuel da Nóbrega (Ensino Infantil) e EMEB Neusa Macellaro Callado Moraes (Ensino Fundamental I) e no Centro de Qualificação Profissional (CQP) de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Por essa razão, a escola conta, atualmente, com 32 alunos. No total, a rede municipal de ensino conta com 75 alunos surdos.

“Vivemos um momento de muita incerteza. Foi muito difícil ver uma escola que teve mais de 300 estudantes, perdendo, ano a ano, os seus alunos. Estamos muito felizes por esta administração compreender a importância de se manter uma escolha para os pais que desejam ver seus filhos sendo alfabetizados em Libras, e, mais do que tudo, dando a oportunidade para essas crianças terem mais atividades na escola”, disse Cristiane Gori, diretora da unidade escolar.

Educação para surdos em São Bernardo - A EMEBE Neusa Bassetto desenvolve suas atividades educacionais priorizando a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e a modalidade escrita da Língua Portuguesa. Todas as atividades são realizadas com professores fluentes em Libras.

Já nas escolas-polo, os alunos aprendem Libras com um professor surdo no período da manhã. À tarde, esses alunos frequentam suas respectivas turmas, onde também estudam alunos ouvintes. Há dois professores em cada sala: o ouvinte que ministra os conteúdos curriculares e o mediador, que dá acesso aos temas por meio da Libras. Os alunos da EJA também são acompanhados por professores mediadores por todo o período de aula.


Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu