19 Nov 2018

A ideia de criar o “Imperial Russian Ballet” nasceu há 24 anos e é uma homenagem à família imperial da Rússia, que fez uma enorme contribuição para o desenvolvimento da cultura russa, incluindo a criação dos teatros Bolshoi e Mariinsky, onde nasceu e levantou a glória do balé russo. Toda a cena de poderosos imperadores são fãs do devotado trabalho deste grupo de balé. Além disso, o Balé Russo Imperial ganhou reconhecimento em todo o mundo.

O grupo vem ao Brasil para encenar o maravilhoso espetáculo “Romeu e Julieta”, nesta sexta (9), no Teatro Opus, em São Paulo. Ainda há ingressos à venda.

 Ao longo dos anos, os artistas vem trabalhando como treinadores (instrutores).  O chefe da equipe Gediminas Taranda não é só um excelente bailarino, mas sua carreira docente pode ser chamada de vocação e talento especial.

Com o “Imperial Russian Ballet” há a participação de bailarinos de renome internacional como Maya Plisetskaya, Patrick Dupont (Ópera de Paris, França), Farukh Ruzimatov Julia Mahalina e Diana Vishneva (Teatro Mariinsky), Nikolay Tsiskaridze, Lyudmila Semenyaka, Galina Stepanenko, Anastasia, Andrew Mercury e Nadezhda Pavlova, Svetlana Zakharova (Teatro Bolshoi), Denis e Anastasia Matvienko (Teatro Mikhailovsky), Vladimir Malakhov e Julia Kent (Teatro de Balé Americano), Lucia Lakarra e Cyril Pierre (Bávaro Ballet, Munique), Maria Kochetkov ( San Francisco Ballet) Tamie Kusakari (Japão) e muitos outros.

 Em todos os anos de existência, a equipe estava cheia de trabalho duro, missões criativas, descobertas e merecidas vitórias. Os espectadores do "Imperial Russian Ballet" já se apresentaram na Rússia, Japão, Espanha, Áustria, Finlândia, Portugal, Chile, Argentina, Uruguai, Alemanha, França, Itália, Suíça, Luxemburgo, Lituânia, Estônia, Canadá, Israel, China, Grécia, Eslovênia Croácia, Ucrânia, Cazaquistão, Bielorrússia, EUA, Líbano, Chipre, Dubai, Malta, Tunísia, Turquia, Tailândia, Singapura, México, África do Sul, Nova Zelândia e Austrália.

 O “Imperial Russian Ballet”, em 2002, tornou-se o organizador do “Primeiro Festival Internacional de Balé de Moscou Grand Pas”, a inspiração veio do diretor artístico Gediminas Taranda.

 A equipe é constantemente convidada para famosos festivais e eventos. Nos últimos anos, o “Imperial Russian Ballet” foi membro da Gala “Dream II” (Japão, 1998). Na Lituânia, foi organizador e participante do Festival Trakai de Música e Dança (1999, 2001, 2002), “Millennium” - tour, gala - Estados Unidos (1998-2000), Festival Sodetskisa, Lituânia (2000, 2001, 2002) , o festival “Slavic Bazaar” Vitebsk (2000.2006), o festival de dança “Istria” Croácia (2003 - 2010), o Festival de Artes, França, na Martinica (2003), Festival “Ohrid Summer”, Macedônia (2006), Festival “Birgitta ”, Estónia (2008), Festival“ Amber necklace ”, Kaliningrad (2009), Festival de Música Clássica“ Parade of Bands ”, Cazaquistão (2013), um concerto de gala - Pequim, China (2004 - 2010).

Em 2005, é o "Imperial Russian Ballet" foi selecionado para participar das apresentações de gala, o lançamento da Thai Airways. Apresentações foram realizadas na Tailândia e em Cingapura. A CNN, especialmente para esta ação, gravou um vídeo sobre Moscou com a participação de "Imperial Russian Ballet", que foi ao ar por três meses na região asiática. Em 2006, nas cidades de Pula e Rijeka (Croácia), o “Imperial Russian Ballet” participou do evento beneficente da Associação “League Against Cancer”.

 Em 2008, em São Petersburgo participou do fundo de caridade "Give Life". Em 2009, Gediminas Taranda fez a estreia de “O Lago dos Cisnes” na água, juntamente com o nado sincronizado na piscina olímpica Water Cube de Pequim.

 Em 2010, o Estádio Olímpico de Moscou realizou uma grande apresentação do novo BMW Série 5, cujo produtor foi Gediminas Taranda junto com o “Imperial Russian Ballet”.

 Em dezembro do mesmo ano, os parisienses em pé saudaram a estreia do novo espetáculo “Simfonikmaniya” com o Novaya Opera Theatre e Dmitry Malikov, que aconteceu em Paris no Palais de Congres. Em novembro de 2011, o Primeiro Ministro realizou um espetáculo brilhante “Pianomania” com o “Imperial Russian Ballet” Dmitry Malikov, coro e orquestra do Novaya Opera Theatre, no Palácio do Estado do Kremlin. Em janeiro de 2013 e 2014, o “Imperial Russian Ballet” participou do projeto “Operamaniya” no Cazaquistão (Almaty) e no teatro “New Opera” (Moscou).

 

Uma história de quinze anos está conectada com o festival anual em Mikkeli na Finlândia, onde ele passou muitas estreias do “Imperial Russian Ballet” com estrelas mundiais de primeira magnitude - esta é uma visão incompleta do movimento do festival “Imperial Russian Ballet”.

 A estreia de produções clássicas, nos últimos anos,  são o pano de fundo de ouro da arte do balé - "Romeu e Julieta" por Sergei Prokofiev, "O Lago dos Cisnes", "Nutcracker", "Bela Adormecida" Tchaikovsky, "Carmen" por Bizet-Shchedrin, "Walpurgis Night ”Charles Gounod,“ Bolero ”de Maurice Ravel, Polovtsian Danças da ópera“ Prince Igor ”de Alexander Borodin,“ Scheherazade ”de Nikolai Rimsky-Korsakov,“ Les Sylphides ”,“ Bola fantasma ”de Frederic Chopin,“ Don Quixote ”Por Ludwig Minkus, cantata cênica de Carl Orff“ Carmina Burana ”, eco-balé de Philip Glass“ Vôo sobre a lenda ”e outros.

 “Imperial Russian Ballet” é a unidade e integridade da escola de balé russa, tradição e continuidade que são passadas de geração em geração, não estão sujeitas nem a tempo nem a espaço e são percebidas como o verdadeiro império criativo. Mais informações: www.teatroopus.com.br.

A MBigucci é a primeira construtora com sede no ABC a lançar uma empresa 100% focada em empreendimentos econômicos, a BigTec. A nova marca nasce amparada na força, solidez e credibilidade do grupo MBigucci, com 35 anos de mercado.

A BigTec construirá imóveis até R$ 240 mil, beneficiando famílias com renda de três a dez salários mínimos – público que se enquadra no Programa Habitacional “Minha Casa, Minha Vida”, do Governo Federal.

De acordo com o presidente do grupo, Milton Bigucci, a BigTec nasceu para atender a grande demanda por habitações populares. “É um novo desafio para o Grupo, que contribuirá para diminuir o déficit habitacional do Brasil, que já ultrapassa 7 milhões de unidades com 90% da demanda concentrada na baixa renda, até dez salários mínimos”, afirmou.

Os imóveis da BigTec terão financiamento da Caixa Econômica Federal e todos os benefícios enquadrados no Programa Habitacional “Minha Casa, Minha Vida”. Segundo o diretor técnico Milton Bigucci Junior, a nova empresa investirá em tecnologias diferenciadas e na otimização do processo comercial, buscando o melhor custo-benefício do mercado para quem quer comprar um apartamento bom de padrão econômico. “Serão empreendimentos com ampla área de lazer, com fitness, quadra, área de churrasqueira, playground, salão de festas, espaços equipados e decorados com paisagismo, enfim, um empreendimento econômico, mas diferenciado, como a MBigucci está acostumada a entregar”, explicou Milton Junior.

A BigTec atuará no ABC, na cidade de São Paulo e Grande São Paulo. “Já temos dois projetos prontinhos para serem lançados pela BigTec: o primeiro é o Alvorada, localizado em Itaquera-SP, e o Terra Nostra, em Guarulhos-SP. Em breve teremos também o América, que será lançado em São Bernardo, no Bairro Cooperativa”, destacou o diretor

O urologista Neal Shore (foto) tem uma das mais difíceis missões de um médico – comunicar ao paciente que ele sofre de câncer de próstata e direcioná-lo ao melhor tratamento possível no momento do diagnóstico. Com mais de trinta anos de experiência como uro-oncologista, ele assegura que "não há diferença cultural quando se fala da reação do paciente ao anúncio da doença. "É como se a pessoa ganhasse um passaporte onde está escrito ´tenho câncer´ e a reação imediata é invariavelmente de tristeza", ressalta o especialista e um dos autores do PROSPER1 – estudo de fase 3, que mostrou que o medicamento enzalutamida reduziu significativamente, em 71%, o risco de metástase ou óbito em homens com câncer de próstata não metastático resistente à castração (CPRCnm).

Shore esteve em São Paulo no início de outubro para participar do Astellas Oncology Forum 2018, evento promovido pela farmacêutica japonesa Astellas Farma Brasil com o objetivo de discutir casos clínicos com médicos e representantes de planos de saúde. O evento antecipou um dos temas que serão abordados na campanha de conscientização sobre câncer de próstata Novembro Azul deste ano: o medo de ser diagnosticado com a doença.

Para o diretor-executivo, líder de Patient Experience, da Astellas nos Estados Unidos, Doug Noland, o evento foi mais uma oportunidade de médicos e pesquisadores trocarem experiências enriquecedoras para melhorar o tratamento aos pacientes. "O bem-estar do paciente é sempre o foco do que fazemos, e esses exemplos permitem aprimorar nosso trabalho em busca de melhores tratamentos", reforçou o executivo.

O Astellas Oncology Forum 2018 reuniu diversos especialistas da área de todo o mundo, entre eles o Daniel Herchenhorn, coordenador científico da Oncologia da Rede D´Or; André Sasse, oncologista do Grupo Sasse Oncologia e Hematologia; Igor Morbeck, oncologista do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês de Brasília; Ubirajara Ferreira, professor titular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); Walter Costa, titular do Núcleo de Urologia do A.C. Camargo Cancer Center; e Glyn Elwyn, professor do Dartmouth Institutte, que pertence ao Instituto Dartmouth para Política de Saúde e Prática Clínica, nos Estados Unidos.

Para o médico Ubirajara Ferreira, da Unicamp, e um dos principais pesquisadores do estudo PROSPER no Brasil, foi um momento raro para o encontro de especialistas na área em torno de um estudo que aponta caminhos para a melhora na qualidade de vida do paciente. "É sempre importante essa troca de experiências para avançarmos no tratamento do câncer de próstata", ressaltou.

Por meio de entrevista, o uro-oconlogista, Neal Shore, com passagens também pelo Cornell Medical Center/The New York Hospital e integrante da Sociedade Norte-americana de Oncologia Clínica e da Associação Norte-americana de Urologia, destacou a importância da relação entre médico e paciente.

O Sr. já esteve várias vezes no Brasil. Há alguma diferença na forma como o paciente de câncer reage à notícia de que está com câncer de próstata aqui no Brasil, em relação aos seus pacientes nos Estados Unidos?

Dr. Neal Shore (NS): Não, é sempre perturbador, independentemente do histórico e cultura do paciente. O importante é que o médico explique com máxima clareza, ao paciente, a agressividade biológica do seu câncer de próstata; quais tratamentos estão disponíveis para ele e como eles pode afetar sua sobrevivência, qualidade de vida, e o perfil de risco terapêutico.

O Sr. está dizendo então que é muito importante dialogar com o paciente para encaminhá-lo ao tratamento?

Neal: É fundamental explicar claramente todas as opções para o paciente e a sua família. No caso de câncer de próstata, por exemplo, pode ter um grande componente genético, então é preciso ter um histórico familiar detalhado de câncer. Alguns pacientes nem sempre se sentem confortáveis em revelar seus sintomas ou medos do tratamento, daí, a importância da família comparecer as consultas.

Há diferença na aceitação do diagnóstico em função da idade do paciente?

Neal: Sim, as gerações mais jovens as vezes se sentem mais confortáveis para fazer perguntas mais detalhadas. Além disso, os parâmetros globais, étnicos, socioeconômicos e de idade influenciam a interação médico-paciente.

O estilo de vida moderno, sobretudo nas grandes cidades, é um convite ao sedentarismo. O Sr. vê alguma relação entre esse modo de vida e o aumento de casos de câncer de próstata?

Neal: De maneira geral, não diria que há uma relação direta entre esse cenário e o aumento dos casos. O que temos comprovado no dia a dia é que pacientes com câncer de próstata que tiveram uma vida saudável até ficarem doentes, respondem melhor aos tratamentos. Eles podem melhorar a imunidade e de maneira geral são mais tolerantes à terapias quando seu estado geral de saúde é mantido por exercícios regulares, alimentação saudável, uma boa qualidade de sono e prevenção de stress. De fato, ter um estilo de vida saudável é bom para as pessoas que não estão doentes bem como para aqueles que podem enfrentar algum tipo de tratamento contra o câncer.

Por que o Sr. escolheu ser médico e atuar em uma área tão sensível com a pesquisa em Oncologia?

Neal: Meus pais foram meus verdadeiros mentores. Minha mãe era professora primária e depois se tornou diretora de uma escola infantil. Dela, herdei a paixão por educação e pela pesquisa. Meu pai, que era médico de família, cuja consultório fazia parte da minha casa, foi minha referência de profissional. Quando eu fui para a faculdade de Medicina e para a residência, eu trabalhei com muitos cientistas, e isso fez muita diferença pra mim.

Para elevar as vendas das categorias de higiene e perfumaria, a Coop - Cooperativa de Consumo realizará, até 30 de novembro, mais uma edição do Festival da Beleza. Durante o período, o cliente encontrará em toda a rede, inclusive nas drogarias de rua, várias ofertas especiais. Somente nos supermercados, serão 150 produtos em promoção. A ação também será reforçada por um tabloide especial com 16 páginas. Neste ano, a ação conta com o apoio de importantes marcas, como Unilever, P&G, Colgate, Niely, L’Oréal, Intimus, OX e OGX.

O prefeito de Diadema, Lauro Michels, recebe, nesta quarta (7),  em seu gabinete, o secretário estadual de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, Vinícius de Almeida Camarinha. Ele vem ao município para assinatura do protocolo de intenção para criação do Centro de Inovação Tecnológica, que será implantado na cidade em parceria com o Governo do Estado de São Paulo.

Participam do ato de assinatura o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Laércio Soares, o presidente da Câmara, Marcos Michels, vereadores e convidados.   

A criação do Centro de Inovação é um anseio da área empresarial local e sua implantação vem sendo discutida há algum tempo. “Com o Centro de Inovação, as nossas indústrias vão ficar cada vez mais competitivas e o desenvolvimento de novos produtos e metodologias surgirão, abrindo oportunidade de mais negócios e postos de trabalho”, afirma o secretário Laércio Soares.

O Centro de Inovação terá participação de faculdades e escolas tecnológicas e profissionalizantes que trarão a colaboração científica. O Município possui uma rede de instituição de ensino superior e formação profissional, entre elas a UNIFESP, FATEC, ETEC, Fundação Florestan Fernandes, Faculdades Diadema, redes SENAI e SESC.

A economia de Diadema caracteriza-se pela predominância da indústria de transformação, associada ao crescimento das áreas do comércio e de serviços. Hoje, o setor industrial é responsável pela geração de 45% dos empregos formais do município e conjuminando com os outros setores de produção local - indústria química, de cosméticos, plásticos, alimentos, elétrico, comunicação, têxtil, mobiliário, gráfico e produtos não metálicos - constitui parque fabril de mais de 1.400 empresas.

A Sala de Exposições da Secretaria Municipal de Educação de São Caetano recebe, até o dia 30 de novembro, a exposição “O Silêncio que Grita”, da Fundação Brasil Meu Amor. Inspirada na vida de Juscelino Kubitschek, que ocupou a Presidência do Brasil entre 1956 e 1961, a mostra é aberta ao público em geral, com entrada franca, e também recebe visitas de escolas da rede municipal, guiadas por monitores da Fundação.

A exposição traz fotografias e vídeos que retratam momentos marcantes da história, dos primeiros habitantes das Américas até o período contemporâneo, dentre os quais se destaca a trajetória do presidente responsável pela fundação de Brasília. Para a secretária de Educação, Janice Paulino César, a instalação é uma boa oportunidade para estimular o interesse pelo estudo de História do Brasil. “Pretendemos aproveitar esse espaço para trazer outras exposições ao município”, declarou a secretária.


Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu